11.5.17

A inJustiça de Curitiba. (Leo Patrick)

Dos inúmeros sentimentos que pude sentir hoje, o mais grande de todos foi o de JUSTIÇA. Tenho certeza de que o presidente Lula dormirá melhor à noite de hoje. Isso porque desde quando se instaurou essa disputa indireta pelo poder, no sentido de criminalizar Lula, em nenhum momento o jogo beirou ares de justiça como hoje, mesmo pelas arbitrariedades de não deixar a defesa exercer seu direito de gravar por conta própria o depoimento e por anexar estimadas 100 mil páginas da acusação uma semana antes do depoimento. Desconheço desde as eleições de 2014, ter participado de um ato onde a alegria era tão contagiante como o de hoje. Não foram apenas as panelas que se calaram, mas seus donos também. Pelo visto são bem-mandados pelo comandante Moro. Se via pouquíssimas bandeiras do Brasil nas janelas dos prédios (pude contar duas), carros passavam sem proferir ofensas, do Rio de Janeiro até aqui andei livremente com meu boné da CUT sem ser atacado (passando por 2 aeroportos). A apreensão inicial foi dando lugar ao leve suspiro de alívio por poder ter direito dentro deste Estado que se tornou de exceção (e que foi no dia 28/04 no Rio de Janeiro sabe bem do que estou dizendo). A onda vermelha foi tomando conta de Curitiba enquanto Lula usava a oportunidade que teve após 3 anos de show midiático pra dizer tudo o que não havia sido esclarecido nas investigações sem provas. Enquanto passavam pela praça Santos Andrade as lideranças combativas das lutas sindicais, políticas e socais, Lula escrevia mais uma vez um belo capitulo de sua história. E como sempre, acompanhado de milhares de milhares de lutadores e lutadoras (estimados 50 mil que estavam em Curitiba, e todos aqueles que não puderam comparecer, mas que mandaram seu carinho das mais diversas formas). Todas as atividades relativas a jornada "Por um brasil mais justo pra Lula, e pra todos" foram puxadas pela Frente Brasil Popular que brilhantemente conduziu a programação dos dois dias (09/05, 10/05) agregando setores da esquerda política nacional que entendem da importância de Lula para o restabelecimento da democracia em nosso país. Por fim Lula que ficou 5 horas à disposição das perguntas do juiz Sérgio Moro, fez questão de passar pelo ato e agradecer aqueles que ali se dispuseram a travar o bom combate, foi bem breve sua fala mas era o mais necessário pra não deixar que o dia de hoje se encerrasse. Relatando como foram as perguntas, e como se sentia após estar ali junto do seu povo, Lula nos deu a missão de continuarmos fortalecendo nossas bases, unificando nossas lutas, qualificando nossos espaços, só assim conquistas de liberdade como a de hoje poderão se repetir neste cenário de golpe até às novas eleições!                       

Relato de Leonardo Patrick, que estava presente em Curitiba. Leo Patrick, estuda Políticas Públicas na UFF em Angra dos Reis.

Nenhum comentário: