24.5.18

Secretaria da Educação do Estado realiza formação de professores para atendimento escolar hospitalar e domiciliar

Claudionor Junior

A Secretaria da Educação do Estado da Bahia está realizando a formação  continuada em Classe Hospitalar/ Atendimento Domiciliar, com 40 educadores da Educação Inclusiva. A formação é voltada para que estes profissionais atuem no serviço de atendimento escolar aos estudantes gravemente enfermos que precisam estudar em casa ou na classe hospitalar. O segundo módulo do curso (serão três no total) está sendo realizado até esta sexta-feira (25), no Instituto dos Cegos da Bahia, em Salvador.

Nesta etapa, a formação envolve as disciplinas Surdez (formadores da Associação Educacional Sons no Silêncio - AESOS), Deficiência Visual (formadores do Instituto de Cegos da Bahia), Deficiência Intelectual (com a professora Sidenise Estrelado, do Centro de Educação Especial da Bahia - CEEBA), Autismo (com o professor de História da rede estadual e psicólogo, Sílvio Cabral). Além disso, o curso envolve uma oficina das crianças da AESOS. Professores de outras cidades, como Feira de Santana, Ilhéus, Itabuna, Vitória da Conquista e Santo Antônio de Jesus, também receberão a formação.

A psicopedagoga e especialista em Classe Hospitalar, da Secretaria da Educação do Estado, Veruska Poltronier, afirma que a formação tem o objetivo de abordar a classe hospitalar no seu aspecto legal e do ponto de vista epistemológico. “Com esta formação, o professor saberá como ministrar uma aula aos alunos com deficiências que estejam internados. Nossa intenção, portanto, é que os professores que atuam na área da Educação Inclusiva se sensibilizem com uma realidade que nos traz um número alto – cerca de seis mil – de jovens com patologias crônicas, como oncologia, nefrologia e cardiopatia, entre outras”, afirmou.

A professora articuladora do Núcleo Territorial de Educação (NTE) 26, Adriana Silva, fala de sua expectativa em relação à formação e atuação nas classes hospitalares. “Ter contato com a Educação Inclusiva e buscar uma especialização na área é uma necessidade cada vez mais urgente, já que os alunos com deficiência estão sendo integrados às turmas regulares. É uma clientela nova e nós, educadores, temos que saber lidar com as suas especificidades”, considera.

O professor formador, Alex Sandrelanio, coordenador da Associação Educacional Sons no Silêncio, destaca a importância do curso na área da surdez. “Para que os professores possam atuar em classes hospitalares e nas domiciliares, trabalhamos os seguintes eixos: a história da educação do surdo no Brasil e no mundo e a dimensão político-jurídica da educação do surdo; os modelos educacionais para os estudantes surdos; o plano individual de atendimento educacional especializado em surdez; e aquisição da língua e da Libras como base educacional entre ouvintes e surdos. Importante que esse atendimento específico seja dado como determina as leis relacionadas”, ressaltou explica.

Sarahdo – Atualmente, são atendidos em domicílio cinco estudantes da rede estadual gravemente enfermos, para quem são garantidos escolaridade, atendimento educacional especializado e tratamento personalizado e humanizado, tanto para eles, como para seus familiares, em suas residências. O trabalho é realizado através do Sarahdo, lançado recetemete pela Secretaria da Educação do Estado. O objetivo do Sarahdo é que o atendimento seja realizado para além do domicílio, por isso a formação dos professores para a implantação da classe hospitalar.

Nenhum comentário: