21.4.12

Paulo Afonso: PC do B denuncia governo Anilton Bastos.

Algumas atitudes tomadas pela administração e certos comportamentos das autoridades municipais se autodenunciam como fatores com muita chance de se relacionar à corrupção. Esses comportamentos são facilmente detectados, não demandando investigações mais profundas. Basta apenas uma observação mais atenta. A simples observação é um meio eficaz de detectar indícios típicos da existência de fraude na administração pública.
O padrão de corrupção identificado em Paulo Afonso é típico de muitas cidades do Brasil: nepotismo, contratação irregular, fechamento de maternidade, prevaricação, desobediência judicial etc. Em vez de procurar cumprir suas promessas eleitorais em benefício da população, o prefeito usou as mesmas promessas para empregar amigos e parentes, para favorecer aqueles que colaboraram com sua campanha ou para privilegiar alguns comerciantes “amigos” em detrimento de outros. Grande parte do orçamento do município é orientado em proveito do restrito grupo que estar no poder municipal e se beneficia dessa situação.
A administração do prefeito Anilton Bastos está eivada de vícios e esperamos que os órgãos fiscalizadores como Ministério Público, PF, Tribunal de Contas do Estado e da União tomem providências para por fim ao descalabro que se verifica na Prefeitura de Paulo Afonso.
O prefeito está desgastado politicamente e a população não está satisfeita nem disposta a lhe conceder o segundo mandato. O PCdoB terá candidatura majoritária tendo como postulantes; Regivaldo Coriolano, Raimundo Caíres, Denise Ribeiro, Sônia Caíres dentre outros camaradas. Estamos confiantes na união das oposições para derrotá-lo nas eleições do mês de outubro, a partir de agora as conversações serão intensificadas para que se chegue a um entendimento e a oposição caminhe unida para a vitória nas urnas, decretando o fim de uma administração incompetente e desgastada.
Claudio Souza.
Presidente Municipal do PCdoB.

20.4.12

Bahia: FAEB apoiará Governo nas ações de convivência com a seca.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (FAEB), João Martins da Silva, esteve reunido nesta sexta-feira (20) com técnicos da Casa Civil do Estado para conhecer melhor as ações que estão sendo realizadas para amenizar os efeitos da seca na Bahia. Martins se comprometeu a apoiar o Governo para que as ações sejam desempenhadas da melhor forma possível.

A princípio, a FAEB enviará técnicos para fazer a orientação nos municípios em que estão sendo entregues alimentos e onde estão sendo feitas obras de abastecimento de água para a população. O presidente da federação se comprometeu ainda a ajudar na divulgação das iniciativas e no controle social.

“A FAEB está se colocando à disposição para ajudar o Governo. Acredito que primeiro temos que realizar uma operação de sobrevivência, levando água e alimentos para as pessoas e ração para os animais. Mas, ao mesmo tempo, temos que criar uma reserva de água no Estado”, ponderou João Martins. (Ascom/Casa Civil-BA)
O cantor Nadson Portugal, é um dos mais elogiados cantores adventistas do Brasil aonde se apresenta de norte a sul. Tornou-se conhecido pelo Grupo Harmuss, de Salvador, Bahia, nos anos 90, especialmente na música “Quem é este Homem?”. Hoje, tem três álbuns solos gravados. Exerce o ministério musical voluntário, participando de programações por todo o Brasil.
Nadson estará em Paulo Afonso mais uma vez, no dia 21 de Abril deste ano, às 19h30. O ingresso custa apenas R$ 10,00 e toda renda será destinada a construção da Igreja do bairro Moxotó. Sua ultima apresentação em nossa cidade foi em 2007, num encontro inesquecível. Desta vez, Nadson Portugal terá o CPA, Clube Paulo Afonso, para divulgar seu trabalho e testemunhar do seu ministério de louvor, e das grandes vitórias de sua vida.
Perguntado certa vez por um repórter da Rádio Novo Tempo, quando falava das dificuldades enfrentadas e as limitações de encarar uma incômoda enfermidade hereditária, e quais de suas músicas lhe fortalece, disse: “Eu glorifico a Deus por seus músicos e compositores, pois numa hora como esta são muitas as canções e os louvores que me transmitem conforto e paz. Dentre as quais eu destaco uma que foi gravada pelo Pr. Josué de Castro em seu primeiro cd. Não me recordo o título, mas o refrão diz: ‘Se meu louvor exige entrega eu quero me entregar…’. A outra fui eu mesmo quem gravei. É a canção ‘O céu vai revelar’ que está no último álbum: coisas que olhos nunca viram.” (veja entrevista completa)
Compre já o seu ingresso e garanta o seu lugar. Aproveite e divulgue nas redes sociais e demais meios que você tem para levar seus amigos a este encontro espetacular, aonde a Glória de Deus será revelada por meio dos louvores e os milagres que lá acontecerão. (Crédito: O Sabatino)

Traficante foi preso em Aracaju transportando drogas.


A Policia de Sergipe recebeu a informação ontem (19), por volta das 16h, de que em na vila conhecida com “Miolo do Pão”, localizada na Rua Aquidabã, Bairro Suíssa, havia uma movimentação de tráfico de drogas. Membros da Policia Civil foram ate o a localidade. Lá abordaram o veiculo Renault Sandero de cor vermelha, placa NVL-7688/SE, veículo este que foi abordado, e assim que a porta foi aberta, sentiu forte cheiro da substância entorpecente conhecida como CRACK.

Ao fazer a busca, encontrou uma pequena trouxa contendo COCAÍNA, e em seguida uma grande quantidade de CRACK e COCAÍNA e ainda a importância de R$ 1.003,00 (mil e três reais), tudo escondido no interior do referido veículo. Na delegacia ele disse que fazia o transporte da droga porque “infelizmente... foi devido ao dinheiro fácil que eu encontrei através de um amigo, que ele veio e me ofereceu aí eu caí na tentação de fazer isso... e foi mais por necessidade mesmo, que tava precisando de dinheiro, e aproveitei a oportunidade... mas eu já estava até arrependido de ter entrado nessa, mas tinha muito medo de morrer, e também de fazerem mal à minha família, e isso fez com que eu permanecesse fazendo essas coisas” e completou que estava arrependido.

O traficante está preso e será apresentado a justiça para que sejam tomadas as providências necessárias.

19.4.12

Uma cidade, um só comando.

Paulo Afonso vive dias de Monarquia.

O Brasil já teve sua monarquia. Ela existiu de 1822 a 1889 e mesmo tendo um regime político parlamentarista, quem mandava mesmo era o Rei. Mesmo depois da instalação da republica, nós já vivemos momentos negros dentro da sociedade. O maior foi a ditadura militar que instalada, prendeu, torturou e matou centenas de opositores do regime. Mas hoje vivemos dias de democracia, agora podemos falar e deixar que todos saibam o que defendemos. Isto é liberdade. Foi por isto e para que todos possam ter governos dignos que lutamos estes anos todos.
Esta sociedade justa passa por instituições livres de amarras e da corrupção que se instalou na maior parte das cidades. Passa também pela legalidade a que os que ocupam cargos estão submetidos, mas se isto deixa de acontecer e uma delas deixa de cumprir o que está na Lei, então há um desajuste, prejudicando todo o conjunto.
A Justiça cabe fazer com que se mantenha o respeito à igualdade de todos os cidadãos e manter a ordem social através da preservação dos direitos em sua forma legal. É a garantia de que todos são iguais e nenhum, seja quem for, terá benefícios em detrimento do outro. Ao menos isto é o que diz a Lei. Cabe ao Legislativo, a tarefa de criar as Leis que serão cumpridas pela sociedade e o administrador da cidade,  além de fiscalizar os atos do mesmo. E se não o faz, e fica a distribuir moção de congratulações, de aplausos, de pesar e títulos de cidadania, não cumpre o seu papal social. A Anilton Bastos prefeito de Paulo Afonso, que é o chefe do poder executivo municipal cabe cumprir as Leis e fazer com que todos os servidores públicos e a sociedade as cumpram colocando as mesmas em execução.
Não é isto que estamos vendo a mais de 3 anos no caso dos 1.800 aprovados no concurso público, realizado com a fiscalização do Ministério Público e da OAB – Ordem dos Advogados do Brasil que atestaram ter ocorrido com lisura. Dos aproximadamente 15 mil inscritos não há notícia de tenha havido um só recurso contra o concurso.
Mas Anilton teima em desrespeitar todas as decisões da justiça, alega através do procurador do município que tem provas, mas não mostrou nenhuma ate agora. Enquanto isto contrata quase que semanalmente pessoas para “trabalhar”, ocupando as vagas dos aprovados.
 A justiça local humilhada e desacreditada por ele no que se refere ao descumprimento de ordem judicial, poderá mais uma vez, no inicio de maio ser desmoralizada. Prenuncia-se mais um ato do atual prefeito. Seria mais uma vez, o descumprimento da intimação por parte de Ainlton Bastos. Se assim acontecer, o Direito então deve ser estendido a todos os moradores da cidade. Sigam o exemplo do prefeito então. Pois a justiça foi desmoralizada por ele.

Pinheiro vai indicar os nomes do PT para a CPI do Cachoeira.

O Líder do PT no Senado, Walter Pinheiro (BA) informou agora há pouco que vai anunciar os nomes do partido indicados para compor a CPMI, após a instalação da Comissão, que acontecerá depois da leitura do requerimento prevista para acontecer amanhã (19), às 10h30, durante sessão do Congresso Nacional.
“O momento é de ampliar os debates entre os 13 membros da bancada do PT para então anunciar nomes. Estou ouvindo o partido para que a decisão seja em comum acordo com todos os membros”, destacou Pinheiro.
Ontem, o pedido de criação da CPI foi protocolado na Mesa do Congresso com as assinaturas de 67 senadores e 340 deputados. Número mais do que suficiente para garantir a instalação. São necessários 171 na Câmara e 27 no Senado. No Senado, os 13 parlamentares do PT assinaram o requerimento, também endossado pelos 25 integrantes dos partidos que compõem o Bloco de Apoio ao Governo (PT/PSB/PDT/PRB e PC do B)
A CPI vai investigar as informações obtidas pela Polícia Federal, por meio das operações Vegas e Monte Carlo que indicam o envolvimento de agentes públicos e privados com o empresário de jogos ilegais Carlinhos Cachoeira. (Ascom/Walter Pinheiro)

18.4.12

Invasão de Luxo é feita por funcionários públicos e políticos em Canindé do São Francisco.

A população da cidade está revoltada com a situação.
O município de Canindé do São Francisco em Sergipe, fica distante 198 Km de capital do estado, Aracaju. É uma das cidades mais ricas em arrecadação de impostos, mas ao mesmo tempo tem uma população carente de emprego e renda. A cidade, com toda essa riqueza, ainda tem ruas com esgoto a céu aberto e está em estado de emergência por causa da seca, mesmo estando às margens do Rio São Francisco.
Agora aparece mais um escândalo envolvendo pessoas de posses e que deveriam cuidar do patrimônio público. Segundo as informações dadas por moradores da cidade, servidores públicos, dentre eles um secretário do município, estariam participando da ocupação de terras públicas onde fica o Matadouro Municipal.  
Se as informações repassadas se confirmarem verdadeira, não cabe outra alternativa que não seja a de que o Ministério Público da cidade entre com duas ações, a primeira para que seja preservado o patrimônio da cidade e a segunda, uma Ação Civil Pública para apurar a omissão do Prefeito e de seu Secretário de Obras, além da ação dos demais agentes públicos envolvidos na ocupação. O que chama a atenção dos moradores da cidade é a omissão do atual Prefeito Orlando Porto, que não parece não ter feito nada para barrar tamanho crime.
De acordo com Lei 8.429/1992, a omissão do Prefeito e do Secretário de Obras (arts. 10 e 11), e a ação (invasão) dos demais agentes públicos (art. 9º), constitui Ato de Improbidade Administrativa, nos termos da Lei referendada, cujas penas, além das sanções penais cabíveis, provocará a perda dos direitos políticos e a perda do cargo e/ou função pública.

Reportagem da Globo fala da luta dos aprovados no concurso de Paulo Afonso/BA.

Aprovados no concurso público lotam a Câmara de Vereadores.

O pensamento geral é de que chegou a hora das nomeações.
Convocados pela coordenação dos aprovados no concurso público a estarem ontem (17) em uma reunião no plenário da Câmara de Vereadores de Paulo Afonso, aproximadamente 200 pessoas compareceram ao evento. Que teve a presença de 06 dos vereadores e a justificativa de Daniel Luiz que está em viagem.
O advogado Celso Pereira usando da palavra informou aos presentes como está o andamento da liminar, que deu o prazo ate o dia 28 ao prefeito a Anilton Bastos de demitir todos os atuais contratados e convocar os 1.800 aprovados. Questionado por um dos presentes sobre o que se deveria fazer, caso o prefeito continue a descumprir a ordem judicial, ele disse, “se eu tivesse feito este concurso, eu já teria montado uma barraca em frente da prefeitura, e só sairia de lá depois que fosse nomeado”. Celso foi aplaudido por todos.
Por várias vezes os oradores foram interrompidos por pessoas que diziam não mais agüentar a espera e tanta humilhação a que estão sendo submetidas.
Segundo Júnior, um dos coordenadores do movimento, eles vão esperar ate a data limite e caso o prefeito Anilton continue a cometer crime de responsabilidade, eles vão entrar com uma queixa crime no juizado eleitoral contra o prefeito.

16.4.12

Vice na chapa de Anilton será novamente Jugurta Nepomuceno.

Prefeito já teria avisado isso a alguns dos seus auxiliares.
Nos últimos dias a política em Paulo Afonso foi mais movimentada do que durante todos messes que já se passaram. Para demonstrar isso, circula atualmente à notícia de que o atual prefeito Anilton Bastos já teria definido o seu companheiro de chapa para disputar as eleições de outubro. O escolhido seria Jugurta Nepomuceno, que fez dupla com ele na eleição passada.
Esta não é uma surpresa para os mais íntimos do circulo político de Anilton. Que pertence a um grupo que em toda a sua história nunca compôs com partidos que não estejam umbilicalmente ligados. Havia por parte de algumas pessoas a expectativa de que nestas eleições, com a ida do prefeito para a base do governo do estado, a formalização de uma coligação com outro partido que compõe a sustentação de Jaques Wagner. O que se mostrou, diante da notícia, uma frustração para aqueles que deixavam circular a idéia de junção.
Questionado, uma pessoa que conhece as artimanhas do grupo de Anilton, sobre a expectativa de parte do PT local esperar ser chamado para o consorcio governista e eleitoral, disse que, “Anilton nunca fez acordo ou acerto com ninguém sobre isso (2012). E muito menos eleitoral para 2014”.

Ex-secretário de Saúde, que fechou a maternidade municipal, esteve na reunião do PT.

Ele disse que é pré-candidato a vereador.
Na última reunião do diretório do Partido dos Trabalhadores em Paulo Afonso na Bahia, o ex-secretário de saúde do município esteve presente. Durante a semana ele teria ligado para a presidenta Maria Oliveira, e informado que gostaria de participar da reunião que estava marcada para o sábado 14. E assim o fez.
Luiz Aureliano era filiado ao PT de Serra Talhada em Pernambuco e solicitou, através da executiva nacional, sua transferência de filiação para o partido em Paulo Afonso. Isto ocorreu porque ele não tem nenhum vinculo com a legenda local. Chegando a participar do Governo administrado pelo DEM – Democratas sem nenhum constrangimento.
No currículo do ex-secretário está o “Fechamento da Maternidade Municipal” do Bairro Tancredo Neves. E que o PT chegou a fazer uma consulta pública e emitir nota repudiando tal atitude. Agora, Aureliano enfrentará democracia interna do PT, e terá que passar pelo crivo dos filiados. Parte desses não vê como representante da legenda, e sim como emissário do prefeito Anilton Bastos.

Vereadores da Oposição em Paulo Afonso se reúnem com Deputado Mário Negromonte.

Eles buscam a união em torno de um só nome para as eleições.

No sábado 16 aconteceu no Hotel Belvadere uma reunião entre os vereadores que fazem oposição ao atual prefeito Anilton Bastos. Eles estiveram com o ex-ministro e atual deputado federal Mário Negromonte, além de algumas pessoas ligadas ao PP – Partido Progressista local. O tema que tomou conta da conversa foi o da definição de um nome que possa juntar todos em torno de um só projeto.

Uma das teses levantadas foi a de que todos os 07 (sete) vereadores colocaram os seus nomes a disposição do eleitorado e, em uma data ainda a ser marcada, acontecerá uma pesquisa de intenções de votos, e aquele que estiver mais bem posicionado pode ser indicado como o candidato das oposições em Paulo Afonso.

Um fato que chamou a atenção de parte dos presente, foi a ausência do pré-candidato pelo PCdoB – Partido Comunista do Brasil, Raimundo Caires.

15.4.12

Lideranças Tumbalalá reivindicam demarcação de terras na Bahia.

Cercados por grandes empreendimentos e a presença não-indígena no território de ocupação tradicional, lideranças do povo Tumbalalá passaram esta semana pela Capital Federal para reivindicar a demarcação das terras, no norte da Bahia, e denunciar os impactos gerados por décadas de construções de hidrelétricas, sendo as mais recentes atreladas ao projeto da Transposição do rio São Francisco.
Os Tumbalalá vivem entre os municípios de Abaré e Curaçá e compõem uma população com cerca de 5 mil indígenas. A Fundação Nacional do Índio (Funai) os reconheceu quanto etnia em 2001, sendo que o relatório de identificação das terras do povo foi publicado em junho de 2009, com 44.978 mil hectares. Depois do período de contestações, no entanto, o Ministério da Justiça ainda não publicou a Portaria Declaratória de demarcação.
Durante encontros com o corpo diretor da Funai, procuradores federais da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão e integrantes do Ministério da Justiça os indígenas expuseram que desde a década de 1970 o território sofre com a construção de hidrelétricas no rio São Francisco. A primeira delas foi a barragem de Sobradinho, com impactos que são sentidos até hoje por conta das mudanças nos modos e costumes dos Tumbalalá.
Sobradinho foi responsável pelo fim da agricultura de subsistência, realizada na vazante do rio. As cheias no trecho do São Francisco que passa numa das pontas da terra indígena eram fundamentais para os períodos de plantações. Quando as águas baixavam, as terras das margens ficavam aptas à agricultura, pois eram adubadas pelo próprio São Francisco. Com as barragens tudo mudou: as cheias passaram a ser determinadas pela abertura das comportas.
“O rio enche conforme a barragem quer: se chove muito e a barragem está seca, eles seguram a água. Para plantar é preciso levar em consideração as vontades dos controladores da barragem. Em muitas ocasiões nós plantamos, mas perdemos com a abertura inesperada da barragem. Toda a roça ficava debaixo d’água”, explica a liderança Cícero Rumão Gomes Marinheiro Tumbalalá.
Plantava-se de forma diversificada na vazante do São Francisco: feijão, milho, batata, abóbora, cana, mandioca, jerimum, feijão de arranca. A pesca era farta, sobretudo de peixes de grande porte: surubim, dourado, pirá, curvina. A vida era farta não só para os indígenas, mas também para os ribeirinhos. Engenhos de rapadura e casas de farinha garantiam a complementação alimentar e renda.
“Tínhamos plantas específicas para os rituais que nunca mais vimos, pois nasciam nesse processo da cheia e da vazante. Os costumes mudam com essas obras. Lembro que não tínhamos açúcar, pois usávamos a garapa da cana. Com farinha e rapadura se passava o dia na roça. Às vezes, chegávamos ao rio e pescávamos um peixe e estava lá o almoço. Tudo era mais fácil”, lembra Cícero. A hidrelétrica de Sobradinho, no entanto, deixou consequências ainda mais graves aos indígenas.
A agricultura praticada nas vazantes alimentava toda a população sem nenhum custo, além da força de trabalho dos indígenas. Não se gastava com adubos, irrigação da terra, já úmida pelas águas do Velho Chico, e tampouco com venenos. As plantações eram orgânicas. Sem as cheias, os cultivos tiveram que migrar para o interior. Longe do rio, a agricultura só é possível com irrigação, adubos e agrotóxicos. Planta quem tem capital e poluindo a terra e os riachos com o veneno utilizado.
Engenhos de rapadura e casas de farinhas foram fechados.
Assentamento e poluição
Na década de 1980, cerca de dez anos depois do início do barramento de Sobradinho, a hidrelétrica de Itaparica é construída no rio São Francisco. A barragem afetou os indígenas, apesar de afastada das terras Tumbalalá, porque a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), responsável pela obra, assentou os desabrigados das áreas alagadas no território.
“Na área do assentamento, longe do São Francisco, há riachos. Como lá eles fazem plantações com agrotóxicos, matam plantas, peixes e inutilizam as águas. Nunca que precisou de carro pipa por ali e agora precisa, porque as águas dos riachos estão poluídas e os rios temporários não duram o ano inteiro. Nem para os animais a água presta”, explica José Augusto Alves de Santana Tumbalalá.
Os assentamentos ocuparam grande parte da mata do povo indígena. Conforme as lideranças, os rituais ficaram prejudicados. Com a presença de posseiros e médios fazendeiros, a caça e o acesso às plantas medicinais ficaram prejudicados. A restrição da ocupação do território fez com que os indígenas se concentrassem às margens do rio e o resto do território acabou dividido entre assentados, posseiros e fazendeiros.
“Quem caça é o posseiro e o assentado, os indígenas não caçam. Dessa forma, os animais estão sumindo. Vendas de tatus, asa branca e outros animais são comuns entre os não-indígenas”, destaca João de Deus Gomes de Santana Tumbalalá.
No entanto, os Tumbalalá não foram os únicos prejudicados pela barragem de Itaparica. O grande empreendimento causou danos aos Tuxá, inundando parte das terras do povo que vive na região de Rodelas. Alguns Tuxá foram assentados na terra Tumbalalá e estão no território até hoje.
Os novos monstros: Riacho Seco, Pedra Branca e a PEC 215
Duas outras hidrelétricas estão em andamento no rio São Francisco: Pedra Branca - dentro do território Tumbalalá - e Riacho Seco - acima do território, mas com impactos nas águas do rio que chegam até a aldeia. As barragens fazem parte do projeto de Transposição do rio São Francisco. Entre as transformações sociais causadas pelas obras está o envolvimento dos índios com drogas, doenças, alcoolismo e demais impactos com a presença massiva de não-indígenas nos esforços de construção das usinas.
“O rio já está prejudicado. Com mais duas hidrelétricas, o rio fica mais fraco ainda. Os peixes vão acabar de vez”, lamenta Celestino Feliciano dos Santos Tumbalalá. “Tem ribeirinho passando fome morando na beira do rio. Nunca que isso acontecia antes. Enquanto fazem um grande projeto para beneficiar uns, outros que vivem do rio há séculos morrem. A transposição é para os grandes latifundiários e empresários”, completa com revolta Miguel Marcolino Barbalho Tumbalalá.
As lideranças explicam que ninguém na comunidade teve casa bonita, com todos os confortos, e carro na porta, porém, comida, água e trabalho nunca faltaram. Agora indígenas e ribeirinhos seguem não tendo casa bonita e conforto, mas perderam o essencial que tinham: comida, água e trabalho. Conforme admitiu o próprio governo federal, a água da transposição poderá ficar 10 vezes mais cara além do esperado.
“Viemos reivindicar a Portaria Declaratória de demarcação do território, indenização e extrusão dos não-índios. Estamos com a expectativa de que aconteça alguma coisa boa, incluindo a não construção dessas usinas. O problema é que com a PEC 215 nós não estamos animados”, analisa Cícero Tumbalalá.
A PEC 215 é uma proposta da bancada ruralista da Câmara Federal que visa tirar do Executivo e levar para o Legislativo a demarcação e homologação de terras indígenas. Para os Tumbalalá, caso a PEC entre em vigor, só serão demarcadas terras de acordo com os interesses dos latifundiários. “Sabemos que os parlamentares têm financiamento desses empresários e proprietários de terras, mas vamos seguir na briga”, finaliza Cícero.
Renata Santana.

Na infância meu sonho era tão gostoso.

Ele tinha o sabor do arroz com feijão.

Esta semana em uma conversa despretensiosa que eu tive com duas pessoas, me trousse lembranças da minha infância. Do tempo em que eu morava na “outra rua”. Era assim que eu me referia à região da Praça Libanesa, onde vivi boa parte dos meus primeiros anos de vida.

E é desta época que me lembro de “Fedegoso”. Mendigo que perambulava pelas ruas do centro batendo em uma lata de goiabada, deste que ate hoje compramos nos supermercados. E quase que diariamente ele passava por minha casa. Sempre perto ou após a hora do almoço, pedindo comida.

O “prato” era a lata da goiabada. E foi ao ver sempre vê-la que o meu sonho de criança despertou. Eu achava aquela vasilha diferente. E em casa minha mãe não deixava que tivéssemos uma. Todas, após consumirmos o doce, eram jogadas fora. Eu não me conformava com a atitude da minha mãe. Porque Fedegoso podia ter um prato diferente do meu? Se eu poderia ter um igual ao dele!

E foi durante muito tempo o meu sonho de criança, ter uma vasilha porá poder colocar comida, igual ao daquele mendigo que ainda mora em minhas lembranças.

E quando me lembrei dessa história essa semana, pensei em compartilhar com vocês a minha fantasia. E não que no sábado ao meio dia, quando eu estava em casa, após chagar da Igreja, recebi um presente. Uma das pessoas que tinha ouvido a conversa entrou em minha casa com uma vasilha de doce de goiaba com arroz, feijão e um pouco de verduras e me entregou o meu almoço. Rimos muito, e esta foi a minha refeição.

Eu sei o tempo não volta mais. Mas os nossos sonhos e a nossa felicidade poderiam continuar a ser simples assim. Há muito que eu não tinha um dia tão feliz.

Concursados, mostrem a sua cara.