Dimas Roque: Tá na internet: a situação é grava ou do que é mais grave

9.9.19

Tá na internet: a situação é grava ou do que é mais grave


A situação do Brasil nesse momento (setembro de 2019!!!). Jornais e jornalistas falam isto.

Vemos/lemos nas redes sociais. Vemos nas ruas, praças, mercados, ônibus, escolas, lugar de trabalho, etc... Os dados sócio-econômicos não nos deixam mentir. Mas essa "tragédia a céu aberto" não se passa apenas na economia (que já é muito grave), mas aprofunda-se na vida cultural. Li aqui uma notícia e conferi sua origem e veracidade e vi que passou quase despercebida, a saber, alunos protestantes da escola de música da UFRJ se recusam a cantar ou tocar a obra de Villa-Lobos por acharem que ela faz apologia do "diabo". O depoimento aparece no jornal "O Globo" e dado pela professora de canto na UFRJ Andrea Adour.
Os alunos resistentes se referem a presença da cultura africana na música do compositor brasileiro. O que é grave numa noticia dessas? tudo. simplesmente, tudo. Estamos num curso de música universitário; um curso de música e diante de um dos maiores compositores do mundo que é Villa-Lobos. Estudado em várias universidade no exterior. Temos recebido noticias nos últimos anos nesse Brasil em transe de alunos e alunas que se recusam a ter determinado conteúdo por serem "cristãos" e acusarem o tal conteúdo de ser contra suas convicções religiosas. Atitudes assim, têm causado constrangimento a educadores; têm travado o processo de conhecimento e torna-se uma ameaça à ciência e a pesquisa científica. Alunos e alunas mobilizados por grupos e igrejas fundamentalistas; amparados por figuras obscurantistas nas redes sociais e de leitura limitada, estão ganhando espaço nas universidades brasileiras. Empoderados pelo governo bolsonaro e seus aliados, eles se sentem a vontade para destilar obscurantismos e imbecilidades em todos os cantos do espaço acadêmico. Só que tem algo ainda mais grave diante de tudo isso: a nossa apatia generalizada em responder a altura a tudo isto que estamos vivendo e sofrendo. Avançam esses "bárbaros" e nós recuamos ou nos encolhemos como fossemos culpados... A inteligência, a ciência ou a erudição não parecem ser trunfos contra essa horda de fanáticos que assolam esse país... Estamos sendo atacados... É preciso que saibamos.

Por: Romero Venâncio - UFS.

Nenhum comentário: