15.10.12

Joaquim Barbosa da Senzala a Casa Grande.

Quando em 1933 Gilberto Freyre lançou o seu livro mais importante, Casa Grande e Senzala, ele fez a elite da época repensar o país. Discutir a importância do escravo dentro da sociedade brasileira através da miscigenação ocorrida entre senhores de engenhos e negras, ou negros e as filhas mais “depravadas” das moradias de brancos. O autor em sua obra mostra o “senhor” bonzinho e um escravo submisso. Onde escravas serviam de raparigas de filhos, que tinham que mostrar serem homens deflorando negras jovens a força. Era a forma mais cruel vivida naquele tempo por quem não tinha a quem e como recorrer.
79 anos depois de o livro ser lançado, uma pessoa que poderia passar para a história como sendo o primeiro negro e enfrentar de frente a Casa Grande da mídia brasileira, sucumbe e retorna a senzala como muitos daqueles que traíram seu povo e os entregaram a chibata nos pelourinhos brasileiros sem que tivessem um julgamento justo. Joaquim Barbosa foi indicado pelo presidente Lula no ano de 2003 para ser Ministro do Superior Tribunal Federal, órgão supremo da justiça no país, e como ele mesmo já declarou a um jornal, este teria sido o dia mais importante de sua vida. Ao menos ate aquele momento.
Agora, diante dos holofotes da mídia tupiniquim, há mesma que meses antes o colocava como alguém sem a mínima condição de ali estar. Dentro dos textos havia um claro preconceito a cor do ministro e a sua “incapacidade” intelectual. Ele era jocosamente achincalhado para todo o país diariamente.
Então surge uma oportunidade do magistrado mostrar que toda a Casa Grande agora teria que assistir a um julgamento dentro das normas vigentes no país. Barbosa foi nomeado o relator do caso que ficou conhecido como “Mensalão”. Segundo a acusação, o Partido dos Trabalhadores teria pagado para que parlamentares votassem favoravelmente ao governo. Tese combatida pelos acusados, já que não se justifica que lideranças do governo recebessem para aprovar o que eles mesmos defendiam. Mas ele caiu na armadilha das luzes e dos microfones a sua frente. Aceitou a tese do procurador da Republica Roberto Gurgel que é a condenação de exceção, quando sem provas para sustentar a acusação o magistrado fez o que só a ditadura militar conseguiu nos anos de terror no Brasil.
O país, após o circo que foi criado no STF, entrou em um caminho onde a jurisprudência poderá colocar qualquer um brasileiro na cadeia sem que pese sobre ele uma só prova de crime cometido. Isto é muito grave! A justiça Brasileira arvora para si, com uma decisão dessas, o supremo poder de manipular a vida de todos nós.
Barbosa, terceiro negro a ingressar na corte, ao se ofuscar com o brilho imediato dos holofotes, invadiu a senzala e açoitou a Lei Brasileira como um senhor de engenho. Como um senhor que pegava uma negra a força e a estuprava, só para mostrar que tinha o poder em suas mãos. Ele perdeu a oportunidade história de quebrar de vez as correntes da Casa Grande com a Senzala que o cercam. Preferiu se lambuzar no engenho e ser o último dos escravos es terras livres.

Dimas Roque

- Baseado em uma conversa com os amigos Zé Ivaldo e Zé Ivandro.

Nenhum comentário: