30.8.17

Por um partido lulista, burguês e reformista! (Por Washington Siqueira Quaquá)


O título parece uma provocação. E é! Mas não no sentido negativo e sim no positivo de provocar o debate sobre nosso projeto político para o Brasil. A entrada de Renan Calheiros e de seu filho governador na caravana de Lula quando passou por Alagoas suscita o debate sobre nossa política de alianças. Não há voto popular e democracia, sobretudo no nordeste, sem Lula.

O golpe de estado sob verniz parlamentar que sofremos no país, em 2016, evidencia a permanência do profundo descompromisso que as elites econômicas têm com a democracia e com o projeto inconcluso de construção da nação brasileira. O golpe parlamentar compõe um quadro dramático de fascistização da sociedade e das instituições. Os direitos e garantias liberais e burgueses foram suprimidos e um estado de exceção policialesco, comandado pelo aparelho judiciário, está em vigência. 

Um forte aparelho midiático, comandado pela Rede Globo e pelas outras redes de TV de propriedade de poucas famílias bilionárias - associadas a um trabalho cirúrgico feito nas redes sociais, incitam, diariamente, o ódio ideológico e de classe contra a esquerda, compondo um ambiente social fascista. Recrutam, assim, seu exército social de combate das causas burguesas nas classes médias.

O establishment político executou o golpe a partir de um Congresso corrupto e de péssima qualidade política e moral. A diretoria do “sindicato do crime parlamentar”, presidida pela dupla Cunha/Temer, deu o golpe financiado pela grande burguesia estrangeira e seus parceiros na gerência dos negócios tupiniquins.

Juntou a fome com a vontade de comer. Ao se apossarem  do governo federal, tomaram o controle dos fundos públicos para que pudessem roubar, sem qualquer pudor, de um lado; e por outro criaram perspectivas de tentar salvar suas cabeças, postas na guilhotina pelo judiciário de exceção. Assim, o estado policial e o judiciário de exceção passaram a perseguir e empastelar apenas a esquerda lulista e alguns aliados do passado. Em troca, entregam à burguesia os direitos sociais e a soberania nacional. Este é o estado da arte, como se diz na academia, ou o “estado do crime”, como bem quiserem.

Mas como o establishment político, que esteve majoritariamente com o lulismo, de 2005 até 2013, nos abandonou em bloco? Um tempestade perfeita se formou contra nós e, vou entrar aqui numa discussão que virou tabu entre nós, mas como eu não tenho língua pra guardar na boca, vou colocar clara minha avaliação do que ocorreu.

Para não cometer uma injustiça completa na avaliação do estopim dos problemas que nos levaram ao golpe de 2016, precisamos analisar o conjunto do material explosivo e ver que o PT - e a esquerda - tiveram muita culpa na criação destes elementos que compuseram a tempestade perfeita.

Vivemos os governos Lula e Dilma um republicanismo de dar inveja a um liberal inglês do século XVIII, na desesperada sanha de nos livrar das vergonhas patrimonialistas que, para alguns, só nossa tradição lusitana tem. E que seria a causadora de todos os nossos males, como se nenhum estado burguês fosse patrimonialista! Como era gostoso o meu inglês... ou francês... Há no fundo, nesta teoria republicanista, o sonho burguês e pequeno-burguês brasileiro de uma origem mais nobre.
 
Tratamos, desde a constituinte de 1988, de liderar a montagem de um estado de exceção, comandado pelo que temos de pior na sociedade brasileira: sua pequena burguesia, que consegue ser ainda pior que a burguesia, já que dela é um espelho e uma imagem falsificada.

Um Ministério Público poderosíssimo foi criado; um judiciário com superpoderes; tudo isso indecentemente caro aos cofres públicos e funcionalmente operado para atrapalhar o desenvolvimento nacional. Estes aparelhos, verdadeiros poderes moderadores, acima da vontade e do voto popular, foram entregues ao extrato mais reacionário, antinacional e antipopular da sociedade brasileira: sua pequena burguesia! Dominaram e passaram, aos poucos, a comandar a nação.

Também, temos que admitir que nunca assumimos, de verdade, como fez Leonel Brizola, uma briga frontal contra os meios de comunicação antinacionais e antipopulares, em especial a Rede Globo. Sequer construímos paralelamente nossas redes alternativas de comunicação com a prioridade de que essa tarefa exigia e exige! 

Na verdade, nossa tática depois de 1989 e, em especial,
no ano da vitória em 2002, foi a da conciliação de classe sem construção de retaguardas. Havia a crença de que era possível estabelecer um pacto social com a burguesia para um processo lento, gradual e seguro de mudanças sociais que, em médio prazo, nos levariam à construção do tão sonhado estado de bem estar social à brasileira.

Não politizamos e nem organizamos suficientemente o povo. Perdemos uma geração inteira, durante os nossos governos, que mais degenerou gente, formando burocratas longe da luta social, do que forjou militantes da transformação social. É verdade que vivíamos já um longo período de descenso dos movimentos sociais, mas formar quadros aptos a governar não deixa de ter grande importância para a luta popular.

De certo, podíamos ter utilizado todo o aparato governamental para organizar a massa beneficiada por nossos programas sociais. Tivéssemos dez milhões de militantes organizados e politizados, a partir do Bolsa Família; Minha Casa Minha Vida; Prouni; Mais Médicos; etc... Se isso tivesse sido feito, a direita não conseguiria dar nenhum golpe. Fica a lição para o próximo governo Lula!

Mas, apesar de todos estes erros que vieram se acumulando no passado, a posse da poderosíssima máquina do governo federal, habilmente manejada pelo presidente Lula, garantia um pacto social que equilibrava as forças sociais e garantia uma vida melhor para todos. 

Com a posse da presidenta Dilma sobre o aparelho de estado federal, perdeu-se a capacidade de equilibrar forças. Perdeu-se a capacidade de fazer política com os diversos atores econômicos e políticos. Uma arrogância desmedida tomou conta do centro de decisões.  Perdemos o poder de articulação social e política, o único centro real de poder que dispúnhamos, que era a  Presidência da República e a máquina poderosíssima do governo federal. Não tínhamos povo organizado para defender o legado das políticas públicas; e nem alianças no Congresso para nos sustentar; não havia ponte e pactos burgueses para amenizar a crise. 

Isolados, por erros e arrogância, fomos facilmente derrotados por uma coalizão que ajudamos a unificar. Nós ajudamos a criar todas as condições para "a tempestade perfeita". Mas disso falarei em outro artigo. Vamos ao que interessa aqui neste artigo. Do futuro!

Mas, afinal, teremos um próximo governo Lula? E se ele acontecer, haverá maioria no parlamento? Os movimentos sociais que hoje não tem força para barrar o golpe e a quebra de direitos históricos vai sustentar todas estas mudanças por nós pretendidas? Nós que enchemos o peito pra dizer que o próximo governo Lula tem que fazer as reformas que não fizemos nos primeiros anos, temos certeza de que a correlação de forças da sociedade permitirá isso? Basta vontade para fazer as reformas populares ou o buraco é mais embaixo? 

Por isso que, quando atravessei o Rio São Francisco, de Sergipe para Penedo e, em Alagoas, encontramos Renan Calheiros e seu filho à espera do Lula e da sua Caravana, fiquei feliz! A vinda do Renan estabelece um novo passo na disputa política do Brasil. Um passo à frente diante da hegemonia golpista. É o primeiro peso-pesado do establishment político que se desloca para o nosso campo. Abre caminho pra outros e também daqui há pouco para setores da elite econômica.

Porque não se ganha eleição e não se governa sem conseguir deslocar uma parte da elite política e econômica. Não estamos brincando de disputar eleição. Não estamos marcando posição ideológica. Estamos disputando uma eleição para decidir os destinos do povo brasileiro e da nação. Precisamos ganhar e governar para fazer outra política de distribuição de renda e de afirmação da soberania nacional. Para reconstruir a trajetória democrática e popular. Não se trata de luta do bem contra o mal. O jogo da vida não é simples assim, como um desenho de super herói...

É claro que não podemos cometer os erros dos nossos governos passados. Mas nosso erro não foi ampliar alianças. Nosso erro foi não ter organizado o povo para sustentar reformas mais potentes e impedir a sanha golpista de sempre da burguesia. Nosso erro foi não ter fortalecido o núcleo central de esquerda do governo, achando que as alianças eleitorais e congressistas eram suficientes...

Fazer autocrítica é necessário, mas com o devido rigor para não jogar a criança fora junto a água do banho. 

Lula é maior do que o PT e a esquerda. Lula é o único pólo catalizador que pode permitir que, neste engenho colonial devorador de gente, retomando mais uma vez o universo de entendimento de Darcy Ribeiro, se construa um país de verdade. Que nesta máquina de moer carne humana, pobre, negra, indígena, que se chamou de Brasil, se construa de fato uma nação soberana e mais justa, onde o povo possa exercer seu desejo natural de felicidade.

Para isso, o Presidente Lula deveria trabalhar em dois movimentos sincronizados, usando o exemplo de Getúlio Vargas. O Presidente Lula devia reorganizar a política brasileira utilizando toda a sua força popular. Pela esquerda, já há uma movimentação grande de revitalização do PT e dos partidos da área de influência lulista; de constituição da Frente Brasil Popular, etc. E ele tem tido uma generosidade imensa e um papel fundamental neste processo de revitalização do PT.

É preciso fortalecer e avançar na organização e na potencialização da esquerda. O PT, o partido de Lula, a base e o coração do lulismo, devem se equipar, saber liderar coalizões políticas e organizativas para se tornar, cada vez mais o intelectual coletivo e o coordenador pedagógico do “pobretariado brasileiro”. O partido líder de uma ampla coalizão de partidos de esquerda, movimentos sociais e personalidades que comandam a construção da nova, justa e potente nação brasileira sob a liderança do Presidente Lula.

Mas há também a necessidade de se organizar a influência lulista ao centro. É possível, em cada estado, organizar as forças de centro-lulistas. Vi, nesta caravana do Nordeste, lideranças estaduais do PMDB, PSB, PP, e de tudo que é "P", ávidas para receber apoio do Lula e apoiá-lo nas eleições de 2018. Um novo partido precisa surgir, nem que seja reformando um dos já existentes, para não ficarmos eternamente reféns do PMDB e dos "partidos de ajuntamento". devíamos fazer como a direita faz, pegando um partido velho e colocando na oficina para reformar e mudar de nome. Devíamos operar seriamente a organização de uma nova agremiação, que talvez nasça maior até que o PT, e que seja a base das alianças com o establishment político-burguês. Fazer como Getúlio fez com o PSD. O presidente Lula deveria organizar diretamente um partido burguês para chamar de seu.

O Brasil precisa de um novo partido burguês, com programa reformista mínimo, pactuando com as lideranças políticas regionais. Um partido que banque a proposta de uma nova constituinte e que avance na construção do estado burguês de bem estar social. O socialismo é uma aposta futura e de transição. Nesse período, a transição ainda é burguesa e o será por muitos anos. Por isso, é centro da estratégia política  montar um partido lulista, burguês e reformista!

Por Washington Quaquá - presidente estadual do PT RJ e foi prefeito de Maricá por oito anos (dois mandatos), elegendo o sucessor.

Nenhum comentário: