15.7.17

Somos milhões de Lulas! (Por Prof. Reinaldo Fernandes)



Não! Não sejamos ingênuos. A condenação a nove anos e meio de prisão não é a Lula! Lula – mesmo sendo um dos maiores líderes populares do mundo desde o último século - é apenas uma metonímia.

Da mesma forma que o golpe não foi contra Dilma e nem contra o PT, a condenação também não é contra Lula.

A condenação feita por este juizinho de 1ª instância também não é dele, que é apenas um joguete nas mãos da elite nacional, quiçá internacional. A condenação é da elite ao povo pobre e trabalhador do Brasil. Não basta aprovar a Reforma Trabalhista contra os trabalhadores e a favor dos patrões: é preciso dizer a este povinho que seu líder não o salvará a partir de 2019.

A condenação é contra aqueles 42 milhões de brasileiros que ascenderam à classe média nos 13 anos de governo petista. A condenação é contra os 22 milhões de cidadãos que deixaram a pobreza extrema para trás e passaram a comer três vezes ao dia. A condenação é contra um processo de desenvolvimento que conseguiu tirar o Brasil do Mapa da Fome que os golpistas nunca conseguiram saciar.

A condenação é contra o Programa Luz Para Todos, o Pronaf, o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, o Brasil Alfabetizado e o Brasil Sorridente. É contra as políticas sociais que praticamente eliminaram a miséria no Brasil.

A condenação é contra a igualdade. Os que condenam o maior líder que os trabalhadores brasileiros já construíram, absolvem o mercado: “as bolsas reagiram bem à condenação e fecharam em alta”.

A condenação é contra a valorização do salário mínimo, contra a geração de 21 milhões de empregos formais criados em treze anos. Quem condena quer ultrapassar a fabulosa marca de 14 milhões de desempregados: assim, implementa-se facilmente a reforma trabalhista em que o desempregado há vários meses, há anos, poderá negociar livremente com o patrão um salário menor, com jornada intermitente, sem horas extras, sem férias de um mês, enquanto sua esposa amamenta seu filho em meio à poeira, radiações e ao calor.
A condenação é contra a Petrobras, o pré-sal, pela privatização e pela desnacionalização de nossas riquezas naturais.

A condenação é contra os programas que abriram as portas das universidades brasileiras para pobres, negros e deu diplomas a favelados. A condenação é contra o ENEM, contra o FIES, contra o ProUni e o Reuni. É contra o Ciências Sem Fronteiras, que levou alunos de escolas públicas a estudar em universidades do mundo inteiro. É contra as cotas que efetivaram direitos iguais.

A condenação é contra a emancipação de nosso povo e pela volta à senzala. De onde nunca deveria ter saído. É pela Lei do Sexagenário de 1885: reformar a Previdência e nos matar de trabalhar!

A condenação é contra o SUS e o Mais Médicos, que levava assistência básica à saúde a mais de 60 milhões de brasileiros que antes estavam desassistidos. A condenação é para que o deus mercado assuma seu lugar de nos oferecer, “a preços módicos”, saúde nunca preventiva. A condenação é pela doença que rende lucros.

A condenação é contra o Minha Casa, Minha Vida. É para jogar milhões nas ruas sujas e frias deste País.

A condenação é contra os nordestinos, esse povo burro que vota por causa do Bolsa Família e que não merecia a transposição do Rio São Francisco.

A condenação nunca foi a Lula. É contra a política externa de cabeça erguida implementada pelo “o Cara”. É contra o fim da ALCA e dos empréstimos ao FMI. É contra a integração regional e os BRICS.

A condenação é contra essa altivez que adquirimos mundo afora, é contra a Copa do Mundo e as Olimpíadas que realizamos aqui, é para nos devolver o complexo de vira-latas.
A condenação é contra a criação da CGU, contra a autonomia da PF e contra todo o equipamento que ela recebeu em 13 anos.

A condenação é pela impunidade, para resolver tudo num grande acordo nacional, com o Michel, com o Supremo de Gilmar, Rosa Weber, Marco Aurélio, com tudo.
Ao mesmo tempo em que devolvem ao Senado um assassino confesso, liberam o coronel Geddel Vieira Lima da prisão, e aprovam a Reforma Trabalhista, a elite brasileira e seus lacaios condenam o povo brasileiro a nove anos de prisão.

A condenação é contra a democracia e a esperança...

Sim, estamos tristes. Estamos indignados! Mas nunca estamos sem esperança! Nossa esperança, nem moro, nem o PSDB, nem ninguém aprisionará! Estamos de luto... mas estamos na luta! Até a vitória! Siempre!


Por Prof. Reinaldo Fernandes.

Nenhum comentário: