26.5.17

SUBDITO TUAREG (Por Feliciano Tavares Monteiro)

Eles vêm em ondas como as de um oceano mal-humorado focando seus aparelhos em algo mais sútil do que reggae enquanto ao longe ecoa uma voz de édito imperial, cansado, brota forte, como amaldiçoada horda seca, o exército Tuareg.
Ele toma praças, ruas, avenidas e sobe nos monumentos.
No mundo conectado, pós-moderno, soam suas demandas como estampidos nas rádios e televisões dos desatentos...
Poderes modernos e corrompidos deixam as suas varandas e semiocultos, dizem ouvir tua voz, tuareg, e o que cobras?
- vinte Centavos em subsidio às caravanas da pétrea cidade
 - Mais educação, saúde, e muito menos faraós nas obras
- E sobretudo, vale tudo no resgate da senhora honestidade.
Mas mesmo tão encolhido, o sistema continua bruto, Brutus...
E solta nefastos marinheiros num mar, que deveria ser deserto misturando no oceano do tuareg- a marujada de cabo a rabo.
Ah, como sabemos, o mundo tende a ser do mais esperto...
E todo espião, anseia em ser servil; o velho clone do diabo veste seu elmo, e com velhacaria de um Anselmo ataca:
- Destrói postos, picha prédios e invade o templo civilizado - outros são presos, machucados, mas a polícia se faz fraca, - sob um palácio, Itamaraty, profanado, ela vê o diabo e libera... Ele, e outros, sabem: - o cabo diabo tem licença pra vandalizar.
Detida, só a meninada tuareg. É isto que a gente tanto espera?
- Mas o sabujo, velho diabo – bruto, é vândalo muito honesto!
Enquanto empreiteiros, abrigados no estádio do faraó El Fifa, juram aos quatro ventos que gostam muito deste protesto, o garoto tuareg arma sua tenda na frente da casa do Califa; estende sua corda, e pendura um cartaz, que soa indigesto o parlamento acordado, sobressaltado, sai de sua hibernação - mas o sabujo, velho diabo – bruto, é vândalo muito honesto! Varam as noites tentando obedecer quem nunca obedeciam... votam, correndo, o que o tuareg dita em seu rol de súbditos.
Desatentos, foram acordados pelo pós-moderno, já aliciam... logo virão cansar paciências com seus ditos, ou malditos.
Afinal descobriram que não são mais nobres, são súditos...
- Mas o sabujo, velho diabo – bruto, é vândalo muito honesto!
Deverá morrer de velho, uma pensão vitalícia sob o elmo.
Há que desmascarar, neste mar, o pirata e lhe darmos cabo.
Ou toda dignidade, nova, naufragará diante do San-selmo. Mas o sabujo, velho diabo – bruto, é vândalo muito honesto!

Por Feliciano Tavares Monteiro.

Nenhum comentário: