4.3.15

“A VALSA DE NELSON RODRIGUES” ESTREIA NESTE SÁBADO, 07.

Ao completar nove anos de existência no Vale do São Francisco, a Trup Errante mergulha no universo do mais polêmico autor do Teatro Brasileiro, Nelson Rodrigues. Thom Galiano, diretor artístico da Trup, fala-nos sobre suas motivações para essa montagem:
“Esse é meu terceiro encontro com a Valsa nº 6, monólogo escrito por Nelson Rodrigues em 1951. Eis uma das vantagens do teatro: a possibilidade de recriar uma obra, sob novas perspectivas. Nos dois primeiros encontros estive imerso em processos pedagógicos, o primeiro foi no Núcleo de Teatro do SESC Petrolina/PE em 2008, onde trouxemos o texto e a cena compartilhada por 12 alunas/atrizes, em um delirante caos, somente possível em uma única apresentação. Apresentada apenas uma vez talvez por ter contrariado a vontade do autor:
‘Achei, sempre, que um dos problemas práticos do teatro é o do excesso de personagens. Entendo, no caso, por excesso, mais de uma. Pensei, por isso, há muito tempo, na possibilidade de tal simplificação e despojamento, que um espetáculo se concentrasse num único intérprete. Um intérprete múltiplo, síntese não só da parte humana como do próprio décor e dos outros valores da encenação. Uma pessoa individuada – substancialmente ela própria – e ao mesmo tempo uma cidade inteira, nos seus ambientes, sua feição psicológica e humana.’ (NELSON RODRIGUES, escritor da peça)
O segundo encontro foi no curso de direção teatral da Escola de Teatro da UFBA, ainda em 2008, durante a disciplina de montagem, que foi ministrada pelo Profº Paulo Cunha que já havia encenado o texto em (1988) Salvador/BA. Quem encarnou Sônia foi minha irmã, Naiara Maria, numa grande coincidência com o fato de que a peça foi escrita para a irmã de Nelson e estreada por ela, Dulce Rodrigues.
Nas duas experiências tive a certeza da impossibilidade de passar por Nelson incólume, talvez pela exigência de um mergulho no desagradável da vida para revelar o mais genuíno impulso humano – o amor.
Essa mística sobre o universo ‘rodrigu0065ano’ me leva a acreditar numa atração que seus textos e suas 17 peças exalam no público e nos artistas. Uma persistência ao desejo da investigação de suas palavras. Segundo o crítico de teatro Sábato Magaldi,
‘O primeiro mérito de Valsa n° 6 vem de Nelson ter criado um monólogo absolutamente teatral. Aboliram-se os métodos prosaicos e habituais da forma. O autor não se serviu de espetaculosidade ou complicações aleatórias para atingir o objetivo. Não importam a luz, o cenário, o tempo e o espaço. A peça repousa sobre a palavra, trabalhada dramaticamente. Resultou um poema dramático, em que a conclusão do monólogo é poesia. Superou-se o lado discursivo, racional e lógico, para se viajar no território da criação livre, do imponderável e da pureza.’ (SÁBATO MAGALDI, crítico de teatro)
Estamos agora, eu e Raphaela de Paula – uma das 12 alunas/atrizes do meu primeiro encontro –, debruçados sobre Sônia, sonhando com ela, com seus assombros e ecos que reverberam nos nossos dias. Qual o sentido dos ritos de passagem da menina à mulher em nossa sociedade pós-tudo?
‘A juventude, sobretudo na fronteira entre meninice e a adolescência, é de integral tragicidade. Nunca uma criatura é tão trágica como nessa fase de transição.’ (NELSON RODRIGUES, escritor da peça)
Raphaela, por sua vez, teve outros encontros com a obra ‘rodrigueana’: participou junto a outras alunas/atrizes de uma pesquisa no Programa de Iniciação Científica (PIBIC) na mesma Escola de Teatro da UFBA, sob a orientação da Profª Dr. Hebe Alves, que no ano 2001 também dirigiu uma montagem da Valsa n° 6, que ganhou a acunha de ‘Insônia’.
‘Com grande frescor e doce ingenuidade, Sônia escorre ora para menina, ora para a moça. Surge o pavor da loucura, típica entre os sintomas da transição. A revolta contra a operação das amígdalas, símbolo de um complexo de castração e terror da experiência sexual.’ (SÁBATO MAGALDI, crítico de teatro)
Logo depois, Raphaela encontrou outra menina de Nelson, a personagem Cecília da peça ‘Bonitinha Mas Ordinária’, na formatura do seu curso de interpretação teatral com direção de Luiz Marfuz.
Assim-assim, nós, da Trup Errante, fomos aos poucos sendo embebidos pela mística do universo ‘rodrigueano’. Em 2012, numa leitura dramatizada no Ciclo de Leituras de Mesa no SESC Petrolina, descobrimos o sabor e a comicidade do texto ‘Os Sete Gatinhos’. A ‘Valsa Nº6’ traz à tona questões delicadas, como a transição entre a infância e a fase adulta, onde uma menina reconstrói o seu próprio assassinato, questões essas que surpreenderam a crítica teatral, Dinah Silveira de Queiroz, que achou inacreditável que essa peça ‘não tivesse sido escrita por uma mulher’. Esse mergulho, no feminino e nas memórias, são temas recorrentes nas montagens da Trup Errante e, agora, em comemoração aos nossos nove anos de existência, marca um novo encontro com Nelson em ‘A Valsa de Nelson Rodrigues.’”

SERVIÇO
O que é? A Valsa de Nelson Rodrigues (TEATRO)
Onde acontece? Teatro Dona Amélia
Quando? Dias 07, 08, 14 e 15 de março (sábados e domingos), às 20 horas.
Quanto custa? Ingressos limitados, ao preço de R$20 inteira e R$10 meia entrada.

Racionamento de água, incompetência e o Arco Metropolitano.


O Brasil detém, sozinho, 16% do total das reservas de água doce do planeta. Possui em seu território o maior rio e o segundo maior aquífero subterrâneo do mundo. Além de apresentar índices recordes de chuva. Mesmo assim suas maiores cidades sofrem racionamento, pois o Brasil não usa nem 1% do seu potencial de água doce e as grandes metrópoles enfrentam colapso no abastecimento deste bem tão precioso.
A explicação é uma só: o mau gerenciamento dos recursos hídricos pelo poder público – em todas as esferas de atuação. Não há proteção das nascentes, que sofrem com o desmatamento, e nem dos reservatórios naturais. Os rios estão degradados; os índices de perda de água nas empresas são assustadores; há um desperdício muito grande por parte da população, e na agricultura, onde ocorre mais de 70% do consumo, ainda se utiliza tecnologias do século passado – tudo contribui para o desperdício de água e o consumo excessivo de energia.
Obviamente a mercantilização da água tem provocado situações surrealistas. As empresas de água vão muito bem do ponto de vista financeiro, todavia a população acaba sofrendo as consequências de políticas voltadas a satisfazer os interesses dos acionistas (geralmente minoritários nas companhias), ávidos por dividendos crescentes.
Vejamos o caso da Compesa – Companhia Pernambucana de Saneamento – que se ocupa com acesso à água e com o esgotamento sanitário em praticamente todos os municípios do Estado de Pernambuco.
Criada em 29 de julho de 1971, pela lei estadual no 6307, é uma empresa de economia mista de direito privado, vinculada ao Governo do Estado de Pernambuco por meio da Secretaria de Recursos Hídricos e Energéticos. Tem como acionista majoritário o próprio Governo do Estado, que detém pouco menos de 80% das ações da companhia.
O desempenho financeiro da Compesa é “cantado em verso e prosa” pelos seus gestores. Apresentando faturamento crescente nos últimos anos, hoje, mais de 1 bilhão de reais anuais. Além de lucro líquido em torno de 100 milhões de reais, praticamente quatro vezes os resultados obtidos em 2010.
Mesmo com estes resultados financeiros, e os investimentos crescentes que passaram de R$ 35 milhões em 2010 para R$ 735 milhões em 2013, o nível de atendimento a população é sofrível. Há décadas, Recife e sua região metropolitana sofrem com o desabastecimento/ racionamento de água, e com um saneamento deplorável, justificando os altos índices de doenças em sua população, transmitidas em grande parte pela falta de esgotamento sanitário.
Um exemplo da má gestão diz respeito ao índice de perdas. Enquanto a média nacional de desperdício de água tratada, devido às perdas por vazamento, é de 35% (muito superior à média de países europeus e o Japão, que é inferior a 5%), em Recife as perdas chegam a mais de 50%.
Com a justificativa de aumentar a base de investimentos e de permitir maiores investimentos, tentativas de privatização pelos governos estaduais já ocorreram. Foram rechaçadas pela população depois do exemplo desastroso ocorrido após a privatização da Companhia Energética de Pernambuco, a Celpe, em 2000.
Iniciamos 2015, e mais uma vez os problemas de fornecimento de água em Pernambuco se tornam críticos, como se já não fossem. A chamada crise hídrica atinge em cheio a capital pernambucana e sua região metropolitana, sem obviamente levar em conta o problema crônico que convive os municípios do agreste e do serão. Diante de reservatórios com pouca armazenagem de água, o governo estadual finalmente acorda para o problema.
A primeira atitude dos gestores, diante da própria incompetência, foi culpar São Pedro pela escassez das chuvas. Como o Santo não pode se defender, fica fácil esta transferência de responsabilidade. A segunda atitude, para mostrar serviço, foi apontar soluções imediatistas, como a construção de novas barragens e a transposição de águas, demonstrando sua incapacidade no planejamento de ações preventivas e mesmo corretivas, que com certeza minimizariam em muito os sacrifícios impostos à população.
O que fica evidente com a tragédia que se abate sobre mais de 110 municípios pernambucanos (2/3 do total), incluídos os da região metropolitana, tem origem no descaso e na falta de responsabilidade socioambiental daqueles que que ocupam cargos de governo.
No caso especifico da região metropolitana do Recife, o único reservatório no Litoral Norte que alimenta a Região Metropolitana do Recife é a barragem de Botafogo, que atualmente conta com menos de 15% de sua capacidade. Mesmo sendo uma área de proteção ambiental, protegida por lei, o entorno da barragem vem sendo desmatado há anos, com a cumplicidade dos órgãos públicos. Agora se verifica que, mesmo para precipitações consideradas normais na região, o nível de água do reservatório já não se recupera como antes.
Uma das medidas a médio prazo, das mais sensatas neste caso, seria o reflorestamento e a proteção do entorno da barragem e das nascentes que alimentam o sistema Botafogo. Ao invés disso lemos nos jornais a sanha economicista na discussão do trajeto do Arco Metropolitano. Sem dúvida um empreendimento inconteste diante do caos urbano existente hoje nesta região, e que irá minimizar o trafego na BR 101 e no grande Recife.
Alguns gestores ligados a interesses econômicos propõem um trajeto para o Arco Metropolitano que irá cortar justamente as nascentes que alimentam o Sistema Botafogo, fazendo com que a rodovia passe próximo à barragem, aumentando assim a especulação imobiliária e a ocupação do solo.
Existe em tudo isso um desejo implícito dos gestores de plantão em tornar a vida dos cidadãos cada vez mais difícil e insuportável. Contra isso a única solução é a mobilização e a pressão popular, que ao longo da história da humanidade tem se mostrado o único caminho da transformação. É como se diz, “unidos, venceremos!”.


Heitor Scalambrini Costa - Professor da Universidade Federal de Pernambuco.