19.1.18

Quando o novo já chega velho na política!

O chamado novo movimento “Agora” que se ofereceu para renovar a política brasileira, já nasceu com defeito de fábrica. Em sua página na internet ele se diz ser um “movimento de ação política a partir da sociedade, independente, plural, sem fins lucrativo e sem vinculação partidária. Seus membros são referências em suas áreas de atuação que compreenderam a urgência de dedicar parte de seu tempo e conhecimento para mergulhar nos problemas e buscar soluções para o país”. Tá tudo certo, tá tudo escrito, mas eis que essa turma está, segundo a jornalista Mônica Bergamo, mantendo conversas com políticos do PPS - Partido Popular Socialista e o Rede.

A turma, liderada pelo apresentador, já carimbado nas redes sociais de novo Collor da Globo, o Luciano Huck, se desejassem mesmo mudar a política, como apregoam, deveriam buscar outras alternativas e não “os viciados” de plantão. Renovar é fazer ficar ou ficar outra vez como novo. Segundo o dicionário. O que definitivamente não se aplica a este caso.

O Agora, ainda segundo a jornalista, quer mesmo é um espaço que possa usar a seu bel-prazer, deixando, caso ocorra o acerto, que poderá fazer coligação com qualquer partido. Entenda-se a turma da direita. E que os dirigentes partidários podem fazer o que bem entenderem, desde que deem os espaços para candidaturas dos representantes do dito movimento que concorreriam pelas siglas partidárias.

Anunciado aos quatro cantos que vão bancar o custeio destes candidatos alinhados com suas propostas, o Agora fará financiamento empresarial de campanhas, o que é proibido pela Lei Eleitoral. A proibição foi decidida pelo Supremo Tribunal Federal no de 17 de setembro de 2015 pela ilegalidade desse tipo de doação.

À época o ministro Luiz Fux chegou a dizer que, "Chegamos a um quadro absolutamente caótico, em que o poder econômico captura de maneira ilícita o poder político".

Então, o que leva a turma do Agora crer que vão poder usar a força do dinheiro para manipular votos nas eleições de 2018?

“No prefácio do livro de Greg Palast Billionaires and Ballot Bandits (Bilionários e os Bandidos do Voto) Robert Kennedy Junior desmoraliza a decisão de 2010 da Suprema Corte Americana que permitiu o financiamento ilimitado das campanhas eleitorais por empresas, grandes, médias ou pequenas. O expediente utilizado para disfarçar o maciço financiamento empresarial foi a criação dos Super PACs (supercomitês de ação política). O supercomitê não pode fazer contribuições a candidatos ou partidos, mas pode pagar propagandas a favor ou contra causas defendidas pelos candidatos.  A hipoc
risia, dizia La Rochefoucauld, é a homenagem que o vício presta à virtude”. – Carta Capital.
Esse chamado movimento novo (supercomitê?) que agora aparece, busca aplicar nas eleições de 2018 no Brasil o mesmo método que foi utilizado nos Estado Unidos.


Tanto lá, como cá, a Lei não permite o financiamento empresarial para campanhas políticas. No Brasil de 2018, com um país em conflito político declarado e aberto. Onde boa parte da população está retornando a miséria absoluta, onde estão excluídos das decisões políticas, será o Supremo Tribunal Federa, a mais alta instância do poder judiciário brasileiro, que deve ser o guardião do cumprimento das leis, vai fechar os olhos e deixar que o resultado eleitoral venha a ser manipulado pela viu metal?

Escolas estaduais realizam matrícula para novos estudantes do Ensino Fundamental nesta sexta-feira (19).

Os estudantes do Ensino Fundamental que desejam ingressar na rede estadual de ensino devem ser matriculados, nesta sexta-feira (19), em qualquer escola da rede estadual até às 20h, não sendo necessariamente a escola onde pretende estudar. As vagas abrangem todas as modalidades, que inclui e Educação de Jovens e Adultos (EJA), Educação Inclusiva e Educação Indígena, além de cursos de qualificação tecnológica.

Para a matrícula, os pais ou responsáveis devem apresentar os seguintes documentos: Original do Histórico Escolar ou Atestado de Escolaridade, firmado pela direção da unidade escolar (deve ser substituído pelo Histórico Escolar em até 30 dias); original e cópia da Carteira de Identidade (RG) ou Certidão de Registro Civil; original e cópia do CPF; original e cópia legível com data recente do comprovante de residência (água, luz, telefone fixo ou móvel, gás encanado, Internet, contrato de aluguel, IPTU, dentre outros); e o código do SETPS (que consta no Salvador Card) para as escolas do município de Salvador.

Matrícula 2018 – Entre os dias 16 e 18 de janeiro, a Secretaria da Educação do Estado registrou mais de 114.000 estudantes matriculados na rede estadual de ensino.  Somado ao número de renovações, realizadas no mês de novembro, a rede estadual de ensino possui, até o momento, mais de 696.600 estudantes matriculados para o ano letivo de 2018.

- Cronograma da Matrícula 2018:

. 19 - Matrícula dos estudantes novos do Ensino Fundamental e suas modalidades (cursos de qualificação tecnológica; Jovens e Adultos - EJA; Inclusiva e Indígena);

. 22 e 23 - Matrícula dos estudantes do Ensino Médio e suas modalidades (Profissional e Tecnológica; Jovens e Adultos - EJA; Inclusiva e Indígena);

. 25, 26 e 29 - Confirmação de matrícula do público alvo da Educação Inclusiva que realizou a pré-matrícula em novembro de 2017.

Foto: Suâmi Dias

Tese: a sociedade que queremos. (Por Daniel da Costa)

Tenho uma tese que pode ajudar na construção da sociedade que queremos. 

Toda a desgraça desse país, imposta por uma minoria de canalhas, se funda sobre a incapacidade das pessoas em geral de fazerem e de possuírem uma competência para pensar minimamente a lógica da vida social. 

Aqui neste país, o individualismo é tão gritante, camuflado pelo caráter de solidariedade do brasileiro, mas que fica só no nível do individual, do assistencialismo, que é como se a sociedade nem existisse. É como se a vida em sociedade não impusesse suas próprias reivindicações específicas e diferentes da vida individual, que não necessariamente se relacional ao modelo do individualismo da ideologia liberal.

No Brasil, em geral, predomina o fato de que tudo é avaliado a partir do imediatismo dos estímulos a que os indivíduos ficam expostos ao bel prazer da minoria canalha oportunista e aproveitadora da situação. 

Nesse sentido, o povo brasileiro é visto pela minoria canalha oportunista como um manada de animais (mídia, igrejas, políticos defensores da ideologia liberal,  como o embolsanaro, que diz resolver todos os problemas pondo uma arma na mão de todo mundo etc.). 

Os animais vivem presos ao imediatismo (estimulo-resposta) próprio da estrutura instintiva pela qual sobrevivem como animais. 

Assim, creio que o presidente Lula acatou minha dica de propor a federalização do ensino médio. Que irá tirar a juventude das garras da imbecilização individualista da ideologia liberal defendida por partidos como PSDB, que destrói o estado de sp há mais de 25 anos. E que se mantém no cinismo liberal típico afirmando que não melhoram a escola pública e nem o salário dos professores etc por falta de dinheiro blá blá blá Na verdade, já sabemos que se trata do modus operandi da quadrilha do PSDB em relação à coisa pública: primeiro tomam o poder, daí sucateam tudo que é público e diga respeito ao bem comum, depois concluem dizendo cinicamente: "Vejam como o serviço público não funciona. Tem que privatizar. O estado não é para essas coisas etc."

Assim, além do presidente Lula assumir para si essa responsabilidade com a educação da juventude, que vai fazer um grande favor aos políticos liberais tirando deles está responsabilidade para a qual nunca há dinheiro e, assim, injustamente sempre exigindo destes gestores competentes do PSDB e outros liberais algo impossível. 

E aqui vai a segunda dica de um professor e pedagogo: substituir os falsos valores do individualismo e da competição, da ideologia liberal, pelos verdadeiros valores da singularidade humana expressa pela noção de "pessoa", e não individuo; e da "cooperação", contra a competição. E isso através da inserção e ênfase da lógica da vida social, da vida coletiva ou comunitária, sobre a lógica do individualismo que hoje predomina nos CURRÍCULOS ESCOLARES. 

Essa é uma atitude de base e que representa um anteparo educacional contra todo o golpismo futuro. 

É necessário criar um currículo escolar que privilegie o desenvolvimento da competência da lógica das relações sociais, da vida coletiva. Sem o que o Brasil não conseguirá dar um passo à frente em direção à criação de uma nação brasileira democrática e inclusiva. Sem isso, nunca poderemos construir o SENTIDO DE UMA COMUNIDADE DE DESTINO.

Por Daniel da Costa.

SOBRE A IGNORÂNCIA ERUDITA. (Por Carlos D'Incao)

Carlos D'Incao
Um dos maiores problemas contemporâneos e que aflige todas as gerações não é mais a ignorância, mas sim a “ignorância aprendida” que é, em sua essência, uma ignorância perversa que assume a forma de conhecimento adquirido por fontes supostamente confiáveis.

A ignorância aprendida acaba por resultar em um novo tipo de ignorante, o “ignorante erudito”.

Uma mistura heterogênea de conceitos deturpados, meias verdades, fatos inventados, dados manipulados... e tudo isso cuidadosamente controlado por gigantescos meios de comunicação privados que desejam cumprir com uma missão: gerar um exército de “ignorantes eruditos”, geralmente recrutados das camadas altas e médias de nossa sociedade e que servem como tropa de choque dos interesses do grande capital.

Esse exército de “ignorantes eruditos” consegue ver vantagens na destruição da previdência pública, dos direitos sociais e na falência da democracia e do Estado de Direito.

Consegue ver o mundo de maneira distorcida e desequilibrada... Chega a acreditar que países que sofrem as mais flagrantes agressões dos países centrais, como Cuba e Venezuela, são nossos inimigos... enquanto países como EUA e Alemanha, que realizam diariamente um processo de pilhagem de nossas riquezas, são vistos como nossos “aliados estratégicos”.

O “ignorante erudito” não está somente em um nível inferior do que aquele que se encontra no estado da simples ignorância. Ele está enraizado em um duro e sujo universo de mentira e manipulação, fazendo com que a sua própria libertação se torne em uma missão muito mais difícil, quando não, impossível.

Mas esse fenômeno não é inédito, embora hoje traja novas roupagens e porte armas mais sofisticadas. A ele o combate sempre se deu por três frentes: a contrainformação, o debate crítico e a sátira.

Hoje temos também a missão de criarmos mecanismos eficazes de sabotagem e boicote aos meios de comunicação formadores desse exército.

Um bom começo seria nos recusarmos explicitamente a não mais se valer desses meios para qualquer tipo de pronunciamento.

Para além das redes sociais, ocupar as ruas é também um dever fundamental. E nas ruas a verdade há sempre de prevalecer.

A verdade é um conhecido e temido animal... ela é rebelde, não aceita ficar presa e tão pouco é possível de ser domada. Ela é a mãe de todas as insurreições e o primeiro passo de todas as revoluções.

Por prof. Carlos D'Incao.

18.1.18

UM ENCONTRO INESQUECÍVEL COM GENTE ARMADA PRA LUTA. (Por Miguel F. Gouveia)

O encontro de artistas e intelectuais no Rio foi muito concorrido. Presentes muitos atores globais e políticos de vários partidos, além de uma plateia super lotada, transbordando para fora do teatro onde havia um telão com o que acontecia lá dentro.
A entrada foi organizada, com o tradicional "meu nome está na lista, procura aí". Curioso foi assistir do outro lado da rua meia dúzia de gatos pingados como uma faixa pedindo intervenção militar, cadeia para Lula e enaltecendo a candidatura do antes honesto (agora o menos corrupto) Bolsonaro. Tinha umas 10 pessoas doidas para arrumar confusão, mas a PM se colocou na frente e, melhor ainda, foram ignorados e deixados aos seus grunhidos. Conseguiram ser hilários, rimos muito.
A notar, sentado meio que camuflado na plateia, bem na frente, o ilustre chefe de redação de O GLOBO, Ascânio Seleme, anotando tudo. Curioso porque o evento era para convidados previamente cadastrados. Os demais vão de Celso Amorin à Beth Carvalho, passanado por Gregorio Duvivier, Silvio Tendler, Chico Dias, Osmar Prado, Guilherme Boulus, Gleise Hoffman e muitos outros.
Todos os discursos foram interessantes, uns mais do que outros, mas o discurso (de improviso) que incendiou o local foi o de Lula mesmo. Gostem ou não, eis um sujeito que tem o dom da fala fácil, de rápida compreensão e entonação irreprensível, tocando em assuntos complexos de forma que todos entendessem rapidamente. Precisavam ver a cara de Ascânio Seleme quando ouviu a promessa de regulamentação dos meios de comunicação.
Números, dados e fatos colocam Lula como o presidente mais eficiente do Brasil. Não é uma questão de ideologia. É uma questão numérica, de fácil constatação. E isso veio do improvável para a elite brasileira: de um nordestino, metalúrgico, com um curso primário e não precisou nem de 10 dedos para fazer tanto. Compare com qualquer outro presidente antes dele. Ganha da injustiçada Dilma, de lavada do catedrático FHC, do "escritor" Sarney, de Itamar Franco (talvez o melhor logo após), e do ricaço Collor.
Você pode discordar, ter antipatia, ou até acha-lo culpado de um monte de coisas e querer vê-lo na cadeia mesmo sem crime de fato. Mas, meus caros, não tem para ninguém competir com esse homem com um microfone na mão. O cara é simplesmente foda - não tem outro termo.
A quadrilha que golpeou o país está numa sinuca de bico. Se o já comprovado corrupto, parcial e seletivo judiciário o deixa solto, ganha a eleição em 2018 - e no primeiro turno. Se esses desavergonhados justiceiros o predem, tem como transferir um terço do eleitorado para quem quiser. É uma encruzilhada muito complicada, pois vi uma plateia com sangue nos olhos.
Aguardemos a próxima etapa. Seja qual for o resultado da 2a instância, a jurupoca vai piar. E bem alto.
Fica a dica.
Por Miguel F. Gouveia.

A Dama de Ferro da Alba.


Ao ser eleito como o novo presidente da ALBA – Assembleia Legislativa da Bahia, Ângelo Coronel interrompia um ciclo de cinco mandatos consecutivos do Deputado estadual Marcelo Nilo. Essa façanha ocorreu no início de 2017 e ele teve o apoio, tanto da oposição como da situação, sendo assim o candidato único.

Durante as articulações que o levaram a presidência da assembleia, Ângelo Coronel prometeu dar mais poder aos deputados estaduais.

Já eleito, o novo presidente tratou de “empossar” a sua esposa, Eleusa Coronel como a “resolve tudo” na casa legislativa. Dizem alguns deputados que, o marido é o presidente, mas quem manda mesmo é a esposa dele. Pois é comum irem ao gabinete do presidente e serem mandados, por ele, a procurar a Dama de Ferro da ALBA que tem até uma sala a sua disposição para atender, despachar e resolver tudo aquilo que achar pertinente.

Em setembro do ano passado, Eleusa recebeu da assembleia legislativa a comenda 2 de julho, a mais alta condecoração da Assembleia Legislativa da Bahia. Essa horária é dada as pessoas que tiveram e tem destaque na sociedade baiana. Médicos, artistas e políticos já foram agraciados com este título. Essa foi a primeira vez que se tem notícias que alguém recebeu o título por ser esposa de um parlamentar.

É de Eleusa a ideia do Instituto Assembleia de Carinho que se propõe a ser um trabalho em prol do voluntariado, da solidariedade e da humanização da política baiana e tem como lema “cuidar das pessoas é o nosso maior projeto”. Seu esposo, usou a tribuna da casa no dia do lançamento do programa tocado por ela e disse que, “humaniza a Assembleia, pois aqui não é apenas um local para se votar leis e todos os 63 deputados estão imbuídos em trabalhar pela melhoria das condições de vida dos baianos”. Para divulgar o trabalho foram colocados nas principais cidades do estado outdoor anunciando o programa.

Um deputado disse uma coisa interessante quanto ao trabalho desenvolvido pela esposa do presidente, “é ela quem resolve tudo lá”. E acrescentou que entre o funcionalismo da assembleia, tanto ela, que manda, e ele que manda ela mandar, o clima é de amor e carinho. Para eles, a aprovação, no ano passado, do novo Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos Básicos era o que esperavam a muito tempo. Eles também receberam um “generoso” aumento salarial. Com esses mimos, é clara a satisfação. Atualmente o clima nos corredores e gabinetes da assembleia é de muita paz e nem os deputados estão dispostos quebrar isto. O gabinete da Eleusa é o confessionário onde até eles devem passar se quiserem que seus pleitos sejam aceitos.

Foto: Paulo Victor Nadal do Bahia Notícias.

Produtores de Coronel João Sá recebem 50 mil peixes.

Os produtores rurais de Coronel João Sá (a 415 km de Salvador) contarão com mais comida na mesa e oportunidades de renda a partir desta quinta-feira, 18. Eles serão beneficiados com a doação de 50 mil alevinos (peixes jovens). A ação será realizada pela Bahia Pesca (empresa vinculada à Secretaria de Agricultura). Os peixes serão utilizados para o repovoamento da Barragem do Gasparino.

Logo após o peixamento, às 11h, a Bahia Pesca realizará um cadastramento dos produtores da região que desejam receber a DAP (Declaração de Aptidão ao Pronaf). O cadastramento – que registra a situação social e econômica desses profissionais e encaminha-os para programas sociais e de crédito dos governos federal e estadual – acontece no Grupo Escolar de Gasparino, no povoado de mesmo nome.

A DAP é indispensável para acesso a políticas públicas como o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), o Programa de Aquisição de Alimentos e o de Habitação Popular.
“O repovoamento terá impacto bastante positivo na vida da comunidade que vive às margens da Barragem. Em alguns meses será possível realizar a despesca desses animais já crescidos, que servirão como fonte de alimento e renda para centenas de famílias”, explica o presidente da Bahia Pesca, Dernival Oliveira Júnior.

Confira quatro dicas para vender seu carro.

A apresentação do carro é tudo. Dificilmente os possíveis compradores irão se interessar por um veículo que esteja sujo, em péssimo estado de conservação e apresentando problemas mecânicos. Portanto, para começar a pensar em vender seu carro, é importante ter em mente quem são seus potenciais clientes.

Os carros que mais chamam a atenção são aqueles que tem baixa quilometragem, a parte interna do veículo deve estar impecável, e os pneus e lataria em bom estado de conservação e utilização. Não importa o meio que esteja buscando para vender seu carro, o que importa é que o produto seja bem apresentado.


Como anunciar um carro para vender

São diversos os sites que promovem a compra e venda de veículos. O Chaves na Mão é um buscador de carros com qualidade, garantia e preço atrativo do mercado. Mas, e para fazer um anúncio no site, o que devo levar em consideração? O preço e a qualidade do produto são os primeiros quesitos analisados pelo futuro comprador. Como o número de carros usados para vender é cada vez maior, saber valorizar os pontos fortes do seu veículo é uma boa forma de atrair os clientes. Fotos que mostrem o carro brilhando, em perfeito estado e bem conservado vão atrair cliques no site. Estar com as revisões em dia e os pneus cuidados e alinhados também são fatores fortes.
Anunciar seu carro nos sites na internet é a ferramenta mais fácil e prática de vender seu veículo. Mas cuidado com a agilidade, os consumidores buscam por respostas rápidas, fotos relevantes do veículo à venda, seja carros ou motos usadas para venda, o cliente quer o maior número de detalhes para prosseguir com a possibilidade de compra.


Quais anúncios chamam mais a atenção dos compradores

Os anúncios que possuem fotos e as informações completas do veículo são os que chamam mais a atenção dos compradores. Uma pesquisa dos valores dos carros similares ao seu que estão anunciadas no site mostram a média de preço que o cliente busca. Valores muito acima do que está sendo praticado no mercado podem também diminuir a aceitação do cliente para o anúncio do seu veículo.

Aqueles anúncios em que o vendedor estabelece um contato rápido com o cliente chamam mais a atenção. Toda proposta recebida de um possível comprador deve ser respondida em até duas horas, isto manterá o cliente mais interessado no negócio. O anúncio deve conter de quatro a sete fotos, lembrando que elas devem mostrar a parte interna e externa do veículo, e valorizar locais iluminados, mostrar perfil dianteiro e traseiro, além de fotos do motor.

Se a opção de venda for buscar por uma loja ou os feirões de carros usados, é importante que o veículo esteja sempre bem limpo, que a lataria esteja brilhante, que os documentos, manual do automóvel e os certificados de revisões estejam sempre à disposição para que o comprador possa consultar e se identificar com o veículo.
Se for anunciar motos usadas para vender, levar em consideração as mesmas informações que devem ser repassadas na venda de um carro. As fotos devem mostrar pneus, painéis e as condições do banco da moto, que são os detalhes que mais chamam a atenção do cliente. O ano da moto e o preço que está sendo vendido são fatores que contribuem para a venda do veículo.


Como chamar a atenção para o anúncio de venda do carro

Para anunciar na internet o vendedor deve levar em consideração alguns fatores estruturais dos sites de anúncios. Para alcançar o objetivo da venda, o anunciante deve resumir as qualidades e diferenciais do carro em um texto que varia de 100 a 150 caracteres. As informações devem ser verdadeiras para não causar frustrações no cliente que ainda vai visitar o carro antes de fechar o veículo.

O que não pode faltar neste texto são as informações relativas a quilometragem, revisões e danos que o veículo possa apresentar. Se o carro foi utilizado mais na cidade ou na estrada, isso também influencia para o comprador, que tem um objetivo que você não conhece na hora de anunciar, então pode ser um ponto a favor já responder as perguntas principais do cliente.

Uma dica valiosa para quem está pensando em anunciar um veículo na internet é não usar frases como “oportunidade única”, “imperdível” ou “ótima compra”. Estas frases de efeito normalmente deixam o cliente desconfiado da procedência e da qualidade do veículo. Uma tentativa de marketing pode pesar contra o anúncio e diminuir os cliques dos possíveis clientes.

O preço de venda do carro é também um fator motivador do clique do futuro cliente. Um carro com o preço justo em relação ao ano de fabricação e os opcionais tende a chamar mais a atenção dos compradores. O preço padrão sempre está relacionado a tabela Fipe do valor do carro, que faz uma relação entre a depreciação do modelo e ano do veículo. A venda direta, sem intermédio de lojistas, acaba gerando ganhos para o comprador e o vendedor.


A internet é uma grande aliada para vender veículos

Todo processo de venda de um veículo deve ser encarado com muita seriedade e dedicação, seja ele nas lojas, ou através da publicação de anúncios em sites na internet. Passar informações corretas e completas para os clientes é muito importante para fechar o negócio pessoalmente fora do ambiente virtual.

A internet se tornou uma grande aliada pela praticidade e rapidez. As informações do veículo juntamente com as fotos que valorizam o produto atraem o cliente, que busca o contato e pode fechar a venda rapidamente, partindo para parte burocrática de pagamento e cartório. As vendas realizadas através de sites de anúncios como o Chaves na Mão costumam acontecer em até nove dias, dependendo da qualidade da publicação do vendedor.

A partir do momento que o cliente decide comprar um carro, o primeiro mecanismo de busca utilizado é a internet. Seja para pesquisar modelos e marcas, pesquisar preços e até mesmo a opinião dos outros clientes, o comprador sempre utiliza dos sites da internet. Bons anúncios tendem a se refletir em boas vendas com o apoio e agilidade da internet.

Tá na internet: Lição do Rato.

Vai mudar o modo de pensar de muita gente!

Um rato, olhando pelo buraco na parede,  vê o fazendeiro e sua  esposa  abrindo um pacote.

Pensou logo no tipo de comida que haveria ali.

Ao descobrir que era ratoeira ficou aterrorizado .

Correu ao pátio da fazenda advertindo a todos:

- Há ratoeira na casa, ratoeira na casa !!

A galinha:

- Desculpe-me Sr. Rato, eu entendo que isso seja um grande problema para o senhor, mas não me prejudica em nada, não me incomoda.

O rato foi até o porco e:
 
- Há ratoeira na casa, ratoeira !

- Desculpe-me Sr. Rato, mas não há nada que eu possa fazer, a não ser orar. Fique tranqüilo que o Sr. será lembrado nas minhas orações.

O rato dirigiu-se à vaca  e:
 
- Há ratoeira na casa,

- O que ? Ratoeira ? Por acaso estou em perigo? Acho que não!

Então o rato voltou para casa abatido, para encarar a ratoeira.
 
Naquela noite, ouviu-se um barulho, como o da ratoeira pegando sua vítima.. A mulher do fazendeiro correu para ver o que havia pego. No escuro, ela não percebeu que a ratoeira havia pego a cauda de uma cobra venenosa . E a cobra picou a mulher...
 
O fazendeiro a levou imediatamente ao hospital.
 
Ela voltou com febre.

Todo mundo sabe que para alimentar alguém com febre, nada melhor que uma canja de galinha.
O fazendeiro pegou seu cutelo e foi providenciar o ingrediente principal.
 
Como a doença da mulher continuava, os amigos e vizinhos  vieram visitá-la.
 
Para alimentá-los, o fazendeiro matou o porco.

A mulher não melhorou e acabou morrendo.
 
Muita gente veio para o funeral. O fazendeiro então sacrificou a vaca, para alimentar todo aquele povo. 

Moral da História:

Da próxima vez que você ouvir dizer que você não será atingido pela Reforma da Previdência, e acreditar que ela não lhe diz respeito, lembre que quando há uma ratoeira na casa, toda fazenda corre risco.


Para pensar:

Qual escola privada contratará um professor de 70 anos? 

Qual empresa de ônibus contratará um motorista de 65 anos? 

Qual empreiteira contratará um pedreiro de 60 anos? 

As pessoas vão adoecer, serão demitidas e não conseguirão mais emprego, portanto, nunca se aposentarão... E ficarão desempregadas. Os mais afetados serão os trabalhadores da rede privada. Então, parem de dizer que os servidores públicos estão fazendo barulho porque não querem perder privilégios... Apenas, se unam para derrotar um inimigo muito maior.

Não sou só eu. É você, seu filho, seu neto, seu vizinho, seu amigo, seu inimigo. Somos todos os que estão sendo roubados pelos governantes que se sucedem no país!!!!

Para uma teoria do golpe. (Por Roberto Amaral)

Com o objetivo de entender melhor o conceito, é necessário desfazer a relação siamesa entre ditadura, militar ou não, e golpe de Estado.

Para entendermos o conceito de golpe de Estado, convém o apartar do sentido consagrado entre nós de golpe militar, título daquelas intervenções até recentemente corriqueiras na América Latina e que sempre terminavam fechando parlamentos, rasgando constituições e exilando a democracia. Presentemente, a classe dominante vale-se da legislação que ela mesmo produziu, e muda as leis para adequá-las aos objetivos do golpe, assim como o Judiciário, a seu serviço, muda a interpretação das leis e dita sentenças e acórdãos convenientes.

Ainda para precisar o conceito é necessário desfazer a relação siamesa entre ditadura, militar ou não, e golpe de Estado. Nem a ditadura é o segundo momento do golpe, nem toda ditadura é, por definição, militar. A ciência política registra, dentre outras muitas acepções, a “ditadura parlamentar”. No Brasil, cogita-se usar o termo “ditadura da toga”, por razões conhecidas.

Os conceitos de ditadura, portanto, são muitos e variados e não é conhecida a hipótese de ditadura pura, pois quase sempre nela se associam os poderes econômico e político, partidos, parlamento e Judiciário.  Nossa última, é por vezes chamada “ditadura civil-militar”…

Operados na sede do poder e pela coalizão que detém sua hegemonia, os golpes de Estado constituem sempre um ato de força, mas não necessariamente pela violência física. Podem decorrer de rupturas constitucionais ou legais, como podem ser ditados mediante aparente respeito à ordem jurídico-legal, levados a cabo tanto pelo Poder Executivo quanto pelo Parlamento ou pelo Judiciário, isoladamente ou em associação, que é a última experiência brasileira.

O que pode haver de pacífico em relação ao conceito de golpe de Estado é sua definição como ruptura, dentro ou não da legalidade, de cima para baixo, de uma ordem política, como, com largueza de exemplos, ilustra nossa História.

O levante civil-militar que levou Getúlio Vargas ao suicídio foi um golpe militar, definido pela sublevação das Forças Armadas, mas que não infringiu a ordem constitucional, como a série golpe-contragolpe de 1955 e a emenda parlamentarista de 1961, feita para minar os poderes do presidente João Goulart.

Já o golpe de 1964 se fez com todas as características consagradas pelo modelo clássico, a saber, intervenção militar e revogação da ordem constitucional, supressão da democracia representativa e repressão dos adversários.

Segundo a forma de irrupção, o sucesso dos golpes muito depende da surpresa e da rapidez com que são executados e consolidados. Nesta categoria, temos o golpe de 1937. O golpe de 2016, por sua vez, foi costurado por mais de um ano e em céu aberto e sua implantação permanece inconclusa.

O golpe em curso, planejado e executado por uma articulação que compreende setores da alta burocracia estatal (Polícia Federal, Ministério Público), o monopólio político-ideológico da mídia e o poder econômico (destacadamente o capital financeiro nacional e internacional). Foi operado no Congresso, articulado com o Palácio do Jaburu e o Poder Judiciário. A deposição da presidente Dilma Rousseff foi, à ausência de amparo legal para a justificativa, objetivamente um golpe de Estado que se repete quando os novos dirigentes adotam um programa de governo política e economicamente em conflito com o pronunciamento da soberania popular, e a vontade expressa da maioria.

Uma das características do golpe de Estado é sua autonomia em face do movimento social (e neste ponto a reflexão olha para a História brasileira), por uma razão evidente: só pode dar golpe quem dispõe de presença no poder como delegado da classe dominante. Esse golpe ignora o movimento social, mas em face dele não assume postura de indiferença.

Assim, antes de responder a um apelo histórico, o golpe se dá contra o movimento social, e por regra contra o processo histórico, interrompendo-o ou tentando alterar seu curso. Na América Latinam, trata-se de expediente corriqueiro levado a cabo para ‘corrigir’ o pronunciamento eleitoral (Brasil, 1955, tentativa de impedir a posse de Juscelino Kubitscheck e João Goulart), ou pré-condicioná-lo, hipótese da presente tentativa de inviabilizar a candidatura de Lula nas eleições de 2018.

Por que, então, a classe dominante, que exerce o monopólio do poder, lança mão desse expediente? O golpe, pela sua rapidez em produzir efeitos e capacidade de construir pontes sobre empecilhos políticos ou jurídicos, é a forma mais efetiva e rápida de defesa de seus privilégios. A hegemonia da classe dominante depende da acomodação de interesses do bloco no poder, acomodação que pode compreender conflitos em questões não essenciais, como, por exemplo, a democracia e o processo social.

O poder é uma aglutinação de forças econômicas que se acomodam para usufruí-lo, embora possa haver disputas entre as diversas facções. Cada segmento procura pôr na liça, como prioridade, seus privilégios, que precisam ser mantidos ou ampliados, segundo as circunstâncias.

A questão crucial é que todo Estado é de classes, e a construção do poder e seu controle refletem o nível da luta de classes que depende, ainda hoje, do nível de organização dos trabalhadores. Se às forças trabalhistas não é ensejado o golpe de Estado, abre-se para elas, porém, o largo espaço da irrupção social.

O bloco no poder, sempre monolítico na sustentação dos interesses de classe, muitas vezes sem ter sua hegemonia ameaçada, pode conviver com disputas internas em torno de questões adjetivas. Exemplar é a chamada ‘crise de novembro de 1955’, quando as Forças Armadas, fortemente partidarizadas, se dividiram em face das eleições presidenciais, pondo em rota de colisão setores golpistas (aqueles que dentro do governo vetavam a posse de Juscelino Kubitscheck e João Goulart), e as forças legalistas, que defendiam a posse dos eleitos.

Nesses termos se agrupavam, sem considerar os interesses de classe, visões de sociedade e de País, sem considerar os minados campos de esquerda e direita, embora toda a esquerda brasileira militasse na defesa da legalidade, bandeira que dava sombra a comunistas, petebistas, progressistas de um modo geral, o ministro da Guerra e lideranças conservadoras como Sobral Pinto, advogado e líder católico.

Nossa História registra duas tentativas de golpe por forças minoritárias, as quais, por isso mesmo, foram facilmente esmagadas pelo poder dominante: a intentona integralista de 1938 e a tentativa de tomada de poder pelos comunistas de Prestes, com o levante de 1935. Mas essas intervenções mais se coadunam como um subgrupo de golpe de Estado que a literatura classifica como ‘assalto ao poder’ ou putsch.

O golpe de Estado também pode ser motivado pela necessidade de o bloco no poder, como procurador ou despachante da classe dominante, ampliar seus espaços. Esse modelo é ilustrado pelo golpe varguista de 1937 e pela frustrada tentativa de golpe do ex-presidente Jânio Quadros em busca de mais poder ou poder absoluto (1961), quando, novamente, o bloco no poder se dividiu, gerando a crise que se concluiu na posse de João Goulart e a concordata de que resultou o golpe do parlamentarismo, assegurando a posse do vice após retirar-lhe os poderes conferidos pelo presidencialismo, sob cujo regime se elegera.

O leitmotiv mais frequente dos golpes de Estado, que não afetam o caráter do poder, é a reação da classe dominante a qualquer movimento que lhe pareça ameaça de alteração na composição do poder, como, por exemplo, a emergência ‘dos de baixo’ arguindo o direito de presença na coalizão governante.

Em outras palavras, a gênese da disputa, variando caso a caso sua aparência, jamais comporta pôr em risco os interesses da classe dominante, pois essa permanece unificada na defesa de seus privilégios contra as reivindicações das forças populares. Na verdade, as duas ações, caminhando em sentido contrário uma da outra, fortalecem os interesses instalados, a agressividade da direita devendo contribuir para a reorganização das forças sociais progressistas.

O golpe de 2016 tem sua explicação na recusa, por setores majoritários da classe dominante, da continuidade da coabitação no governo de centro-esquerda inaugurado com Lula em 2003. Tal recusa desfaz, mais uma vez, a ilusão da conciliação de classe, velha ideologia disseminada anacronicamente pelo Partido Comunista desde que elegeu como prioridade de sua estratégia a luta contra o imperialismo, em evidente prejuízo da luta interna que forçosamente radicalizaria a luta de classes.

O golpe iniciado em 2016 é a retomada do poder pleno pela direita (agrária, industrial, financeira), em um momento em que a reedição do pacto lulista se mostrava inviável, como inviável seria a continuidade das reformas democratizantes sem a companhia de um programa de forte redistribuição de renda, vetado pela Casa Grande.

O golpe pode ser visto, igualmente, como uma vacina de duplo efeito, primeiro inviabilizando a continuidade das reformas do governo de centro-esquerda, assegurando o caráter duradouro das reformas conservadoras implantadas pelos golpistas a toque de caixa. Tendo de haver eleições, seria preciso tomar aquelas providências necessárias para impedir o retorno, pelo voto, dos segmentos apeados do poder no impeachment. É dessa operação que cuidará o julgamento/espetáculo previsto no dia 24.

Roberto Amaral - escritor e ex-ministro de Ciência e Tecnologia.

17.1.18

Criado o comitê em defesa da democracia e de Lula em Paulo Afonso na Bahia.

Ontem, 16, se reuniram na sede do SINERGIA – Sindicato dos Eletricitários do Estado da Bahia, na cidade de Paulo Afonso diversas entidades civis. Durante o encontro foi lançado o Comitê Popular em Defesa da Democracia e pelo direito de Lula ser candidato em 2018.
A adesão a causa mostra a importância que as entidades estão dando para a atual situação em que o Brasil se encontra. A defesa da democracia e a garantia de que Luiz Inácio Lula da Silva tenha um julgamento justo e que seja garantida a sua candidatura a Presidente este ano é fundamental para que o país retome o caminho de onde nunca deferia ter saído, a Democracia.

Defender o retorno à Democracia é defender que qualquer cidadão não possa ser excluído do pleito eleitoral sob qualquer pretexto criado em gabinetes de juízes e procuradores que estão dissociados da realidade brasileira. A justiça deve ser pautada pelas leis vigentes no país. Ela não pode ser mudada para beneficiar ou prejudicar pessoas. Por isso, a criação do Comitê cumpre o papel de defender o estado de direito de todos os cidadãos.


No encontro estiveram presentes as entidades SINERGIA, Carlos Roberto dos Santos, PT – Partido dos Trabalhadores, Sergio Ricardo Lima Bezerra, MST – Movimento dos Trabalhadores Sem Terras, Reinam Manoel da Cruz, SINTRAF - Sindicato Regional dos Trabalhadores na Agricultura Familiar, Ademar Fagundes, APLB - Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia, Humberto Alves Júnior, Aghenda - Assessoria e Gestão em Estudos da Natureza, Desenvolvimento Humano e Agroecologia, Maciel Silva, SINDPEC - Sindicato dos Empregados em Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado da Bahia, Cícero Bezerra, Movimentos Populares, Eleno dos Santos Ferreira, Comerciários, Adalto Alves, Sindicato dos Vigilantes, Moises de Jesus, Índios da Tribo Traka Tupã e índios da Tribo Xocó.- 

Segundo dia de matrícula atende estudantes oriundos das redes municipais.

A matrícula da rede estadual segue nesta quarta-feira (17) para estudantes concluintes das séries iniciais e finais do Ensino Fundamental, regularmente matriculados nas redes públicas municipais, no ano letivo de 2017, cujas escolas não oferecem a série subseqüente. Os interessados podem realizar o processo de matrícula em qualquer escola da rede estadual até às 20h, não sendo necessariamente a escola onde pretende estudar. Para o aluno que estudou em escolas municipais de Salvador ou dos 29 municípios do interior credenciados (ver lista abaixo), a matrícula também pode ser realizada pela internet no endereço. O processo de matrícula para os estudantes oriundos das redes municipais continua nesta quinta-feira (18).

Matrícula 2018 – No primeiro dia de matrícula, que atendeu estudantes para transferência de unidades escolares foram registradas mais de 24.500 matrículas em todo o estado. Somado ao número de renovações, realizadas no mês de novembro, a rede estadual de ensino possui, até o momento, mais de 606.700 estudantes matriculados para o ano letivo de 2018.  

O secretário da Educação do Estado, Walter Pinheiro, ressalta as novidades para o ano letivo de 2018 para o ensino regular e suas modalidades. “Estamos também trabalhando a matrícula da Educação Inclusiva, assim como outras modalidades. E, este ano, estamos introduzindo uma série de reformulações muito importantes para a educação. A entrada da Educação Profissional em várias de nossas escolas; oferta de cursos de curta duração; alteração na duração dos cursos técnicos de nível médio de quatro para três anos, aumentando a qualidade do ensino e oportunizando o acesso mais rápido ao mundo do trabalho”.

Pinheiro ainda enfatiza a ampliação do trabalho desenvolvido em 2017. “Vamos continuar a desenvolver novas práticas nas unidades, como artes, música e ciência, além da ampliação dos Centros Juvenis de Ciência e Cultura, (CJCC) em todo o Estado, e a implantação de mais Escolas Culturais, do projeto e-Nova Educação em parceria com o Google, promovendo aquilo que acreditamos ser uma educação integral, em que o estudante continua na escola com prazer e não por imposição”, ressalta. Outras parcerias estratégicas com as universidades públicas, institutos federais e o Sebrae, este com foco no empreendedorismo, também foram elencadas pelo secretário para o fortalecimento do programa Educar Para Transformar.

Os municípios do interior credenciados para realização da matrícula pela internet são: Barra, Barreiras, Barro Preto, Barrocas, Camaçari, Catu, Dias D´Ávila, Encruzilhada, Esplanada, Eunápolis, Feira de Santana, Gongogí, Ipirá, Irecê, Itaberaba, Itamaraju, Lamarão, Luiz Eduardo Magalhães, Macaúbas, Madre de Deus, Porto Seguro, Rio Real, Simões Filho, Jequié, Lauro de Freitas, Porto Seguro, Santa Maria da Vitória, Teixeira de Freitas e Vitória da Conquista.

- Cronograma da Matrícula 2018:

. 17 e 18 - Matrícula de concluintes das séries iniciais e finais do Ensino Fundamental para os estudantes regularmente matriculados nas redes públicas municipais, no ano letivo de 2017, cujas escolas não oferecem a série subsequente;

. 19 - Matrícula dos estudantes novos do Ensino Fundamental e suas modalidades (cursos de qualificação tecnológica; Jovens e Adultos - EJA; Inclusiva e Indígena);

. 22 e 23 - Matrícula dos estudantes do Ensino Médio e suas modalidades (Profissional e Tecnológica; Jovens e Adultos - EJA; Inclusiva e Indígena);

. 25, 26 e 29 - Confirmação de matrícula do público alvo da Educação Inclusiva que realizou a pré-matrícula em novembro de 2017.

Documentos: Original do Histórico Escolar ou Atestado de Escolaridade, firmado pela direção da unidade escolar (deve ser substituído pelo Histórico Escolar em até 30 dias); original e cópia da Carteira de Identidade (RG) ou Certidão de Registro Civil; original e cópia do CPF; original e cópia legível com data recente do comprovante de residência (água, luz, telefone fixo ou móvel, gás encanado, Internet, contrato de aluguel, IPTU, dentre outros); e o código do SETPS (que consta no Salvador Card) para as escolas do município de Salvador.

Matrícula pela internet no endereço aqui.

- Para estudantes da rede estadual;
- Para estudantes das redes municipais de Salvador e mais 29 cidades do interior credenciada

Foto: Suâmi Dias.

ASSINE: Manifesto Eleição sem Lula é fraude.

A tentativa de marcar em tempo recorde para o dia 24 de janeiro a data do julgamento em segunda instância do processo de Lula nada tem de legalidade. Trata-se de um puro ato de perseguição da liderança política mais popular do país. O recurso de recorrer ao expediente espúrio de intervir no processo eleitoral sucede porque o golpe do Impeachment de Dilma não gerou um regime político de estabilidade conservadora por longos anos.
O plano estratégico em curso, depois de afastar Dilma da Presidência da República, retira os direitos dos trabalhadores, ameaça a previdência pública, privatiza a Petrobras, a Eletrobras e os bancos públicos, além de abandonar a política externa ativa e altiva.
A reforma trabalhista e o teto de gastos não atraíram os investimentos externos prometidos, que poderiam sustentar a campanha em 2018 de um governo alinhado ao neoliberalismo. Diante da impopularidade, esses setores não conseguiram construir, até o momento, uma candidatura viável à presidência.
Lula cresce nas pesquisas em todos os cenários de primeiro e segundo turno e até pode ganhar em primeiro turno. O cenário de vitória consagradora de Lula significaria o fracasso do golpe, possibilitaria a abertura de um novo ciclo político.
Por isso, a trama de impedir a candidatura do Lula vale tudo: condenação no tribunal de Porto Alegre, instituição do semiparlamentarismo e até adiar as eleições. Nenhuma das ações elencadas está fora de cogitação. Compõem o arsenal de maldades de forças políticas que não prezam a democracia.
Uma perseguição totalmente política, que só será derrotada no terreno da política. Mais que um problema tático ou eleitoral, vitória ou derrota nessa luta terá consequências estratégicas e de longo prazo.
O Brasil vive um momento de encruzilhada: ou restauramos os direitos sociais e o Estado Democrático de Direito ou seremos derrotados e assistiremos a definitiva implantação de uma sociedade de capitalismo sem regulações, baseada na superexploração dos trabalhadores. Este tipo de sociedade requer um Estado dotado de instrumentos de Exceção para reprimir as universidades, os intelectuais, os trabalhadores, as mulheres, a juventude, os pobres, os negros. Enfim, todos os explorados e oprimidos que se levantarem contra o novo sistema.
Assim, a questão da perseguição a Lula não diz respeito somente ao PT e à esquerda, mas a todos os cidadãos brasileiros. Como nunca antes em nossa geração de lutadores, o que se encontra em jogo é o futuro da democracia.

Roberto Amaral - escritor e ex-ministro de Ciência e Tecnologia.

Produtores rurais de Ibirataia recebem 70 mil tilápias.

Os produtores rurais do município de Ibirataia (a 347 km de Salvador) contarão com mais oportunidade de renda a partir dessa quarta-feira (17). Eles serão beneficiados com a doação de 70 mil alevinos (peixes jovens) de tilápias. Os peixes serão entregues às 10h, no escritório da empresa em Ibirataia (Praça Sete de Setembro, nº 6).
Cerca de 70 famílias de pequenos produtores da zona rural do município, que recebem assistência técnica da Bahia Pesca, serão beneficiadas com a ação. Após a entrega dos alevinos, técnicos da Bahia Pesca orientarão os piscicultores sobre as melhores técnicas para aumentar a produtividade de seus projetos de piscicultura, a exemplo de técnicas de engorda e medição da qualidade da água.
“São famílias de pequenos produtores que já têm a capacidade técnica para criar os peixes, mas que não tinham recursos suficientes para obter os alevinos. Agora, com a doação, eles podem dar início aos seus processos produtivos e aumentar sua renda ou garantir comida na mesa”, explica o presidente da Bahia Pesca, Dernival Oliveira Júnior.

IV Festival de Teatro da Caatinga recebe grupos do Brasil, Bélgica e Espanha

Com entrada gratuita, o evento contará com a apresentação de grupos de Salvador, Jacobina, Vitória da Conquista, Irecê, Ilhéus e Natal

O IV Festival de Teatro da Caatinga, apoiado pela Fundação Cultural do estado da Bahia (Funceb/SecultBA) acontece entre os dias 19 e 27 de janeiro no município de Irecê, que fica a 480 km de Salvador. O evento será realizado no Auditório do Colégio Modelo (Centro) e no Cine Teatro Praça Céu. Nesta edição participarão artistas e grupos de teatro de outros estados do Brasil e até de outros países como Espanha e Bélgica.

Com entrada gratuita, o evento contará com a apresentação de grupos de Salvador, Jacobina, Vitória da Conquista, Irecê, Ilhéus e Natal com as montagens selecionadas para estes nove dias de festival. Entre os espetáculos estão O Sertão é o Mundo, Cyrculando, Teodorico Majestade, O Outro Lado de Todas as Coisas, Os Javalis, entre outros.

O diretor artístico do Festival e curador da Mostra, Paulo Atto, ressalta o desafio da curadoria durante o processo de seleção das montagens, após análise das 50 propostas inscritas: “diante da qualidade dos espetáculos e da diversidade de propostas cênicas, sejam nos temas abordados e linguagens adotadas, nosso trabalho precisou ser bastante cuidadoso e minucioso”.

Sobre os temas abordados nas propostas apresentadas, Paulo complementou: “muitos dos espetáculos propostos apresentaram uma temática ligada à realidade do sertão, suas tradições e seu imaginário, exibindo falares, prosa poética e imagens sertanejas, fato que agrega valor ao nosso evento”, finaliza.

Edital - O IV Festival de Teatro da Caatinga que agita a cena artística do semiárido baiano foi o premiado no edital de 2016 - Setorial de Teatro da Funceb e está sendo realizado em parceria e apoio do Fundo de Cultura, Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) e Secretaria da Fazenda do Governo do Estado da Bahia.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. Para mais informações, acesse aqui.

Programação:

Sexta (19) às 19:30h Cyrculando, com a artista Pauline Zoe, da Bélgica
Sexta (19) às 20h O Sertão é o Mundo, com Oficina de atores, de Irecê
Sábado (20) às 20h Teodorico Majestade, com o Teatro Popular de Ilhéus
Domingo (21) às 19h Sobejo, da Outra Cia de Teatro de salvador; onde: Cine-Teatro Praça Céu
Segunda (22) às 20h Mós ai Quê, do Grupo Finos Trapos de Vitória da Conquista
Terça (23) às 20h Yabás, Companhia Sarau das Seis de Jacobina; onde: Cine –Teatro praça Céu
Quarta (24) às 20h La Novia del Viento, com Companhia Abrego Teatro, da Espanha
Quinta (25) às 20h O Outro Lado de Todas as Coisas, do Atelier Voador
Sexta (26) às 20h Os Javalis, do Grupo Teatro Nu

Sábado (27) às 19h Dubididum Taratatá, do Comboio de Teatro, do Rio Grande do Norte