27.5.20

Mídia canalha (Por Leandro Fortes)



Em mais de 30 anos de jornalismo, nunca li um editorial, de nenhum jornal, como rotina de trabalho. Os poucos que li, talvez, nem meia dúzia, foi por indicação de amigos dentro de um contexto político relevante.

Explico: editoriais são textos inúteis que, ao contrário do que dizem, não expressam a opinião dos veículos, mas tão somente de seus interesses imediatos e mesquinhos. Nunca sequer considerei "editorialista" como um cargo jornalístico, mas uma categoria de serviçal dentro das cozinhas das redações.


Digo isso porque recebi, de diversas fontes, esse texto de um editorial do Estadão escrito sob encomenda da trupe de canalhas que, ao longo dos anos, tem se revezado no comando desse mastodonte conservador, espúrio e decadente da pauliceia.

Sem escrúpulos, e com a ajuda luxuosa dos tarefeiros que emprega como se jornalistas fossem, O Estado de S. Paulo tenta pegar carona da narrativa mambembe da turma da Rede Globo que pretende eleger, em 2020, nulidades como Sérgio Moro ou Luciano Huck, para voltar a mandar no País.

Repito: comparar Lula a Bolsonaro não passa de um exercício de mau caratismo.

Por: Leandro Fortes.


Nenhum comentário: