29.5.20

Resposta ao Roberto Jefferson e Milícia (Por Fernando Neto)



A política é um mundo à parte, seus bastidores acontecem fatos e histórias ou estórias que deixaria perplexo o melhor leitor de Aghata Christie. Nem sempre as histórias são reproduzidas fidedignamente aos fatos ocorridos, para ser honesto quase nada é fidedigno entre figuras que almejam o elixir da vida (poder). Não é diferente no Brasil, não é diferente no nosso quintal, histórias sobre o período da colonização ainda se descobre até hoje, assim como as dúvidas e os mistérios da proclamação da República, os fatos entorno do suicídio de Getúlio Vargas, a cassada contra Juscelino Kubschek, o golpe de 64, as torturas e mortes que ocorreram durante a ditadura militar, os segredos do pacto pela redemocratização, impeachment do Collor, o mensalão durante o governo Lula. Neste último caso são tantas controvérsias processuais, informações, versões, capas de jornais, só o tempo cura, absolve e reposiciona todas as coisas, mas nem sempre o tempo é amigo, pelo contrário, o tempo é ingrato, alguns tem a sorte de serem absolvidos em vida, alguns passam a vida inteira lutando e não recuperam o tempo perdido, exemplo disso é o ilustre Deputado Ibsen Pinheiro, acusado de corrupção e cassado em 1994, era Presidente da Câmara, anos depois absolvido, demonstrado que ele não era culpado, pelo contrário, hoje porém a sociedade não faz a mínima ideia de quem seja, ficou na memória como mais um, e sofreu com perseguição, julgamentos populares e da imprensa, jamais terá sua biografia resgatada, morreu vítima do tempo e de sua insignificância.


O mais polêmico e controverso personagem da história recente da nossa democracia é José Dirceu, este luta incansavelmente contra o tempo e contra o julgamento sumário, desde sempre o “Zé” lutou por julgamentos justos e a altura de seus feitos, desde a ditadura militar quando foi preso e encarcerado sem julgamento por ato direto da política e do comando militar até o mensalão, acusado de chefe de quadrilha, depois absolvido pelo próprio Supremo por formação de quadrilha o condenando por corrupção, assim como fez a Câmara dos Deputados quando julgou seu mandato e o cassou, porém a mesma casa condenou Roberto Jefferson por não conseguir provar a corrupção que cunhou como um brilhante golpe de publicidade acertado, e também foi condenado pelo supremo pela corrupção que assumiu ter cometido e por não ter comprovado a corrupção que denunciou aos jornais. Roberto Jefferson é figura patética, tacanho, um personagem folclórico da política sem grandes feitos. Selou fileiras ao lado de Fernando Collor durante o processo de impeachment e vendeu a ilusão ao ex-Presidente que teria maioria no congresso para barrar o que virou fato histórico, sobreviveu politicamente durante todo o governo Fernando Henrique Cardoso com suas negociatas e se arvorou alçar voos maiores durante o Governo Lula, buscando papel de destaque, que não tinha e não teve, mas se escorava em seus pares, como José Múcio, Walfrido Mares Guia, ambos Ministros com papeis importantes no Governo, para o falastrão Roberto Jefferson sobravam migalhas, papel pequeno para alguém tão vaidoso.

A história é implacável, estamos no momento mais tenso pós redemocratização, quem ressurge palpiteiro e oportunista para alçar seus voos galinhosos? O próprio, falastrão e alcoviteiro de sempre, figura menor que telejornais e editorias gostam de explorar pela publicidade e audiência, afinal de contas vende mais morte que vida no Brasil. José Dirceu se tornou alvo do parlapatão, associado a família Bolsonaro tenta ser alguém ou simplesmente sobreviver ao esquecimento, não luta por absolvição ou inocência, ele sabe que não será absolvido por não ser inocente, mas nos dá a oportunidade de revisitarmos o mensalão e entendermos em parte o que significou todo aquele imbróglio que começou nele, se hoje puxarmos o fio condutor veremos que a figura que sempre se expõem de forma irresponsável causa danos a democracia e demonstra sem pudor que é capaz de qualquer pastelão para ter espaço no imaginário popular. Ao Zé Dirceu cabe a absolvição dos fatos, sempre esteve acima desses personagens, dialoga em alto nível e se posiciona na história em defesa dos seus, não tem porque responder ataques de figuras pequenas. A cada mostra de estupidez de Roberto Jefferson e quadrilha, fica mais nítido o quão suspeito foi o mensalão.  

Fernando Neto

Diretor do Observatório Urbanos

Nenhum comentário: