3.7.17

Tá na internet: Estão desconstruindo a esquerda.,


Houve uma desconstrução da esquerda nos últimos anos. Principalmente na América Latina, onde apenas Peru e Colômbia não eram governados pela esquerda. A verdade é que vivemos nosso ápice com Mujica, Kirchner, Chavez, Morales, Lula, Dilma, e Cristina... 
Levando em conta que a desconstrução do governo Dilma Rousseff começou após a presidenta cancelar uma viagem aos EUA, logo após o vazamento espionagem feita pela NSA, vazamento via Snowden e Wikileaks. 
Dilma surfava na onda da popularidade, estava com mais de 65% de ótimo e bom. Dilma era personagem alegre de programas humorísticos, havia até uma caricatura mal feita, onde uma atriz global com dois dentões postiços conduzia o elenco. 
Todo mundo queria ser Dilma, a mulher que já estava sendo tida por muitos como maior que o Lula.
Após à descompostura em Obama, Dilma passou a viver seu inferno astral. Começaram às malditas manifestações de 2013. Manifestações que só aconteceram em economias emergentes, governadas pela esquerda. Da mesma forma que o câncer que só acometera os líderes de esquerda, Nestor, Cristina, Lula, Chavez, Dilma, Lula... Todos sofreram com o câncer, e quase ao mesmo tempo. Chavez ainda pode denunciar que foram os americanos que plantaram o seu câncer, mas a mídia internacional transformou isto em chacota. 
O objetivo de desconstruir Dilma Rousseff totalmente não foi alcançado totalmente em 2013 apenas por um motivo, os ignobeis morteiros Psolistas chamados Black Bocks. Sininho e seus controladores descreditaram as jornadas de Julho, e o movimento perdeu força. Terminado este teatro, Dilma Rousseff viu sua popularidade derretida, o quadro da globo onde uma caricatura mal feita da Dilma, controlava um trem, não existia mais. Mas isto era só o começo, ainda viriam, eleições, jatinho do Dudu Traíra (Eduardo Campos), Copa do Mundo, Foguete chamado Marina, e claro, Eduardo CUnha, Janaina, Aécio, vice decorativo, Venina Venosa, e muito mais...
Dilma resistiu muito, nós é que não reconhecemos.

Autor desconhecido.

Nenhum comentário: