1.12.16

Um conto no quarto. (Do Livro: Quando o Amor Incomoda)


Deitados na cama, ela de súbito pediu:

- Vamos fazer um conto?

Surpreso, ri ao ouvir ela pedir para abrir o Word. Eu nuca tinha escrito algo assim. E para deixar a situação mais engraçada, ela me pede para tabular o texto.

- Margem esquerda, 3.

Foi o primeiro desentendimento para que o conto fosse feito a quatro mãos. Claro que só eu escrevia e ela ficava calada. Vez ou outra dava um pitaco. E qualquer movimento dela eu ia interpretando-o e colocando no texto.

- Esse conto, só você escrevendo, vai sair do jeito que você quer. Não está engraçado. Assim não tem como publicar.

E eu bolando de rir com a situação. E ela reclamando ao meu pé do ouvido. E foi aí que eu resolvi continuar escrevendo sozinho. Lembrei do dia que comprei umas flores, a pedido de um amigo, para levar a sua paquera. Ela ficou sabendo disso.
Você, amigo, já deve ter sido cobrado por ela de nunca ter dado um buquê de flores.

- Nenhuma flor você me deu, imagina um buquê.

Eu não sei porque "cabrunco" a mulher, de uma hora para outra, do nada, como se tivesse tido um estalo na cabeça, resolve falar que nunca recebeu flores na vida. E a conversa rapaz, é enjoada. Começa pela manhã, logo que você acorda, vai durante a tarde como se fosse um LP arranhado e entra pela noite. Até que o pobre coitado já esgotado e sem paciência resolve dizer.

- Pelo amor de Deus, como uma praga de uma flor vai conseguir te deixar ainda mais feliz?

E ela começa a botar a cara de quem não está gostando do rumo que a conversa começa a tomar.

- Todo marido que quer agradar a mulher dá flores a ela.

Nesse momento, passa como um relâmpago imagens de milhares de amigos, dos da infância, até os atuais, e eu não me lembro de um único que tenha feito o gesto que ela tanto insiste em afirmar.

- Tá faltando comida em casa?

- Não!

- Os meninos estão sem roupas?

- Não!

As contas, água, luz, telefone, internet, mercado, o escambau estão atrasadas?

- Claro que Não!

- Então, me diz porque uma zorra de uma flor é mais importante do que o nosso amor?

Ela olha, já com lagrimas nos olhos, e sapeca de lá:

- Você é um insensível, não sabe agradar a mulher que tem.

Duas horas depois e, mesmo eu tendo entrado no bainheiro, sentado na mesa e jantado, visto o jornal na TV, só quando começa a novela é que ela se cala. Mas antes ainda diz:

- É por isso que hoje em dia casamentos estão se acabando.

Ela senta para ver a novela e o silêncio surge no ambiente. Bem que deveria ter um canal 24 só com novelas.

Eu nunca vou compreender as mulheres. Elas se apegam a cada coisa. E não percebem que o amor que existe dentro dos homens é muito mais forte que a morte de uma flor para satisfazer uma sensação de felicidade momentânea e passageira. O Homem ama. Simples assim. Sem precisar de penduricalhos para viver intensamente o seu sentimento. O amor de um homem por sua mulher, é puro. Mas quando ele se azoa...

Terminei de escrever. Olhei para o relógio, vi que já estava chegando a meia noite. Desliguei o notbook, fiz minhas orações agradecendo a Deus por mais um dia e pedindo por familiares e amigos. Deitei e dormi o sono dos anjos.

Dimas Roque.

Nenhum comentário: