Dimas Roque: DIREITO DE RESPOSTA.

18.11.09

DIREITO DE RESPOSTA.

RESPOSTA À NOTA OFICIAL da assessoria do senhor raimundo caíres rocha.
Quando li a nota da assessoria do senhor raimundo caíres rocha, a primeira atitude foi a de não respondê-la, afinal, não se deve polemizar com quem está fragilizado politicamente, com quem perdeu o poder e os amigos do poder, com quem somente tem uns poucos seguidores, muitos decentes (enganados em nome de uma ideologia), e alguns lacaios, e mesmo assim se acha um grande líder. Pensei em não responder, a quem, sem poder, somente o vento bate nas costas. E mesmo assim quando se encontram em uma encruzilhada e o vento não tem condições de se desviar. Pensei também, não devo responder a um cara que se acha ungido por Deus e dono da verdade. Um cara que não é “o cara”, que falseia a verdade e a manipula, para tirar proveitos. Achei ainda, não devo responder a um cara que não assume os seus erros, mas que sempre coloca a culpa no outro ou nos outros. Pensei, em nome da decência, em não responder a um traidor contumaz, que trai hoje e vaia à missa se confessar e comungar, com a cara mais limp. Típicas atitudes de quem tem um caráter deformado. Mas aí, depois, mudei de atitude, e vou aqui responder a esse senhor e à assessoria desse senhor. Mas prometo, somente desta vez. E de antemão pedindo desculpas aos cidadãos decentes de Paulo Afonso, se por acaso me exceder. Mas quando se é ferido, gratuitamente, deve-se agir e assumir a responsabilidade.
Não obstante a tentativa da assessoria do senhor raimundo caíres rocha tentar desacreditar os resultados da pesquisa realizada por nosso instituto com aleivosias, e de querer creditar que vendemos resultados, prática de alguns institutos que esse senhor comprou para manipular seus seguidores (motivo que o faz hoje desacreditar em pesquisas) vamos tentar ser bastante didático nas respostas, e alertar: não adianta assessoria do senhor erre cê erre, não vou polemizar com vocês. Vocês somente merecem essa resposta. Em apenas sete pontos ou sete mandamentos do bateu levou.
Primeiro ponto a ser considerado. Em nenhum momento o texto e o resultado da pesquisa faz alusão desabonadora a quem quer que seja, simplesmente se atém aos fatos e aos dados coletados junto à população de Paulo Afonso, via metodologia consagrada e utilizada pelos institutos de credibilidade do país.
Segundo ponto, o resultado apresentado é um retrato do momento, expressa a opinião do eleitorado em um período bem distante do pleito eleitoral, que somente vai acontecer em 2010, quando o acirramento eleitoral se mostrará com toda sua força, alterando opiniões, anseios e desejos dos eleitores. Portanto outro momento, dinâmico, forjado no sabor da disputa. O que pode alterar os resultados ora apresentados. O que inclusive uma assessoria de marketing ou de comunicação competente deveria conhecer, já que esses conceitos fazem parte de matéria do segundo semestre de um bom curso de comunicação ou de publicidade.
Terceiro ponto, a pesquisa ora divulgada faz parte de um projeto maior que nós vamos implementar em Paulo Afonso, com a finalidade de monitorar e contribuir para uma discussão política sadia, em favor da cidadania, da sociedade e da democracia (aliás, termo muito usado por uns poucos que se acham dono da verdade, que não sabem realmente o que significa mas que o utiliza para enganar e confundir a população com mentiras e subterfúgios) e não de grupos, grupinhos, grupelhos, facções, ou qualquer outra denominação que se queira dar. Um projeto que não vai ser chapa branca ou chapa marrom. Mas chapa verde, a da esperança de que a nossa cidade se livre do discurso fácil de alguns falsos iluminados que plantam cizânia para colher benesses. Vamos lutar por cidadania, participação popular, transparência.
Quarto ponto. É verdade! Esse caso de pesquisa virou realmente um caso de piada em Paulo Afonso. A “pesquisa” foi muito usada e manipulada pelo grupo político dessa “assessoria de e por erre cê erre”, motivos pelo o que o faz desacreditar de pesquisa e o faz afirmar em sua nota oficial que comprava resultado:” Esse negócio de pesquisa em nosso estado virou caso de piada, o que está acontecendo na Bahia e agora especificamente em Paulo Afonso é uma mistura de quem paga ganha ou de contar uma meia mentira para que venha a passar por verdade.” Pergunto: quanto foi que você ERRE CÊ ERRE pagou para um certo instituto de Pesqueira e outros dão mesmo quilate para manipularem os dados? Você está fazendo uma mea culpa ou está abertamente se denunciando? Cuidado! O hábito de fumar cachimbo entorta a boca! Mas tudo que ERRE CÊ ERRE fez foi em boa causa. Os dados foram manipulados de forma mentirosa e inescrupulosa, simplesmente com a finalidade de arregimentar corações e mentes dos seus seguidores para fortalecer a sua empreitada de se locupletar com o poder, de se perpetuar no poder. De executar a prática patrimonialista brasileira de confundir público com privado, e assim querer transformar a cidade de Paulo Afonso em uma capitania hereditária ou num reinado onde o rei se perpetua por inspiração divina, sem alternância do poder. Sem anuência do povo, esse sim, soberano. Que às vezes erra e às vezes acerta.

Ademais, ERRE CÊ ERRE, alternância de poder é um dos princípios basilares da democracia e é uma coisa extremamente salutar e que deve ser respeitado. Quem não serve bem a quem dá o poder, o eleitor, o cidadão, via o direito sagrado do voto, deve sim ser apeado do poder. E assim aconteceu em Paulo Afonso. Naquele momento, há quase cinco anos atrás, quando a população desacreditou do grupo político que ora detém o poder, retirou sabiamente os seus representantes da prefeitura e colocou no lugar o ERRE CÊ ERRE. O qual não demonstrou a competência necessária, nem conseguiu dar respostas aos anseios da população, vez que somente fez uma gestão temerária. Resultado, perdeu a eleição pelo voto da maioria, não obstante ainda ter tido expressivo sufrágio. E novamente, se o atual grupo político que detém o poder não der respostas à população, poderá e deverá também ser retirado do poder daqui a quatro anos. Quem não tem competência não se estabelece. É assim que deve ser. A população tem o direito de errar e de acertar. Paciência, é o exercício da democracia (aqui o termo sendo bem usado e não dito em vão).

Quinto ponto. É verdade, o instituto trabalhou realmente para o DEM na eleição de 2008, como também trabalhou para ERRE CÊ ERRE na eleição 2004. Não é verdade? Como trabalhou para o PT, para o PC do B, PP, PSDB, para os governadores Teotônio Vilela – AL e Cássio Cunha Lima –PB, Misael Aguilar e Joseph Bandeira em Juazeiro, Fernando Bezerra – Petrolina-PE, Joseildo Ramos – Alagoinhas-BA, Presidente Lula, nas duas eleições, via outros instituto de São Paulo, e tantos outros clientes. E afinal, acertamos os resultados não foi ERRE CÊ ERRE?. Veja, não trabalho para ou por ideologia (mesmo tendo a minha, que com certeza não é a sua -meus conceitos de democracia não são os seus), trabalho para pessoas e instituições que acreditam no meu trabalho, que usam a pesquisa para alcançar objetivos e metas, que vêem a pesquisa como um instrumento para a consecução desses objetivos e metas. Que aceitam os resultados apresentados, mesmo que adversos.
Sexto ponto. “Senhores” do reino, quem me conhece sabe que não falseio ou altero dados para quem quer que seja em troca do metal (como alguns maus caráter que se utilizam desses artifícios fazem e acham que todos são iguais), de aconchego político, ou para satisfazer egolatria de tiranetes de plantão. Aliás, não é do meu feitio confundir o público com o privado, nunca me locupletei com dinheiro público. Sou independente e vivo de pesquisa, vivo do suor do meu trabalho. Da minha credibilidade como profissional, que realiza trabalhos para qualquer cliente, sem distinção de matiz política ou ideológica. Mas que se respeita e não confunde as coisas.
Sétimo ponto. Portanto afirmo, o resultado da pesquisa é o retrato fiel encontrado quando fizemos o campo. Não tiro uma vírgula, não coloco um ponto. Quem quiser contestar que apresente uma outra pesquisa, realizada por instituto de credibilidade como o nosso, e não de alguns “institutos” como os utilizados pelo “senhor raimundo caíres” quando da campanha eleitoral passada, o que lhe dá ojeriza hoje, já que foi enganado ou quis se enganar. Pesquisas essas que eram tão propaladas e que ninguém via o resultado. Aliás, viram muito bem resultado que deu.
Por outro lado afirmo e reafirmo, e aqui um conselho de especialista na área: é bom o “senhor” ERRE CÊ ERRE se ater aos números da pesquisa, analisá-los com carinho e tirar os ensinamentos necessários para se lançar como deputado, afinal, as informações são de graça e de credibilidade (aceite os fatos senhores), com a finalidade exclusiva de mostrar à população que pesquisa é um negócio sério e só se engana quem quer.
Portanto, senhores assessores, trabalhem mais um pouquinho, se esforcem mais um pouquinho para diminuir a rejeição do seu patrão e assim melhorar os atributos de imagem dele e justificar os salários de “vossas senhorias”. Ademais, se precisarem contratar uma boa assessoria de marketing , coloco-me à disposição. Só que vocês terão que pagar e aceitar os resultados que apresentarmos, pois não nos vendemos. E digo mais, está encerrada essa história de NOTA OFICIAL, não mais responderei a vocês, e se quiserem contestar a pesquisa senhores, apresentem uma outra, realizada por quem tem credibilidade. E no mais, vão trabalhar, façam com que o resultado da próxima pesquisa seja melhor para vocês, porque o resultado hoje é MUITO RUIM.

Senhores assessores, senhor Raimundo Caires, me respeitem, não sou vendido como vocês e quando falar em meu nome favor lavar a boca. De prefer

Saudações,

José Renato Melo, cidadão pauloafonsino, mesmo morando longe.
Joserenato@datasurvey.com.br, (71) 99837920 /87360562

3 comentários:

Edna disse...

Sr.José Renato fui 40 por cauda de Raimundo Caires hoje sou 15,vi pessoas ligadas ao DEMO fazendo pesquisa apenas em casa onde as pessoas são 25,não passaram na minha,no meu vizinho, a única casa onde a pessoa é 15(raimundo Caires),a pessoa que estava intrevistando "uma 25 doente",quando a pessoa perguntou em quem ela votava e a pessoa respondeu Raimundo a pessoa insistia tem certeza? este é um dos motivos que esta pesquisa é de resultados duvidosos.

Anônimo disse...

Será que a pesquisa feita para PREFEITO nas eleições passadas se processaram desma mesma maneira, Sr. Edna? Dá pra sra. me responder? Por que as pesquisas feitas na eleição passada apontavam Anilton como franco favorito e Anilton ganhou a eleição? Serpa que os pesquisadores só pesquisavam nas casas dos "25 doentes"? Responda, minha sra!

Anônimo disse...

Será que a pesquisa feita para PREFEITO nas eleições passadas se processaram desma mesma maneira, Sr. Edna? Dá pra sra. me responder? Por que as pesquisas feitas na eleição passada apontavam Anilton como franco favorito e Anilton ganhou a eleição? Serpa que os pesquisadores só pesquisavam nas casas dos "25 doentes"? Responda, minha sra!