Dimas Roque: Minhas férias na Finlândia (Artênius Daniel)

19.7.19

Minhas férias na Finlândia (Artênius Daniel)

Imagem ilustrativa

Estou na Finlândia, Helsinki. Férias, a caminho da Rússia. É verão. Eu, vindo do Brasil, o país dos verões, vou à uma das principais piscinas coletivas da cidade, bem no centro, em frente ao porto. Pago a taxa, ganho uma toalha e uma pulseira. Procuro o vestiário masculino. Encontro. Está vazio. Abro a porta e logo na entrada, sem nenhuma divisória ou corredor, estão os bancos e armários onde as pessoas trocam de roupa e guardam suas coisas. Exatamente ao lado, o enorme box de vidro, transparente e os chuveiros coletivos para o banho. Reparo na enorme falta de privacidade em relação aos padrões brasileiros. Cada vez que alguém abre a porta de entrada, todo mundo que está do lado de fora vê exatamente tudo lá dentro. Acho curioso, divertido até. Deixo minha toalha de cima do banco, tiro a roupa inteira e entro no chuveiro. Há apenas um homem ao lado, um finlandês, relaxando debaixo d’água.


Quando já estou no meio do banho, a porta se abre e tomo um susto de gelar a espinha. Um outro homem finlandês entra, mas acompanhado das duas filhas pequenas, de 7 ou 8 anos, com suas pequenas boias de nadar. Me viro de costas imediatamente, contra a parede, completamente constrangido, quase em pânico, sem entender e com medo de estar no lugar errado. Quando, no Brasil, eu estaria nu ao lado de duas meninas pequenas em um banheiro público? O homem do meu lado termina o banho e sai, enrolado na sua toalha. A minha não está comigo, ela ficou lá em cima dos bancos, e as duas meninas estão sentadas provavelmente ao lado dela. Apenas fecho os olhos e espero. Será que existe um outro cômodo para trocar de roupa e eu não vi? Será que este vestiário proíbe banhos sem roupa e eu não li o aviso? Vou tomar uma multa? Vou ser preso? 

Completamente travado, fico ali por muito tempo. Muitas pessoas entram e saem, mas continuo do mesmo jeito, contra a parede, até não ouvir voz nenhuma. Um alívio, o vestiário está vazio. Saio correndo do chuveiro, visto a roupa apressado, abro a porta e saio. Dez minutos depois, percebo que esqueci metade das minhas coisas de cima do banco. Volto ao vestiário. O pai e as duas filhas estão lá, tranquilamente embaixo do chuveiro, tomando banho ao lado de vários homens nus. Ninguém liga pra ninguém. Ninguém precisa olhar pra ninguém. Apenas, naturalmente como há de ser, as pessoas cuidam cada uma da sua vida fazendo algo que todo ser humano precisa: tomar um banho. 

Saio rindo de mim mesmo e, pelo resto do dia, passo a refletir sobre como nascer em um país como o Brasil, violento, misógino, com índices enormes de estupro e feminicídio, adoece toda a nossa prática social.  Pensando em como o feminismo está definitivamente certo ao dizer que os nossos costumes e comportamentos em relação à diferença de gênero são sim muito mais construções políticas, construções de socialização do que “natureza biológica”.  Os dados dizem que Finlândia é considerada um dos melhores lugares do mundo para ser mulher. A taxa de estupros e de abuso sexual é baixíssima e, obviamente, a cultura do estupro também é ínfima. 

Além da igualdade salarial entre homens e mulheres, da representação feminina na política, o país escandinavo tem um título mundial muito valoroso: a Finlândia é considerada o melhor país do mundo para ser mãe. A licença maternidade no país é de três anos para a mãe e um ano para o pai. Desde que cheguei, me deparo o tempo todo, em absolutamente todos os lugares, com homens sozinhos cuidando de suas crianças pequenas, provavelmente enquanto as mães trabalham. Homens sozinhos limpando cocô das fraldas nos bancos do shopping, nas praças, no aeroporto. Homens sozinhos empurrando carrinhos de bebê em todos os cruzamentos das avenidas, homens sozinhos lendo livros para as crianças no parque, dando mamadeira, ninando seus bebês, sendo o que deveriam ser: pais. 

Por isso, obviamente aquele pai que entrou no chuveiro com suas filhas ao lado de vários homens desconhecidos nus não imagina que outro homem finlandês ali, como ele, terá qualquer sentimento de violência ou de perversão em relação àquelas crianças. Provavelmente aqueles homens todos ao meu lado, tomando banho, encontram-se por aí e sorriem um para os outros ao empurrarem seus carrinhos e ao comprarem fraldas juntos no supermercado. Se mulheres podem tranquilamente entrar com seus meninos pequenos em um vestiário feminino (e isso acontece no mundo todo), por que homens não podem entrar em um vestiário masculino com suas meninas?

Claro que o choque cultural é enorme e tal situação é completamente impraticável e impossível em um país como o Brasil. No entanto, um exemplo como esse, a vivência em uma sociedade igualitária em um país da Escandinávia, região apontada como rascunho do que seria o socialismo se vingasse, ensina muito a nós como brasileiros e mais ainda a nós como brasileiros homens. Na Finlândia uma mulher pode ir a uma festa de minissaia, ficar muito bêbada, voltar a pé para casa às três da madrugada, deitar em um ponto de ônibus e ficar ali até ao dia amanhecer. Nada vai acontecer a ela. Por que?  Por que na Finlândia existem menos “doentes estupradores’ do que no Brasil? Não. Porque a “doença” do estupro não é individual, ela é social, coletiva e tem cura quando toda a sociedade melhora. 

O contato com o vestiário público de Helsinki é um convite a nós, homens brasileiros que apoiam o feminismo, a criar cada vez mais condições para que as mulheres brasileiras façam essa luta. Chega de assobiar na rua, chega de ficar encarando uma mulher que resolveu sair de casa sem sutiã ou com uma roupa mais curta, chega de achar que uma praia com mulheres de top less ou um bloco de carnaval onde elas tiram a blusa (como nós) é um convite ou permissão a qualquer coisa. Nós homens precisamos colaborar com a criação de espaços de naturalidade e confiança para que mulheres se juntem e se sintam bem por estarem livres no mundo, como nós nos sentimos. 

Chega de criarmos os nossos filhos homens educando-os a tratar mulheres como um “item de consumo”, chega de criarmos nossas filhas mulheres tratando-as como um “patrimônio” ou um “tesouro”. São os passos possíveis para a nossa geração em um futuro de menos desigualdade.  O machismo faz muito mal para todos nós. Façamos o possível para o Brasil e o mundo, um dia, serem como uma piscina coletiva de Helsinki, onde a única tensão envolvida entre um homem e uma mulher é a disputa do melhor lugar para curtir o sol do verão.

Por Artênius Daniel.

Nenhum comentário: