4.8.20

Jorge Portugal, da massa, da Bahia e do Mundo (Por André Curvelo)


Alguém escreveu que o céu de Santo Amaro da Purificação tinha uma estrela a mais hoje. Recebi tantas mensagens, li tantos textos que peço desculpas pela preguiça de não procurar o autor. Mas, tenho que discordar em parte, pois não foi apenas o céu da terra de Caetano que ganhou mais uma estrela; foi o céu da Bahia e do Brasil. A chegada de Jorge Portugal é certeza de festa entre as estrelas no céu brasileiro. A mim, só resta agradecer a Deus a oportunidade de ter conhecido e convivido com uma bela figura humana: gente na máxima expressão da palavra. São várias recordações recheadas de carinho e admiração que vão desde a um encontro fortuito em pleno centro antigo de Roma a várias reuniões na Secretaria de Comunicação do Estado muitos anos depois. Mas, permita-me, poeta, dizer que o mais fantástico momento foi nos bastidores do ensaio de Maria Bethânia, numa quinta-feira, véspera da inauguração da nova Concha Acústica. E você disse pra rainha: "Vai, agora é com você. Estamos realizando um sonho". E Bethânia te respondeu: "A inauguração não é hoje. O sonho só será realizado amanhã". De tantas pessoas que vibraram, não me lembro de uma vibrar tanto com a nova Concha quanto Jorge Portugal. Um entusiasta da cultura, das aulas de Português, um amante de fazer amigos. Um poeta, um sonhador, um ser humano da democracia e da liberdade. Um daqueles caras especiais que sentem "a dor do menino-bezerro pisado no curral do mundo a penar... é a dor de nem poder chorar". Jorginho soube viver e interpretar a sociedade e suas angústias em tempos sombrios e duvidosos. Fez parte de uma massa, aquele "massa dos homens normais".  Teve sensibilidade e sofrer ao falar da massa, "a massa que falo é a que passa fome, mãe...". Deixa uma obra imortal. Faz parte de uma daqueles baianos humanos imortais. Luto e saudade

Por André Curvello.

Nenhum comentário: