2.8.17

Tá na internet: Eu sou "Rafael Braga".


Onde estão as notas oficiais dos nossos partidos de esquerda, e dos outros tbm, exigindo do TJ do Rio de Janeiro, a concessão do habeas corpus para Rafael Braga?
Onde estão as manifestações da CNBB, da OAB, os bonitos manifestos de intelectuais e artistas que, por saírem daí, garantiriam páginas em jornais e espaços nos noticiários?...

O Brasil tinha que parar! O julgamento do habeas corpus para Rafael tinha que ser transmitido ao vivo, telão na rua, mobilização nacional!
O caso de Rafael Braga diz muito sobre nós, enquanto país: injusto, desigual, racista e cínico....

A prática habitual do encarceramento a partir de uma seletividade racial-penal; a mentira da guerra às drogas, que justifica o genocídio negro; o desemprego e a pobreza que devem se aprofundar a partir das reformas que retiram - sim é verdade - os poucos direitos de todos os trabalhadores, mas que jamais deixou de ser realidade para o povo preto, ora, são traços da continuidade escravocrata em nós....

Raciocínio que me leva a, em uma palavra, sintetizar o maior problema político do Brasil: o racismo.
Isso tudo está simbolizado nesta tarde de 1 de agosto de 2017, no julgamento do pedido de habeas corpus do rapaz, pobre e morador de rua, preso há 4 anos, por ser negro....

Nenhum comentário: