3.1.15

Até tu Mateus?

Dizem, e eu não sabia, que o Aloysio Nunes já foi o “companheiro Mateus”. Teria ele, segundo o que andam contanto, que no passada se posicionou contra a ditadura militar, de triste história no Brasil. Aí eu fiquei imaginando o que levou uma pessoa a mudar tanto de opinião, enquanto outros ainda permanecem lutando e trabalhando por um país melhor. Não tenho uma resposta única, mas imagino que tenham sido as companhias que ele arrumou. Como diz o dito popular, “mostra-me com quem andas e eu te direi quem és”.
Em um ato fora de qualquer proposito, a não ser o de criar um factoide para ter seu nome lembrado na mídia, Aloyso soltou hoje, 03, uma nota em que pede, “todos os que se opõem ao governo Dilma têm o direito de se unir no Congresso e nas ruas para o combate...”. Patético, é o mínimo a ser dito do rascunho emitido pelo líder do PSDB.
A revolta do senador que foi derrotado por Dilma, é contra o ministro das comunicações Ricardo Berzoini, que propõem o debate da regulação da Mídia. Uma ação destemperada e casada com a declaração do deputado, e candidato a presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, que disse que o PMDB, “será radicalmente contra” a proposta do governo Dilma. Há que se perguntar: O PMDB não faz parte da base aliada e tem os melhores e mais importantes ministérios? Então, qual o interesse dele em fazer uma declaração quando ainda é candidato? Nas redes sociais pipocam teorias. A que mais me chamou a atenção foi a de quem Eduardo, agora apoiado por Aloysio, estariam fazendo Lobby em favor dos grandes empresários da mídia no Brasil. Sendo isto verdade, é crime. Quem então irá investigar, e se for comprovado tal desvio, punir?
Se Mateus e o senador derrotado fazem um jogo casado, eles trabalham contra os interesses do povo e na direção do capital

Nenhum comentário: