Dimas Roque: Novos desafios do mundo do trabalho são debatidos em seminário

7.6.19

Novos desafios do mundo do trabalho são debatidos em seminário



As mudanças na legislação trabalhista, as perspectivas para o movimento sindical e os impactos das inovações tecnológicas no ambiente laboral foram debatidos no seminário “Reestruturação Produtiva e os Novos Desafios do Mundo do Trabalho” realizado nesta quinta-feira (06). A atividade, promovida pela Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), reuniu organizações trabalhistas, gestores públicos, magistrados, deputados estaduais e outros segmentos da sociedade civil, no auditório da Assembleia Legislativa da Bahia, em Salvador.

Perspectiva histórica

O presidente da Fundação Perseu Abramo, Marcio Pochmann, abriu a discussão com uma abordagem histórica sobre o mundo do trabalho. “Estamos em um momento de transição semelhante aos contextos de 1880 e 1930, saindo de uma sociedade industrial para uma sociedade de serviços, assentada fundamentalmente no trabalho imaterial portável. É um cenário que tem seus lados perversos, mas que traz oportunidades e demanda novas formas de representação”, explicou o palestrante.

Quarta revolução

O presidente da Fundação Maurício Grabois, Renato Rabelo, por sua vez, destacou que estamos vivenciando a quarta revolução industrial, marcada pela utilização de tecnologias que impulsionam o capitalismo financeirizado. “Um dos grandes desafios é a luta pela valorização do trabalho, para que as pessoas estejam preparadas para utilizar a tecnologia. Outra questão importante é a diminuição da jornada de trabalho, uma vez que os avanços tecnológicos ampliam a produtividade”, disse.

Novo sindicalismo

As transformações profundas no sistema produtivo exigem que os sindicatos se renovem, na visão do diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Clemente Ganz. “O movimento sindical deve estar preparado para disputar um novo tipo de regulação, estabelecendo um patamar de direitos de proteção laboral e sistemas de proteção mais geral. De um lado, a riqueza produzida precisa ser distribuída de forma mais justa, com melhores salários e melhores condições de trabalho; do outro, as políticas sociais precisam oferecer proteção universal e que ajude no desenvolvimento econômico social”, ressaltou durante o seminário.

Para o secretário de Relações Internacionais da Central de Trabalhadoras e Trabalhadores do Brasil (CTB), Nivaldo Santana, o momento é dramático. “Além do desemprego e da precarização, os trabalhadores estão enfrentando dificuldades de conviver com esse processo radical de reestruturação produtiva, no qual todas as instituições ligadas ao trabalho estão sendo fragilizadas ou extintas no país. Um debate como esse serve como uma reflexão importante para construirmos diques de contenção contra esses ataques”, resumiu Nivaldo.

De acordo com o titular da Setre, Davidson Magalhães, “o objetivo do seminário foi apresentar um panorama das intensas transformações no mundo do trabalho, oferecendo subsídios para que a Bahia continue avançando nas políticas públicas de geração de emprego e renda”.

Nenhum comentário: