31.8.21

Valorização da piaçava garante renda para agricultores familiares do Baixo Sul da Bahia



Com um cultivo sustentável voltado para comercialização, agricultores familiares ligados à Associação de Biojoias, Pesca e Agricultura de Ituberá (Abpagi), do Baixo Sul baiano, com sede no município de Ituberá, estão garantindo renda para suas famílias com a produção da piaçava.

A vassoura da piaçava, antes vendida por R$32 a arroba beneficiada, passou para R$55. A fita da piaçava, de R$28, hoje é comercializada por R$60. O produto agora mais qualificado e valorizado é resultado dos investimentos do Governo do Estado, por meio do projeto Bahia Produtiva.

A expectativa é de aumento do faturamento, com os novos contratos que vêm sendo firmados. Nesta segunda-feira (30), por exemplo, foi entregue a primeira remessa da venda, do total de 1.800 unidades, de pentes feitos de piaçava, para construção de coberturas para o Instituto Pataxó de Etnoturismo, em Porto Seguro.

Além disso, a previsão é que, até dezembro de 2021, a produção de vassouras, de piaçava de 25 dúzias por dia, aumente para 100 dúzias. A associação já possui contrato firmado com empresas do Baixo Sul e de Salvador e já negocia a venda do produto para outros estados.

De agosto de 2020 a maio de 2021, o faturamento da associação foi de R$1 milhão. Com a expansão no mercado, o presidente da Abpagi, Domingos Conceição, prevê um aumento em pelo menos 35%, até o fim deste ano: “O Bahia Produtiva está valorizando a produção da piaçava no Baixo Sul. À medida que os investimentos estão acontecendo, há melhora desde a produção nas roças até a confecção dos produtos, e traz expectativas de aumento da renda”.

O projeto Bahia Produtiva já investiu mais de R$ 1,5 milhão na Abpagi para implantação de uma unidade de Fabricação de Artesanato de Piaçava, com foco em biojoias e similares, aquisição de máquinas e equipamentos para o beneficiamento da fibra e do coco da piaçava, além da aquisição de um veículo utilitário para escoar a produção e de barracas padronizadas, para a exposição dos produtos em feiras e eventos. O recurso também foi destinado para o desenvolvimento da piscicultura.

Com um portfólio de grande variedade de peças de artesanato, vassouras, pentes de piaçava e a confecção de biojoias, a associação vem proporcionando autonomia financeira a cerca de 150 associados, e gerando emprego e renda a pelo menos 800 famílias.

Para Domingos, o mercado da piaçava está em expansão: “A Bahia é responsável direta por 90% da produção de piaçava. E, ao transformarmos a matéria-prima em pentes, vassouras, biojoias e artesanatos, aumentamos a rentabilidade dos nossos associados”.

O Bahia Produtiva é um projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), cofinanciado pelo Banco Mundial.

Nenhum comentário: