30.4.18


Jefferson, representante do Sindicato dos Motoboys do ABC paulista na vigília Lula Livre, foi o militante atingido por um tiro às 4:15 da madrugada do último sábado no acampamento Mariza Letícia onde dormem parte dos militantes que estão em Curitiba. Ele estava no seu turno como vigia.  A bala de 9 mm disparada pelo criminoso alvejou o maxilar na lateral e saiu por trás do pescoço, sem atingir a coluna ou nenhuma artéria vital. Hoje, ele amanheceu melhor, recebeu visita dos companheiros, e apesar do inchaço no rosto começa a falar algumas palavras. Vai ficar bom. Enquanto nós pedimos justiça e democracia pacificamente no exercício de nossos direitos , por outro lado, fascistas racistas, do sul do país nos agridem com insultos, socos, pedras e tiros. Não existe argumento plausível para tamanha violência. Não vamos recuar, nem nos intimidar, sempre enfrentamos adversidades, inclusive a ditadura militar, que pouco difere da atual de parte do Judiciário que é imposta e acobertada por tudo o que há de reacionário no país. A vigília  continuará enquanto perdurar o Estado de Exceção consumado recentemente no sábado 7 de abril, com a prisão política do melhor presidente que o Brasil já teve, respeitado e admirado em todo os continentes. O único da história recente  que dedicou-se a imensa maioria menos favorecida e que fez o país ter a 5° economia do mundo. Amanhã teremos um 1° de Maio diferenciado com a união das 7 principais centrais sindicais do país; da esquerda com sua militância e cidadãos das mais diversas classes indignados por tanto retrocesso, entreguismo, perda de direitos e conquistas sociais fundamentais. Vamos à luta, é vida que segue. Somos milhões e uma imensa maioria.

Por Fernando Coelho.

Foto: Tatiane Azeviche

Receptivo especial foi preparado pela Secretaria do Turismo do Estado (Setur) para o desembarque dos passageiros do voo inaugural na rota Miami-Salvador, da Latam Airlines, nesta segunda-feira (30), no Aeroporto Internacional de Salvador. A nova frequência semanal tem saída dos Estados Unidos aos domingos e desembarque na capital baiana na madrugada de segunda (1h55).


Os passageiros do voo 8179 foram recebidos, no desembarque internacional, por baianas tipicamente vestidas, que saudaram os visitantes com a tradicional hospitalidade, folheteria e fitinhas do Bonfim.

O secretário estadual do Turismo, José Alves, participou da ação de boas-vindas e falou sobre a importância da oferta crescente de voos. “Com o trabalho integrado do governo estadual, adotamos uma eficaz política de incremento da malha aérea. O resultado está na maior oferta de assentos, mais conforto aos visitantes e dinamização da atividade turística”. Ele estava acompanhado da diretora de Promoção da Superintendência de Fomento ao Turismo do Estado (Bahiatursa), Regina Ahmed.

No setor de embarque do aeroporto de Salvador, a Vinci também preparou surpresa para os passageiros do voo Salvador-Miami. Com o seu saxofone, o músico baiano Daniel Duarte interpretou composições em ritmo do jazz americanizado, tornando o check-in muito mais descontraído e animado.


A aeronave da Latam é um Boeing 767, com capacidade para 238 passageiros, sendo 220 em classe econômica. A rota Salvador-Miami é feita na madrugada das segundas-feiras, com decolagem às 3h25.

Novas rotas

Com as novas rotas, a Bahia amplia sua malha aérea internacional, passando a contar com 27 frequências regulares vindas dos Estados Unidos (Miami), Portugal (Lisboa), Argentina (Buenos Aires e Córdoba), Espanha (Madri) e Colômbia (Bogotá), operadas pela Latam, TAP, Aerolíneas Argentinas, Air Europa, Gol e Avianca.

28.4.18



No dia em que completa um ano que foi lançada a campanha para zerar a fila de espera por uma córnea, o Banco de Olhos da Bahia, que funciona no Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), recebeu um par de córneas de um jovem de 21 anos, vítima de um acidente de moto, em Alagoinhas. A Campanha foi lançada em 27 de abril de 2017 e já reduziu a fila em 50%.

Após os médicos confirmarem a morte encefálica do jovem, os familiares decidiram doar seus órgãos e, além das córneas, os rins foram para o Hospital Ana Nery (HAN), unidade da rede própria da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) e o fígado foi para o Hospital Português, unidade privada, que realiza o transplante pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Como a cidade fica a 120km de Salvador, a coleta dos órgãos envolveu, além da equipe médica, a “equipe do Grupamento Aéreo da Polícia Militar que, junto com aeronaves da Casa Civil, estão sempre à disposição da Central de Transplantes na missão de salvar vidas”, pontuou a coordenadora América Carolina Sodré.

A campanha: Lançada em abril de 2017, a campanha ‘Rumo à Fila Zero de Córnea’, já reduziu a fila de espera em quase 50%. Dos 1350 inscritos no início da campanha, hoje são 700. A ação conta com a realização continuada de atividades educativas na rede hospitalar, inclusive no interior do estado, para conscientização dos profissionais de saúde quanto à notificação de óbitos viáveis para doação de córneas; palestras em diversos segmentos da sociedade como empresas, escolas, faculdades, além do apoio voluntário de artistas que, através de vídeos veiculados nas redes sociais informam à sociedade a importância da doação de córneas.
A coordenadora da campanha, Marli Souza Nascimento, ressalta que zerar a fila é um ganho imensurável para a sociedade, pois os problemas na córnea com indicação de transplante geralmente acometem o indivíduo na sua fase produtiva. Isso significa que, muitas vezes, ele fica impedido de realizar suas atividades laborais. “São pessoas que têm suas vidas interrompidas e o transplante de córnea é a única forma de tratamento”.

Fila: Atualmente são 1672 pessoas na fila à espera por um órgão. A maior demanda é para o transplante de rins, com 957 pessoas inscritas. Em seguida, vem córneas com 700, fígado com 11 e quatro pessoas estão à espera de um pulmão. “Por isso a importância da conscientização e mobilização da sociedade para a doação, embora reconhecendo que seja um momento muito delicado”, explica a coordenadora da Central de Transplantes, América Carolina. Ela acrescenta que quem autoriza são parentes até o terceiro grau, além dos cônjuges.

27.4.18


Mais de 500 quilos do material foi encontrado durante a operação entre o Exército Brasileiro e a DT de Ribeirão do Largo 


    Mais de meia tonelada de explosivos foi apreendida durante uma operação, que envolveu unidades do Exército Brasileiro e equipes da Delegacia Territorial (DT) de Ribeirão do Largo, no sudoeste baiano, na tarde de quinta-feira (26). O material foi encontrado em uma mineradora clandestina, localizada na zona rural da cidade, após denúncias. Segundo o delegado Roberto Júnior, coordenador regional da 21ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/Itapetinga), que cobre a região, o responsável pela mineradora, Ângelo Antônio Franchine Gomes foi preso em flagrante. “O proprietário da pedreira não tinha autorização para compra e posse dos explosivos. Ele foi autuado por posse ilegal dos artefatos”, explica. As ações de fiscalização continuam na região com a finalidade de encontrar outros locais de armazenamento de materiais irregulares. O coordenador da 21ª Coorpin destacou também, que um dos principais objetivos é evitar que artefatos bélicos caiam nas mãos de assaltantes de banco.


Além dessa novidade, a parte paga do evento terá mudança de data, de 17 a 20 de maio, mas sem alteração na grade de conteúdo

Bahia, 27 de abril de 2018 – A segunda edição da Campus Party Bahia traz uma novidade para quem frequenta a área gratuita do evento. Agora, o espaço terá o domingo aberto para todo o público interessado em simuladores, drones e conteúdos educativos e voltados para o público infantil.

Repensamos nesta edição abrir mais um dia, pois é uma área importante e que agrega muito conteúdo para as famílias e frequentadores não pagantes do evento. Ali, acontecem atividades mais lúdicas relacionadas a drones, robótica, realidade virtual, realidade aumentada entre outras atrações num espaço envolvente e capaz de cativar toda a família. E este é o nosso principal papel – incluir social e digitalmente todas as gerações baianas”, diz Tonico Novaes, diretor geral da Campus Party.

Além da Open Campus, a Arena também terá alteração na data por conta do calendário do futebol brasileiro. “Para entregarmos um evento tão ou mais bonito que o anterior, repensamos também nas datas da Arena, sem comprometer a grade de conteúdo e os campuseiros pagantes”, completa Tonico.

Para isso, a Arena abrirá do dia 17 a 20 de maio, com extensão da programação ao longo dos quatro dias – sem interferir na entrada das caravanas e campuseiros que adquiriram o ingresso com camping individual ou duplo. Para eles, a data permanece sendo no dia 15
de maio, a partir das 16h, com acesso na Arena no dia 17, às 7h. “Para quem chega mais cedo, como é o caso das caravanas e campuseiros mais ansiosos, já é possível acessar o camping wellness – na área de camping, com equipe pronta para receber os primeiros participantes com sessões de yoga, quick massage e meditação”, finaliza Tonico.

Confira a programação oficial:

Abertura Arena
Dia 17/05, às 7:00
Horário Palestras
17/05, das 13:00 às 2:00
18 e 19/05: 10:00 às 2:00
Caravanas e campuseiros com camping
A entrada permanece na mesma data: 15/05, a partir das 16:00
Camping Wellness
Dia 15/05, início junto com a chegada das caravanas
Open Campus
17 a 19/05, entrada das 10:00 às 20:00, com circulação permitida até às 21:00
20/05, das 10:00 às 15:00, com circulação permitida até às 16:00


Serviço:
Campus Party Bahia
De 17 a 20 de maio de 2018
Tema: Inovação Produtiva e Inclusão Social
Arena Fonte Nova
Salvador – BA

Sobre a Campus Party

A Campus Party é a maior experiência tecnológica do mundo que reúne jovens geeks em um festival de inovação, criatividade, ciência, empreendedorismo e universo digital. Realizada pela primeira vez em 1997, na Espanha, a Campus Party conta hoje com mais de 475 mil campuseiros cadastrados em todo mundo, e já produziu edições em países como Espanha, Holanda, Alemanha, Reino Unido, Argentina, Panamá, El Salvador, Costa Rica, Colômbia e Equador. O evento está presente no Brasil há dez anos e em 2017, terá edições em Portugal, Itália, Singapura e África do Sul.

