31.8.20

Não peçam ao PT para deixar de brilhar


Corre no imaginário popular daqueles que acreditam, como as mariposas, que há um brilho aos esperar. Mas é só um feixe de luz que quando o dia vem se apaga, ou que para economizar, alguém desliga o interruptor impedindo que os insetos circulem em volta da lâmpada. 

Assim como as estrelas no firmamento, milhares que podem ser vistas todas as noites exibindo o seu brilho majestoso, outras, para serem alcançadas pela visão humana precisam do uso de lunetas, telescópios e missões que partem da terra em busca de as encontrar. Mas cada uma tem o seu brilho único. 


No mundo da música, há os que brilham tanto que permanecem para a eternidade, é o caso do The Beatles, que formados na cidade de Liverpool na Inglaterra conquistou todos os corações e até hoje encanta. E temos aqui no Brasil uma constelação a alumiar: Chico Buarque, Caetano, Gilberto Gil, Cazuza, Cartola, Vicente Celestino, Lenine, Chico Science, Alceu Valença, Belchior, Zé Ramalho... 

Quem pode acreditar que alguém poderia pedir para que deixem de brilhar? Estrelas são para brilhar mesmo. Elas têm brilho próprio e não precisam que acendam lamparinas para ajudar na escuridão da noite. 

Lendo alguns textos postados por jornalistas, pensadores e palpiteiros, comecei a perceber que algumas dessas mariposas começaram a se encantar com o brilho dos vagalumes que surgem vez ou outra. Esquecem eles que a claridade emitida é uma reação química que só serve para atrair e acasalar. Logo vão embora deixando os parceiros na mão. Na política acontece muito isso. 

Diferente da luz opaca que muitos na política emitem, o Partido dos Trabalhadores já está a mais de 40 anos sendo o centro das atenções. Ficando atrás apenas do Partido Comunista da China. Tanto que nos dois últimos anos, foi a agremiação que mais filiou pessoas no brasil e se tornou a segunda maior no mundo. Isto é para poucos! 

Eleitoralmente, o PT fez, a despeito de toda a perseguição jurídica e política, a maior bancada individual na Câmara dos deputados com 54 eleitos. Então como falar que esse partido está acabado e que precisa abrir espaço para outras forças? 

Na política, como na vida, é o acumulo de força que dá sustentação as bases. As bases do PT se mostram muito solidas. Querer que o partido abra mão de seu protagonismo é o mesmo que pedir ao Sol que deixe de brilhar pela manhã por decreto. Isto não pode e não deve acontecer. 

O PT ganhou quatro vezes as eleições para a Presidência da República, e só não ganhou a última porque, após o golpe dado contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, Lula foi preso e impedido de participar do pleito eleitoral. Caso isto não tivesse ocorrido, hoje ele provavelmente seria novamente o mandatário da nação. 

Então, para quem anda achando que o PT não indicará um candidato à presidência em 2022, vá tirando o cavalinho da chuva. Será preciso ter mais votos que o partido para poder se cacifar a ser protagonista. Ninguém é líder por decreto ou por textos jornalísticos. É preciso brilhar na noite como a Lua e ao amanhecer, aos primeiros raios do Sol, ver tremular a bandeira vermelha, que mesmo empoeirada, ainda é a referência da grande maioria dos eleitores brasileiros.

Um comentário:

Marcelo Lago disse...

Parabéns!
Excelente texto.
Eu vi, por muitas vezes, jornalistas, críticos e políticos exigirem que o PT fizesse a mea culpa. No entanto, a Globo, por exemplo, levou mais de 40 anos, para assumir o erro de apoiar o regime ditatorial contra a democracia.
Inúmeros políticos envolvidos em corrupção (cidadãos de bem e moralistas), jamais assumiram seus crimes.
Agora, vemos a verdade sobre o julgamento de Lula e sobre o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff.
O país está dilacerado. Quem será responsabilizado por todos os estragos feitos ao povo brasileiro e ao país?