14.10.17

DIDI, DEDÉ, MUÇUM, ZACARIAS E MORO. (Por Francisco Costa)



Primeiro o Juiz Sérgio Moro afirmou que Lula estava empurrando para a dona Marisa a responsabilidade sobre o aluguel do apartamento que ele ocupa, ao lado do seu, para se livrar, jogando a culpa sobre a morta, o bastante para a mídia e o seu rebanho de coxinhas amestrados chamarem-no de covarde, cínico, imoral....

A perícia constatou que o contrato de aluguel foi celebrado entre Marisa Letícia Lula da Silva e Glaucos da Costamarques.

Depois o juiz trapalhão afirmou que os recibos foram levados ao hospital, onde Glauco estava internado, para serem assinados todos no mesmo dia.

Por solicitação do trapalhão, o Hospital Sírio e Libanês, SP, mandou cópias dos registros de entrada de visitantes e lá não constam os nome de Lula, dona Marisa, dos filhos dos dois ou de qualquer um dos advogados ligados à família ou ao PT.

A perícia demonstrou que as assinaturas nos recibos são reais, conferem, feitas com tinta em datas diferentes, bem como foram impressos em pelo menos 25 impressoras diferentes.

Os peritos da Polícia Federal ficaram petistas ou cumpriram com o dever?

A seguir, o Führer curitibano ficou estarrecido por ter encontrado sete milhões, do Lula, no Fundo de Pensão do Banco do Brasil – BrasilPrev.

A primeira coisa a ressaltar é que esse dinheiro não foi encontrado numa conta secreta na Suíça ou em algum paraíso fiscal, como as dos amigos de Moro, seus correligionários.
Também não foi parte na integralização de uma ofshore em paraíso fiscal, como as dos amigos de Moro e da Globo. Não estavam em um apartamento em Salvador ou Belo Horizonte, e muito menos estavam em uma mala na posse de Loures.

Esse dinheiro estava aplicado numa poupança de complementação da aposentadoria, o que nos mostra não ser um investimento especulativo.

Lula justificou afirmando ser dinheiro oriundo de suas palestras.

Moro questionou se ele havia dado (esse cacófato é o meu presente aos meninos da Gestapo de Ânusritiba) realmente essas palestras, e Lula mostrou uma planilha, com nomes, datas e valores.

O Hitler tupiniquim e seus golden boys do MP acharam que a planilha era mentirosa, e pediram cópias dos contratos, que foram enviados.

Aí o Mussolini de toga entendeu que eram contratos falsos e pediu provas documentais aos contratantes, e elas chegaram, com as palestras realizadas, devidamente pagas e com os impostos recolhidos pelo contratado.

Agora vamos ver quem lavou o dinheiro para Lula, contratando-o, todos seus amigos íntimos e do PT:

- Bank of America, Meryll Linch...  – R$ 817 599,32

- Infoglobo Participações (Rede Globo) – R$ 450 132,41

- Lojas Americanas S.A. – R$ 409 211,28

- Microsoft Informática S.A. – R$ 375 000,00

- Nestlé Brasil S.A – R$ 356 599,37

- e mais 28 (vinte e oito) empresas, entre elas o Jornal A Folha, LG, TV Azteca (México), Abril Cultural, Governo de São Paulo, Associação de Supermercados...

Quem diria, Henrique Meireles e os barões de Wall Street lavando dinheiro para o Lula, os irmão Marinho, Bill Gates e até a Nestlé, atual puxa saco do Michel Mouse, de olho no Aquífero Guarany, em parceria com a Coca Cola,...

Se isso não é uma cruel e covarde perseguição, aquele pau no MAM paulista é uma obra de arte, um Picasso legítimo e flácido.

O que Moro vai pedir agora, a prova do tamanho da obra de arte do Lula ou vai indiciá-lo por sonegação de um dedo?

Por Francisco Costa.


PS: Cacófato - associação de duas ou mais palavras que, pelo som, ganham significado diferente (eu vi ela/ vou dividir, uma por cada/ não tem batata? Assa cana/ o menino havia dado/...).

Nenhum comentário: