22.9.17

Tá na internet: ILEGÍTIMO E DENUNCIADO POR CORRUPÇÃO, TEMER NÃO CONSEGUE IMPOR HIERARQUIA.


A crise militar deflagrada pelas declarações do general Hamilton Mourão, que defendeu uma intervenção militar para banir elementos corruptos da vida nacional, serviu para demonstrar a falta de autoridade de Michel Temer e de seu ministro Raul Jungmann; como a legitimidade de Temer é zero, uma vez que seu poder foi conquistado por um golpe, e ele ainda conseguiu se tornar o primeiro ocupante da presidência da República formalmente denunciado por corrupção, obstrução judicial e organização criminosa, seu ministro Raul Jungmann não teve autoridade para cobrar punição ao general, que recebeu apoio dos colegas Augusto Heleno e Villas-Bôas; ou seja: o Brasil, que já vivia a maior crise política de sua história, tem agora também uma crise militar

247 – O Brasil tem hoje um ocupante da presidência da República ilegítimo, denunciado por três crimes – corrupção, obstrução judicial e comando de organização criminosa – e rejeitado por praticamente todos os brasileiros. Trata-se de Michel Temer, aprovado por apenas 3,4% da população, e que conquistou seu poder por meio de um golpe parlamentar.

Essa combinação explosiva, que faz com que o Brasil atravesse a maior crise política de sua história, criou também uma crise militar desde que o general Hamilton Mourão defendeu uma intervenção militar para banir elementos corruptos da vida nacional, sem explicitar quais seriam. Temer talvez seja um deles.

Ontem, com bastante atraso, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, cobrou uma punição ao general, mas sua autoridade diante das tropas é praticamente nula. O resultado foi que Mourão teve apoio de um general da reserva, Augusto Heleno, e do próprio comandante das Forças Armadas, general Villas Boas, que afirmou que ele não será punido.

A crise demonstra o estrago causado por um governo que, por ser ilegítimo, não consegue impor disciplina e hierarquia. O fato é que os fantasmas do passado voltaram a rondar o Brasil e Temer pode ser derrubado com um simples peteleco das Forças Armadas.

Nenhum comentário: