19.3.21

Major Olímpio: O Pânico chega ao andar de cima


A morte do Major Olímpio - 58 anos, vida saudável - representa a primeira grande perda que a extrema-direita tem na pandemia, em meio a um festival de negacionismo genocida.

Olímpio participou ativamente de uma presepada em Bauru - cidade que entrou em colapso sanitário - há um mês, juntamente com patifes como o Véio da Havan e a prefeita bolsonarista na cidade. Em ato de vandalismo, colocaram um caminhão atravessado numa das pistas da via Marechal Rondon, a principal da região, e dirigiram impropérios a Dória à esquerda e aos defensores do isolamento social.

A morte do senador-policial representa um impacto para a boçalidade reinante. Não é pouca coisa.

Não tenho ideia se o comportamento genocida de um governo fanatizado por militares golpistas se alterará muito. É possível que tenhamos um efeito contrário e que o abismo sanitário entre pobres e ricos se aprofunde. Tudo na tentativa de salvar a Faria Lima - novo endereço da casa grande - e seus agregados.

O país está em pandarecos e o futuro imediato torna-se nebuloso, com claros responsáveis pela situação.

Mas uma coisa é certa: o pânico chega ao andar de cima.


Tá na Internet.

Nenhum comentário: