7.5.18

É a Democracia, estúpido!



Enquanto o calendário eleitoral se afunila, com a aproximação de 7 de outubro de 2018, cresce em torno das principais lideranças do Partido dos Trabalhadores (PT) e do seu líder maior, Luiz Inácio Lula da Silva, uma pressão asfixiante: o que vocês vão fazer?
Lula está preso há exato um mês. Embora haja uma hipótese de habeas corpus, em julgamento marcado para o próximo dia 10, os que pressionam o PT parecem não acreditar em Lula candidato e muito menos livre. Jogam a responsabilidade para os petistas de indicar um sucessor de Lula, com a desistência já em mantê-lo candidato.

As vozes que começam a eclodir aqui e ali dizem que o PT deveria abençoar a candidatura de Ciro Gomes, como a única saída para não deixar que os assaltantes do poder se legitimem pela via democrática. Mas de qual Democracia estamos falando?
A primeira falha crucial nesse argumento é não admitir que eleição sem Lula é fraude. Sim, é fraude. E não é mimimi de petista, simplesmente é fraude. Se o candidato favorito dessa disputa é excluído por um processo judicial duvidoso, com o único propósito de impedir sua candidatura, cadê a Democracia?

A segunda falha gigantesca é achar que os ideólogos desse triste momento vivido pelo país prepararam o cenário para Ciro Gomes ser protagonista. É um pensamento bastante ingênuo, convenhamos. Depois das doze tarefas hercúleas que jogaram no precipício o orgulho brasileiro e a imagem interna e externa do país, falir as grandes empresas, queimar nomes de peso do staff empresarial, estariam eles prontos a transmitir docemente o comando da terra arrasada ao candidato egresso das urnas pela vontade popular? Tem dó, né?

Quem deseja Ciro Gomes no comando do Brasil? Os empresários que naufragaram com a crise? A classe média que acordou mais cedo do sonho novelesco da Globo, nas manifestações verde e amarela? Querem se redimir da História às custas do sacrifício de Lula e do PT? Para isso, precisam fazer um esforço intelectual para responde que tipo de Democracia eles acreditam ainda existir no Brasil. Aquela em que a República instalada no Paraná decide quem pode ou quem não pode ser candidato? Aquela Democracia que decidiu que a partir de agora qualquer juiz de primeira instância pode abrir processo contra parlamentares, em um país em que o judiciário se partidarizou, mas esqueceu de avisar à galera?
O mais estranho (entre muitas outras coisas estranhas) é que Lula está preso por um apartamento que não é dele e por uma reforma que não existiu. E mesmo depois da desmoralização do processo de Sergio Moro e seus procuradores, Lula continua lá, preso da Silva.
Então meus caros, quem está na berlinda é a Democracia que nós acreditamos, e não aquela modulada pelo trinômio Globo/MPF/PF, que decide quem presta e quem não presta para ser candidato. Ou as forças democráticas lúcidas se juntam agora, e não nas urnas, para desmontar essa máquina de perseguição a adversários políticos, ou não adiantará nada estarmos aqui gastando nosso latim. A eleição de 2018 já está acontecendo. Ela está lá, encarcerada em Curitiba e defendida há um mês no Acampamento Marisa Letícia. Ali está a Democracia, estúpido!
Everaldo de Jesus (jornalista e mestrando em História pela Universidade do Estado da Bahia-UNEB)

Nenhum comentário: