11.6.20

Tecnologias sociais de acesso à água garantem segurança alimentar e renda para agricultores familiares


São inúmeras as famílias baianas que tiveram suas vidas transformadas a partir do acesso à água para a produção, também chamada de segunda água. Agricultores e agricultoras familiares que agora contam com essas tecnologias sociais estão conseguindo garantir alimento de qualidade para suas famílias e gerar renda, com a comercialização da produção.

Um desses exemplos é o da família de Josemira Fernandes, do município de Guanambi, que foi uma das beneficiadas pela instalação de uma cisterna calçadão: "A gente não compra mais verduras, só consumimos produtos sem agrotóxicos. Alface, coentro, alecrim, cebola, espinafre, couve, acelga e plantas medicinais, a exemplo de poejo, são alguns dos produtos que levo para vender na Feira da Agricultura Familiar no Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município". A cisterna foi implantada pelo Centro de Agroecologia no Semiárido (CASA), organização social credenciada para a implantação de tecnologias sociais de segunda água.


Só nos últimos cinco anos foi implantado um total de 11.115 tecnologias sociais de acesso à água, sendo 5.952 cisternas calçadão e 5.163 barreiros-trincheira, em 133 municípios baianos, distribuídos em 21 Territórios de Identidade.  A ação, com investimento de R$ 112 milhões, é desenvolvida a partir de convênio entre a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), por meio da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), e o Ministério da Cidadania, com  execução por meio de contratos com 28 Organizações da Sociedade Civil (OSC), credenciadas no Ministério da Cidadania.

Ana Luiza Marques, coordenadora do Programa Água Todos na CAR, destaca que essa é uma ação estratégica: “Por meio das tecnologias sociais de acesso à água para produção, possibilitamos às famílias residentes em comunidades rurais a melhoria em suas condições de vida, além de possibilitar a ampliação da produção de alimentos para o autoconsumo e a comercialização do excedente”.

Processos formativos

Para além da implementação da cisterna calçadão e do barreiro-trincheira, as famílias beneficiadas passam por vários processos formativos onde compartilham experiências sobre as práticas e técnicas produtivas agroecológicas, que também contribuem para a geração de renda e, sobretudo, para a garantia da segurança alimentar e nutricional.

“Nesses dias de pandemia, quando a rotina das famílias também sofreu impacto econômico, podemos afirmar que aproximadamente 37 mil pessoas atendidas por meio desta ação estão minimamente contando com alimentos saudáveis em suas mesas, fruto da água armazenada em suas cisternas ou em seus barreiros-trincheira. A ação, somada a outras iniciativas da CAR/SDR, voltadas para o fortalecimento da agricultura familiar, é de suma importância para o desenvolvimento local sustentável", afirma Ana Luiza Marques

Maria Marta Oliveira, do Povoado de Laranjeira, do município de Miguel Calmon, que passou a contar com uma cisterna de calçadão, fala sobre a mudança de vida: "É uma experiência muito boa! Hoje, eu planto minhas coisas, que antes não podia, pois não tinha como fazer”.  A tecnologia social foi implantada pela Fundação de Apoio à Agricultura Familiar do Semiárido da Bahia (Fatres), instituição credenciada.

Além das tecnologias sociais, a comunidade conta também com a execução de ações do Pró-Semiárido, projeto do Governo do Estado executado pela CAR/SDR, com cofinanciamento do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida).

No município de Paulo Afonso, a agricultora Ivaneide Inez Ferreira, do Povoado Baixa da Onça, junto com um grupo de mais quatro mulheres, que receberam uma cisterna de produção, está produzindo hortaliças, legumes, tempero:  “Armazenamos água da chuva e plantamos para o consumo e o restante comercializamos na feira e na comunidade. Os resultados são excelentes. Adquirimos uma qualidade de vida melhor, produzindo alimentos saudáveis que antes só tínhamos em nossas mesas quando comprávamos, mas nem sempre o dinheiro sobrava para fazer isso". A cisterna de produção foi executada pela Assessoria e Gestão em Estudos da Natureza, Desenvolvimento Humano e Agroecologia (Agendha).

Sobre as tecnologias sociais de acesso à água

O barreiro-trincheira tem capacidade de armazenar a partir de 500 metros cúbicos de água. Já a cisterna calçadão, que possui um calçadão construído com placas de cimento, medindo 200 metros quadrados, onde a água da chuva cai e é escoada, tem capacidade de armazenar 52 mil litros.

Um comentário:

Luiz Gomes disse...

Bom dia tudo bem? Sou brasileiro, carioca e procuro novos seguidores para o meu blog. Novos amigos também são bem vindos, não importa a distância.

https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1