   
Foto: Lucas Rosário


  Após três módulos em 2017, seminário segue para o Modulo IV e divulga programação


A primeira edição de 2018 do Seminário Cultura Viva acontece no dia 8 de maio, das 9 às 12h, no auditório do Instituto Anísio Teixeira (IAT) com transmissão ao vivo pelo Youtube e por videoconferência para outras cidades. Em seu segundo ano de realização, o seminário é uma ação da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia para a articulação, mobilização e capacitação dos gestores de Pontos de Cultura, com objetivo de realizar o alinhamento dos instrumentos institucionais, jurídicos e orçamentários disponíveis para a execução da rede de Pontos de Cultura da Bahia, que é uma importante ação da Política Nacional de Cultura Viva no estado. As inscrições podem ser realizadas através do formulário online até o dia 07 de maio.

Ponto de Cultura é um título de reconhecimento atribuído a instituições culturais que dinamizam e articulam a cultura local, oferecendo à comunidade oportunidade de acessar a cidadania cultural. Os 270 Pontos de Cultura da Bahia estão distribuídos em todos os 27 Territórios de Identidade.

Em 2017 ocorreram três edições do Seminário Cultura Viva, reunindo cerca de 450 participantes. O Módulo I, realizado em 22 de fevereiro, teve na sua primeira edição o tema: “Prestação de Contas face a IN MinC 08/2016”, e objetivou atualizar os gestores da rede de Pontos de Cultura sobre as mudanças na legislação que disciplina a parceria. O Módulo II, realizado em 16 de maio, apresentou como tema: “Boas práticas da Comunicação em rede” abordando diferentes pontos de vista e práticas de comunicação para a rede de Pontos de Cultura da Bahia.  Por fim, o módulo III, em 13 de dezembro, apresentou como tema “Políticas Culturais: Cidadania e Territórios”. O encontro teve como objetivo apresentar os resultados do Programa no exercício 2017 para os gestores de Pontos de Cultura, dos Centros de Cultura e da Territorialização da Cultura.

Cultura Viva 2018 - Dando continuidade aos três módulos realizados em 2017, a SecultBA divulga a programação preliminar de 2018, seguindo com o Módulo IV sobre Gestão de Projeto Cultural: Pontos de Cultura.  No dia 08 de maio, das 9h às 12h, no IAT, o seminário trará uma  saudação da Secretária de Cultura, a Professora Arany Santana. Em seguida serão abordados três importantes aspectos da gestão de projetos culturais: a execução, o acompanhamento e monitoramento  dos projetos e a prestação de contas, com destaque especial para o papel dos registros fotográficos como documento de comprovação de despesas.  A intervenção prática sobre fotografia será ministrada pela fotógrafa Rosilda Cruz, da Bahiatursa que apresentará técnicas e conceitos sobre a fotografia e sua importância na prestação de contas. Com essa programação inicial, esperamos intensificar as ações formativas junto ao público beneficiário, contribuindo, por fim, para a melhor gestão dos projetos apoiados.

Serviço/Programação

Seminário Cultura Viva – IV Módulo
Quando: 08 de maio de 2018
Onde: Instituto Anísio Teixeira – IAT
Endereço: 5ª Avenida Nº 550, Centro Administrativo da Bahia - CAB, Salvador, Bahia, Brasil,
Inscrições: formulário online.

8h45 – Acolhimento
 (Exposição fotográfica da Coordenação de Acompanhamento dos Pontos de Cultura)

9h – Constituição da mesa de abertura.

9h20 às 9h50 – Saudação
Exmª. Secretária de Cultura Arany Santana

9h50 às 10h20 – A Execução de Projetos Culturais: Pontos de Cultura
Sandro Magalhães – Superintendente do Desenvolvimento Territorial da Cultura

10h20 às 10h40 – Controle e acompanhamento de projetos culturais: Prestação de Contas
Juscelina Nascimento – Diretora de Cidadania Cultural

10h40 às 11h10 – A fotografia como registro documental
Rosilda Cruz – Fotógrafa da Bahiatursa

11h10 às 11h 40 – Discussão 

11h40 – Encerramento - Intervenção cultural
De 27 de abril a 3 de maio, programação de eventos garante ao público muita festa no Pelô

A programação de shows e eventos dos largos do Pelourinho segue animando o público com atrações para todos as tribos e gostos. A agenda traz como destaque o 2º encontro de Forrozeiros, que reúne grandes nomes do forró no Estado da Bahia, a programação conta também com ensaios do Bambeia e do Olodum, shows da Banda Aspiral do Reggae e a quinta edição do ForroZÉando no Pelô, com muita música e entretenimento agitando a semana de festas do Pelourinho.



Nesta sexta-feira (27), a banda Água Fresca se apresenta pela primeira vez no Pelourinho e faz uma mistura de diversos ritmos como o samba, lambada, pagode, samba do recôncavo, além de influências do axé music e da MPB, trazendo convidados especiais e um repertório formado por músicas autorais e sucessos de outros artistas da atualidade. Água Fresca se apresenta no Largo Tereza Batista, a partir das 19h, com ingressos a R$ 20 e R$ 40.


Outro evento também desta sexta-feira é o show da banda Frutos Tropicais, que com quase 30 anos de existência, segue nos palcos com nova formação trazendo sucessos que embalaram diversos carnavais nos anos 80. A banda ganhou fama com a canção "Céu da Boca" gravada por artistas como Ivete Sangalo e Gilberto Gil.  O show acontece às 20h no Largo Quincas Berro D’Água, aberto ao público. Já no Largo Pedro Archanjo, também nesta sexta, o Samba Trator segue com seu tradicional samba com show às 20h, aberto ao público.


O sábado (28) começa com música e solidariedade no evento Samba e Vida, que traz o Grupo Entrecantos e Soraya Aboim, que juntos prestam uma homenagem ao samba, além da participação especial do cantor e compositor J Velloso. O ingresso para o evento é uma lata ou pacote de leite em pó, que será revertida em prol do Instituto Beneficente Conceição Macedo. O show acontece às 19h, no Largo Tereza Batista.

Ainda no sábado tem Samba do Pretinho no evento Sábado Black, às 20h no Largo Pedro Archanjo, com ingressos a R$ 10. Também às 20h, no Largo Quincas Berro dÁgua, tem o show gratuito da banda Negro Lindo e convidados,.


No domingo (29), o ensaio do Olodum traz a festa temática ‘’Tributo a Ravalona III’’. No repertório, o bloco traz o samba reggae e músicas que marcaram a trajetória da banda ao longo de quase quatro décadas embalando os fãs e turistas de todo o mundo. O show é no Largo Pedro Archanjo, às 14h, com ingresso a R$ 50. Já o grupo de samba Bambeia celebra a sua trajetória recebendo como convidados o Burugundun, Banda Trivial e Samba de Cozinha, além da participação especial do grupo Swing do Fora da Mídia e das cantoras Carla Liz e Gal do Beco. O evento acontece às 16h no Largo Pedro Archanjo, com ingresso a preço único no valor de R$ 10.

Pra encerrar o domingo, às 21h, acontece no Largo Tereza Batista o show de Açucar Improviso Latino, que bota o público para dançar ao som da salsa afro brasileira, com a marca e o estilo irreverente do cantor Portella Açucar. O samba entra nessa mistura com a participação da cantora Gal do Beco. Evento aberto ao público.


Começando bem o mês de Maio, no feriado de 01 de maio (terça-feira) acontece o 2º Encontro de Forrozeiros do Estado da Bahia. O evento é beneficente em prol do NACCI – Núcleo de Apoio ao Combate do Câncer Infantil. O encontro reúne importantes nomes do forró na Bahia como Chico Leite, Quininho Valente, Carlos Pita, Aldemário Coelho, Del Feliz, Jô Miranda, entre outros convidados. O evento começa às 14h, no Largo Tereza Batista. O forró é solidário e o ingresso é uma lata de leite em pó.


Também na terça-feira os amantes da música reggae curtem com o projeto Bob Marley Vive, que realiza neste mês de maio uma série de shows, palestras, mostras de vídeos, com objetivo de celebrar o dia 11 de maio, que foi constituído como o Dia Nacional do Reggae. Nesta primeira edição, o projeto apresenta show de Kamaphew Tawá & Banda Aspiral do Reggae e convidados. O evento começa às 19h no Largo Quincas Berro D’Água, aberto ao público. Já às 20h no Largo Pedro Archanjo a Banda Caçamba Azul segue embalando o público ao som da salsa, merengue e zouk com show gratuito.


Já na quinta-feira (03), chegando à sua quinta edição, o evento ForroZÉando no Pelô continua levando o tradicional forró e o clima junino para o público, a cada evento uma quadrilha junina é convidada e faz uma apresentação especial, no comando o cantor Zé Honório e Banda Visgo de Jaca, junto com a Banda Forró Kabaçola realizam shows com convidados especiais. O ForroZÉando é no Largo Tereza Batista, às 19h com ingressos a R$ 20 e 10. Pra completar, tem Forró na Pedro, evento que acontece no Largo Pedro Archanjo, às 20h, com show gratuito da banda Forrozão D’Saia Curta.


A programação dos largos do Pelourinho conta com shows realizados e apoiados pelo Centro de Culturas Populares e Identitárias da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (CCPI/SecultBA).



Serviço


Banda Água Fresca

Local: Largo Tereza Batista
Quando: 27 de abril (sexta) às 19h
Ingresso: R$ 40,00 e R$ 20,00



Banda Frutos Tropicais

Local: Largo Quincas Berro D’Água
Quando: 27 de abril (sexta) às 20h
Aberto ao público



Banda Samba Trator

Local: Largo Pedro Archanjo
Quando: 27 de abril (sexta) às 20h.
Aberto ao público



Samba e Vida – Show Beneficente

Local: Largo Tereza Batista
Quando: 28 de abril (sábado) às 17h
Ingresso: Uma lata de leite em pó



Sábado Black – Samba do Pretinho

Local: Largo Pedro Archanjo
Quando: 28 de abril (sábado) às 20h
Ingresso: R$ 10,00



Banda Negro Lindo

Local: Largo Quincas Berro D´Água
Quando: 28 de abril (sábado) às 20h
Aberto ao público



Ensaio do Olodum

Local: Largo Pedro Archanjo
Quando: 29 de abril (domingo) das 14h às 17h
Ingresso: R$ 50,00



Bambeia e Convidados

Local: Largo Pedro Archanjo
Quando: 29 de abril (domingo) às 16h
Aberto ao público



Açucar Improviso Latino e Gal do Beco

Local: Largo Tereza Batista
Quando: 29 de abril (domingo) às 17h
Aberto ao público



2º Encontro de Forrozeiros do Estado da Bahia 2018

Local: Largo Tereza Batista
Quando: 01 de maio (terça) às 14h às 21h
Ingresso: 01kg de alimento não perecível



Bob Marley Vive

Local: Largo Quincas Berro D’Água
Quando: 01 de maio (terça) às 20h
Aberto ao público



Banda Caçamba Azul

Local: Largo Pedro Archanjo
Quando: 01 de maio (terça) às 20h
Aberto ao público



ForroZÉando no Pelô

Local: Largo Tereza Batista
Quando: 03 de maio (quinta) às 19h
Aberto ao público



Forró na Pedro

Local: Largo Pedro Archanjo
Quando: 03 de maio (quinta) às 19h
Aberto ao público

26.4.18

O trabalho lúdico e educativo realizado com as crianças internadas no Hospital Ana Nery pelo Serviço de Psicologia Hospitalar é de extrema importância para a recuperação destes pacientes, principalmente porque muitos deles passam semanas ou até meses na instituição.
Para isso, o setor está lançando uma campanha de doação de material de colorir como lápis de cor, giz de cera, hidrocor, tinta guache, cola colorida; para que este trabalho não pare e os pacientes pediátricos continuem se recuperando cada dia mais.
Além do atendimento psicológico propriamente dito às crianças e seus responsáveis/familiares, a equipe de psicologia proporciona um espaço lúdico e acolhedor, oportunizando momentos onde a criança possa expressar de forma simbólica os seus sentimentos, frustrações, medo e aceitação da hospitalização e situação em que se encontra.
“A valorização do brincar e a expressão por meio da arte proporciona o encontro do imaginário e a realidade vivida de cada criança que se encontra hospitalizada, possui uma importância social e emocional, pois proporciona momentos em que a criança consegue esquecer suas limitações diante no contexto da enfermidade, colaborando assim com o próprio tratamento”, afirma a coordenadora de psicologia hospitalar, Alessandra Martins.
Para realizar este trabalho a equipe de psicologia utiliza de papéis coloridos, lápis de cor e tintas de diversas cores para aproximar a criança do seu mundo, daquilo que elas estavam acostumadas a fazer fora do hospital, deixando-a livre para a construção/confecção da “arte” que lhes for representativa.
A entrega do material pode ser feita diretamente no HAN, no Serviço de Psicologia Hospitalar – 4º andar. Para maiores informações entrar em contato pelo telefone 3117-1949.

     Proponentes dos projetos contemplados assinarão os termos nesta sexta-feira (27)

Os proponentes selecionados na primeira chamada do Edital de Mobilidade Artística e Cultural para execução de atividades em 2018 irão assinar Termo de Acordo de Compromisso (TAC) nesta sexta-feira (27), às 15h. As assinaturas ocorrerão na sede da Secretaria de Cultura da Bahia, localizada na Praça Thomé de Souza, Centro.

São realizadas até três chamadas por ano para o Edital de Mobilidade Artística e Cultura. O valor investido nesta chamada é de mais de R$ 250 mil, distribuídos entre projetos de Intercâmbio e Difusão, Residência Artística e Formação Cultural, para atividades que podem ocorrer fora do estado ou país. Foram aprovadas onze propostas nas áreas de música, artes visuais e plásticas, teatro, dança, cinema, manifestações culturais tradicionais e circo. O valor limite de apoio por proposta é de até R$ 50 mil para as linhas de Intercâmbio e Difusão e até R$ 25 mil para projetos de Residência Artística e de Formação Artística e Cultural.

Para Alexandre Simões, Superintendente de Promoção Cultural da SecultBA, o edital de Mobilidade Artística Cultural se destaca por potencializar a fruição e o trânsito dos artistas, produtores e fazedores de cultura da Bahia. “É um edital que diretamente agrega a formação dos agentes culturais e contribui para que o celeiro cultural baiano, em suas diversas formas e segmentos, possam transitar pelo mundo”. O edital potencializa que artistas, produtores e agentes culturais realizem diálogos interculturais a partir de ações, cursos e/ou atividades que aconteçam fora do estado e do país.

Os critérios estabelecidos para a seleção das propostas consideraram os seguintes aspectos: a) Relevância da atividade a ser realizada; b) Adequação do projeto ao histórico de atuação do candidato; c) Relevância do evento e/ou da entidade parceira para a área cultural em que se insere; d) Contribuição do projeto para a difusão e valorização da produção cultural da Bahia; e) Consonância com os objetivos de apoio à mobilidade.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em quatro linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais.

Começa nesta quinta-feira, dia 26, no Shopping Centre Lapa, em Salvador, a 9ª Semana de Valorização do Trabalho Doméstico. Realizada pela Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), através da Agenda Bahia do Trabalho Decente (ABTD), a ação segue até sábado (28), na Praça de Eventos do Piso L1 do Shopping, sempre das 9 às 20h.

Serviços como cadastro e intermediação de mão de obra; emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), dias 26 e 27; orientações previdenciárias, sindicais, trabalhistas, judiciárias e psicológicas; palestras; esclarecimento sobre saúde e segurança no trabalho; informações sobre violência contra a mulher, autonomia e empoderamento; e atividades culturais e artísticas serão oferecidas durante os três dias do evento.

A abertura oficial acontece hoje, dia 26, às 18h, e contará a presença do secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte da Bahia, Vicente Neto, dentre outras autoridades.

“O principal objetivo do evento é sensibilizar a sociedade, para que possa compreender que o trabalho doméstico, assim como qualquer outra ocupação, precisa ser um trabalho digno. Durante o evento, serão disponibilizados: palestras, serviços e informações acerca dos direitos e deveres das trabalhadoras domésticas e empregadoras”, ressaltou o secretário.

A 9ª Semana de Valorização do Trabalho Doméstico conta com a parceria das seguintes instituições: secretarias estaduais da Saúde; de Promoção da Igualdade Racial; e de Políticas para as Mulheres; Sindicato dos Trabalhadores Domésticos; União de Negras e Negros pela Igualdade; Fundação Pedro Calmon; Shopping Center Lapa; Unijorge; Superintendência Regional do Trabalho da Bahia; Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas; Fundacentro; Organização Internacional do Trabalho; Fundo de Promoção do Trabalho Decente; Ministério Público do Trabalho; Solidarity Center; Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 5ª Região-BA; e Instituto Nacional do Seguro Social.

Vale a leitura !

Pessoas próximas ao satã de Curitiba estão nos dando conta que toda aquela empáfia do táti bi Tati está indo de ralo, com o moço abatido, mal humorado, sentindo-se com dias contados e holofotes apagados.
A farsa da Lava Jato está definitivamente demolida, desmascarada, de bunda de fora, esperando apenas as pás dos coveiros e as coroas, Ana Amélia, Marta Suplicy e Carmem Lúcia.
O filósofo do não vem ao caso se sabe prestes a um julgamento na ONU, com a mídia internacional toda lhe apontando os dedos: parcial, venal, partidário, tendencioso... Coroado pelas autoridades norte-americanas: é gente nossa!
O marido da ele mora comigo entrou no inferno astral, na conjugação de Gilmar Mendes, que está com todo o depoimento de Tacla Durán, pronto para jogar na mesa do STF, com os advogados de Lula rastreando os falsificados recibos das obras inexistentes no embromex do Guarujá.
O pastor Dalagnol, o do Puto Point, já deu linha na pipa e sumiu, e nem a Globo se lembra mais da sua laranjinha togada, já no bagaço, pronta para o coxo dos porcos.
Marco Aurélio o de nome de imperador mas só sinistro do STF acatou ADC do PC do B e vai levar a plenário.
O Anão do Jaburu viaja, vai ficar uma semana fora e pode ser que a economia melhore.
O sucessor seria o Porquinho Botafogo, mas se assumir se torna inelegível e perde a boquinha do foro privilegiado, providenciando uma viagem também, passando a bola para o terceiro na sucessão, o Índio da tribo do Senado, mas que também é candidato e, para não perder a mesma boquinha do Porquinho, vai viajar também, passando a bola para o quarto na sucessão, a musa do Bahamas, em Sampa, chiqueiro eleitoral do Santo, tão cotado para presidente quanto Bolsonaro para o generalato.
Com o licenciamento da presidente do STF , Sai Tranqueira Federal, quem assume, no rodízio das cadeiras, é o Lewandowski que, ao contrário do que pensam os bolsonaristas, não é parente do Tchaikowsky, disposto a fazer andar a pauta do STF, já que Carminha vai sair de cima.
Enquanto isso começaram os boicotes aos produtos brasileiros, começando pela União Européia, recusando os frangos brasileiros, sob a desculpa de que estão com salmonelas, de maneira que Holliday, magno Malta e Katiguiri permanecerão no Brasil.
Já Requião fará um pronunciamento às tropas, denunciando a entrega do país, chamando os das fardas ao nacionalismo e ao compromisso com a pátria, para desespero dos generais de pijamas, nos clubes militares, coçando as hemorróidas e jogando dominó, com saudades da Ditadura, já que agora com a ditamole.
Enquanto tudo isso acontece Lula continua concentrado, esperando o momento do jogo principal começar, com o término dessa preliminar de amadores, que está quase terminando, com o Eterno Presidente na situação da coca cola: conhecida no mundo todo, com quem não conhece querendo provar.
A semana começa num dia de São Jorge, o Santo Guerreiro dos católicos, Ogum, entre os irmãos de crença afro brasileira, orixá da guerra, apontando para tempestades, com fortes rajadas de ventos e trovoadas.

Francisco Costa.

25.4.18

O programa de peixamento da Bahia Pesca, empresa vinculada à Secretaria de Agricultura da Bahia do Estado (Seagri), continua impulsionando a piscicultura no interior baiano. Nesta quinta-feira (26), piscicultores de Medeiros Neto (a 747 km de Salvador) serão beneficiados com 60 mil alevinos (peixes jovens) de tambaquis. 
Representantes da prefeitura de Medeiros Neto receberão os peixes, produzidos pela Bahia Pesca, na estação de piscicultura de Joanes II (Barragem de Joanes II, Rodovia BA 093), às 8h. Os servidores ficarão responsáveis por fazer a distribuição dos alevinos para 60 famílias pré-selecionadas pela gestão municipal.
“São famílias de pequenos produtores que já têm a capacidade técnica para criar os peixes, mas que não tinham recursos suficientes para obter os alevinos. Agora, com a doação, eles podem dar início aos seus processos produtivos e aumentar sua renda ou garantir comida na mesa”, explica o gerente de operações da Bahia Pesca, Antônio Laborda.
O clima de hoje lembra o vivido nas vésperas do golpe de 1964, que dividiu o país e abriu espaço para a violência. Antes da ruptura, a conflagração
Completaram-se, no último 1º de abril, 54 anos da implantação da mais longeva ditadura de nossa história, com todo o seu acervo de tragédias sociais e individuais, e profundo atraso político. Suas consequências ainda se fazem sentir, pois estão na raiz dos dramas de nossos dias, cujo desfecho  não podemos divisar: em alguns momentos a ‘luz no fim do túnel’ nos enche de esperanças; noutros sugere um trem na contramão.
Lamentavelmente, os regimes autoritários e as ditaduras não são fenômenos estranhos à República, marcada por insurreições militares e golpes de Estado, manifestações exacerbadas de um  autoritarismo larvar cujas fontes remontam à Colônia e ao escravismo de séculos, construtor da ideologia da casa-grande, profundamente presente em nossa vida política e em nossa vida social, e mesmo nas relações interpessoais.
A própria República é obra de um golpe de Estado construído na caserna, e sua consolidação fez-se dependente de outro golpe, sustentado pela espada  de Floriano Peixoto. Assim se firmou a República oligárquico-agrária, sem povo e sem eleitores, que sobreviveria até a ‘revolução de 1930’. Antes, porém, viveria o país a insurreição de 1922 (Levante do Forte de Copacabana), e os dois 5 de julho que desembocariam na Coluna Prestes (1924).
E, na sequência de 1930, o levante paulista de 1932, o levante comunista de 1935, a implantação da ditadura do ‘Estado Novo’, o putsch integralista de 1938 e, fechando o ciclo, o golpe que detonou a ditadura e levou Vargas para seu exílio na estância Santos Reis em 1945.
É a história do ‘tenentismo’ que se estende até o regime de 1964, quando seus líderes já eram generais, almirantes e brigadeiros.  No seu currículo constam ainda a deposição e suicídio de Vargas em 1954, o golpe e contragolpe de 1955, a crise de 1961 e a implantação casuística do Parlamentarismo, de vida breve. A história da República tem sido a história da preeminência dos militares sobre a política e a vida institucional.
O clima de hoje muito lembra aqueles vividos nas vésperas do golpe de 1964, dividindo o país e abrindo espaço para a violência. É sempre assim. Antes da ruptura propriamente dita, a conflagração. Os  conflitos exacerbados em 1963 foram a preparação ideológica da ditadura militar.
Os anos difíceis que se instalam com as jornadas de 2013, de que se apropriou a direita com seu aparato midiático, abrem as rotas que levariam ao golpe de 2016 e à instauração do regime de exceção jurídica que não sabemos se será declarado perempto com as eleições de 2018. O precedente histórico não é animador.
Esse viés autoritário, cultivado pela casa-grande desde a Colônia, é servido à população pelos aparelhos ideológicos do Estado a serviço dos interesses de nossas elites perversas. Nesta  faina destaca-se o papel dos meios de comunicação de massa, a quem se pode tributar, hoje, a maior responsabilidade pelo clima de violência que pervade a política.
Em 1964 os militares e seus associados – na política e no ‘mercado’– encerraram o ciclo da Constituição democrática de 1946, enquanto a consolidação do impeachment de 2016 declarou perempto o ciclo iniciado com a ‘Constituição cidadã’ de Ulisses Guimarães, que culminara com a ascensão e queda do lulismo.
Talvez sejam os dias correntes a boa oportunidade para tentarmos antecipar o que podem ser os tempos vindouros. As lições colhidas dos fatos que não se repetem podem orientar estratégias e corrigir táticas, principalmente quando o distanciamento histórico favorece a análise fria.
Naqueles anos hoje distantes, os anos do pré-golpe e do golpe de 1º de abril,  poucos viram para além da superfície, e assim muitos ignoraram a conspiração que se desenvolvia nos subterrâneos da caserna em  interlocução com a ordem econômica, o Congresso e os meios de comunicação,  para logo estampar-se à luz do dia.
De outra parte, uma vez mais, a continuidade e segurança do governo popular se havia deslocado das ruas para os acordos políticos de cúpula. O povo continuava percebido como  elemento tático numa estratégia que se resolveria fora das ruas.
Não obstante os elementos fornecidos pela realidade palpável, não eram poucos, então, os que transferiam da mobilização popular  para o ‘dispositivo militar do general Assis Brasil’,  chefe da Casa Militar de Jango, a defesa do governo, das ‘reformas de base’ e da ascensão das massas.
Nesta linha pontificava o antigo capitão Luiz Carlos Prestes, secretário-geral do Partido Comunista Brasileiro.
No dia 17 de março de 1964, para uma plateia que lotava o auditório da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), o antigo Cavaleiro da Esperança, após dissertar sobre ‘a formação popular do Exército brasileiro’, anunciou, com o respaldo de sua biografia, a impossibilidade de um golpe militar no Brasil. E quando este se efetivou, muitos o viram como ‘apenas mais uma quartelada’, como as outras  que haviam pontuado a República de 46. Passaria logo.
A história que se segue é conhecida.
Do golpe de 1964 muito se pode afirmar, menos a surpresa, defendido que foi abertamente  pela grande imprensa, preparando sua recepção e animando as manifestações dos adversários do governo e de suas teses.
O pretenso combate à corrupção de 2013-2016 era, em 1963-1964, a denúncia de suposta  corrupção e  de infiltração comunista no governo João Goulart, dando conta das conspirações de toda ordem, militares e civis igualmente conjurados, e, hoje documentalmente comprovada, a arquitetura do Departamento de Estado dos EUA, para quem Goulart, se não era comunista, estava a serviço do comunismo, o que dava no mesmo, segundo Washington. Vivíamos o auge da Guerra Fria e poucos meses nos separavam da crise dos mísseis estocados em Cuba pela União Soviética, incidente que por muito pouco não nos levou ao suicídio nuclear.
A conspiração, aliás, já se iniciara e era visível  desde a posse de Goulart,  como em suas memórias registra sem peias o Marechal Denis, líder da trinca militar que em agosto de 1961 tentara impedir a posse do vice-presidente constitucional, chamado ao posto pela renúncia do presidente Jânio Quadros.
Hoje também já se sabe que a articulação que culminou com a deposição de Dilma Rousseff já era maquinada nos idos de 2013, a onda preparadora do levante de 2015, com sua inédita carga de violência, deixando  para trás os piores momentos de 1963.
Nas duas oportunidades os golpes foram precedidos de grandes mobilizações populares e, ainda em ambos, o leitmotiv unificador da conspiração era, fundamentalmente,  a resistência da casa-grande à ascensão político-econômica das grandes massas, naquela altura representada pelo varguismo, em nossos dias pelo lulismo.
Os  golpes de 1964 e de 2016 guardam parentesco que precisa ser posto de manifesto. Ambos foram precedidos de mobilizações populares  carregadas de atos de violência que expunham a genealogia fascista. Em 1964 importava  aos seus verdadeiros formuladores algo muito além da mera deposição de Jango e esse seu caráter profundo só ficou claro aos analistas em 1965, com o Ato Institucional n. 2, baixado pelo presidente que havia jurado a Constituição e prometido defender a democracia.
O significado de 2013 não foi compreendido em seu primeiro momento, e os sismógrafos dos especialistas  não perceberam o real significado do impeachment, aquele que se revelaria pelo governo que a ele se segue..
O difícil não está na identificação dos fatos expostos e vividos, mas na arte ou ciência da prospecção social, aquela que revela a realidade ainda em gestação, ou seja, a serpente ainda no ovo.
Em 1964 muitos não lograram antever o significado e os objetivos da ditadura, nem seu largo e profundo mando de 21 anos. Carlos Lacerda, sua principal voz civil, e Juscelino Kubitschek, que votaria no marechal Castello Branco, primeiro ditador, apostaram, olhando para trás,  na transitoriedade do novo regime, e logo engrossariam  a lista de suas vítimas.
Se não nos foi possível antever a gestação da irrupção popular de 2013, também faltou clareza à esquerda quanto a deposição da presidente Dilma Rousseff, apenas o passo necessário para  defenestrar o lulismo, a grande operação de nossos dias.
O ovo da serpente, este é o título da obra-prima de Ingmar Bergman. Quem já assistiu, assista de novo. Quem ainda não o viu, corra para ver. Está no YouTube.
Roberto Amaral

______________
Roberto Amaral é escritor e ex-ministro de Ciência e Tecnologia
Postagens mais recentes Postagens mais antigas Página inicial