8.3.19

Tá na internet: A prioridade do governo é destruir a democracia (Por Alex Solnik.)



A prioridade desse governo não é retomar o crescimento. Não é criar emprego. Não é reformar a Previdência. Não é pacificar o país. A prioridade desse governo é destruir a democracia. Somente destruindo a democracia o governo poderá alcançar os objetivos que almeja. Faz parte dessa missão destruir a alma brasileira e provocar divisão.

O ideal de Bolsonaro é dar ordens pelo twitter. E se não for obedecido ele chama as Forças Armadas. Mais um sinal desse objetivo foi o seu discurso de hoje, em visita a instalações da Marinha no Rio de Janeiro.

No pronunciamento político mais radical desde que assumiu o posto presidencial, ele declarou que a liberdade e a democracia dependem das Forças Armadas. Isso é a subversão completa do que diz a constituição. Ela manda as Forças Armadas ficarem submetidas ao poder civil. Não cabe às Forças Armadas decidir entre democracia e ditadura.

O que Bolsonaro quis dizer, em síntese, é que se as Forças Armadas resolverem que a democracia não é mais conveniente (como Getúlio em 1937), acabam com ela numa boa e ele vai lavar as mãos. Bolsonaro jurou defender a constituição ao tomar posse.

Também afirmou na visita à Marinha que o Brasil só deve se relacionar com os países com os quis tem identificação ideológica, o que também afronta a letra da constituição, que prega manter relações políticas e comerciais com todos os países. O que ele preconiza é que o Brasil se relacione somente com regimes de extrema-direita, o que nem a ditadura militar de 64 preconizou.

Seu objetivo é implantar uma ditadura mais radical que a última. Isso significa conduzir o país a uma guerra. A alguma guerra. Está na pauta um decreto com sanções econômicas à Venezuela. O governo engaja o Brasil numa crise que só interessa a Trump e com a qual o Brasil só tem a perder.

Mais claro impossível.

Concordo que o papel dele, com as FA, é acabar com a democracia e que isto é uma tática para a estratégia maior do conjunto do seu governo que é entregar o país, ou o que restar dele aos EUA, assim como os EUA encaminham por toda a América Latina e Central.

Por Alex Solnik.

Nenhum comentário:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial