10.6.17

IASD Paulo Afonso realizou hoje, 10, o Congresso dos Homens – Eu Sou José.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia realizou hoje, 10, o I Congresso dos Homens com o tema “Eu Sou José”. O evento aconteceu no auditório da UNEB – Universidade Estadual da Bahia. Uma iniciativa que conseguiu que contou com a presença dos dois distritos, o de Paulo Afonso e do Bairro Tancredo Neves.
Foram momentos de oração e descontração que envolveram a todos os presentes. O livro de Genesis que narra a história de José e seus irmãos foi o foco principal das palestras. Ele era de uma família muito grande, mas que não era feliz nem unida. E seus irmãos, com inveja do carinho que Jacó, seu pai, tinha por ele, os jogaram em um buraco aberto na terra. Logo depois encontrado por mercadores é levado ao Egito como escravo e lá, após muito sofrimento, caí nas graças do Faraó e torna-se governador.
E foi essa história, de uma família comum e com todos os seus problemas, pessoais, que permeou todo o encontro. Que recebeu também adventistas das cidades Jeremoabo, Santa Brígida, Delmiro Gouveia, Povoado Baixada das Pedras de Nova Glória, além de convidados de outras igrejas.
O cântico ficou por conta do grupo vocal Reveren’s compostos por quatro vozes masculinas. Por lá passaram, também, jovens que estão participando do Projeto OIM – Um Ano em Missão, composto de oito jovens de diversas cidades que vão passar um ano evangelizando em toda a Paulo Afonso. O projeto tem como objetivo incentivar e apoiar adolescentes adventistas a dedicarem um ano de serviço integral a Deus, cumprindo assim a missão deixada por Jesus a cada um de nós.
Aproximadamente 200 homens estiveram presentes no encontro que teve como palestrantes, Thiago Furtado, Thiago Oliveira, Jedson Moura e foi coordenado pelo Pastor Ubirailton Moura.
Mas o mais interessante e bonito é que este encontro só aconteceu porque o ministério da mulher da igreja adventista, com a ajuda de alguns homens, não mediram esforços para a sua realização.

Frente ampla por Diretas Já: a saída contra a desconstrução nacional. (Por Roberto Amaral)

Ao mesmo tempo em que nasce um projeto de democracia popular, julgamento no TSE expõe a miséria do Poder Judiciário.
O processo político de nossos dias deve ser festejado pelo seu caráter mais significativo, que é a retomada das ruas pelas massas organizadas, indicando uma salutar decisão de participar da reconstrução republicana. Esse processo supera o voluntarismo das “jornadas de junho” de 2013, marco da mudança qualitativa da recente participação popular na vida política, e denuncia a falência da democracia representativa, esta que ainda praticamos, abrindo espaço para novas formas de democracia participativa, já previstas no pacto de que resultou a Constituição de 1988.
Evitando de novo o espontaneísmo e o engodo, com os pés na realidade e sem ilusões relativas ao quadro de desafios, devemos destacar a unidade dos movimentos popular e sindical, de que decorrem seguidas ações de massa reunindo trabalhadores, estudantes, camponeses e intelectuais, como as recentes mobilizações em Brasília, no Rio de Janeiro (Copacabana) e em São Paulo (ato de artistas e intelectuais no Largo da Batata).
De todos, porém, o movimento mais importante foi sem dúvida a vitoriosa greve de 24 de março. Ela registra o despertar do movimento sindical para a luta política, o que só foi possível graças à maturidade a que parece haverem chegado as centrais sindicais, superando suas divergências e disputas, poucas ditadas por razões ideológicas.
Enquanto em todo o País surgem grupos de ação os mais diversos, consolida-se a convicção de que a política de frente ampla é a grande alternativa para barrar a desconstrução nacional e realizar um projeto de democracia nacional-popular. Neste sentido é do maior significado a instalação, em Brasília, na Câmara dos Deputados, da Frente Suprapartidária pelas Diretas Já, constituída de parlamentares filiados às mais diversas siglas e comprometidos com as mais diversas correntes de pensamento.
A política de frentes populares e de esquerda, transitando, como núcleos, para frentes políticas as mais amplas nos termos do atual espectro político-ideológico, começa, assim, a dar seus frutos. É a pedagogia da práxis. Nesse projeto, as frentes políticas, como a Frente Povo sem Medo e a Frente Brasil Popular, desempenharam papel crucial reunindo partidos, centrais sindicais e movimentos sociais, e com eles ajudando a construção da unidade do campo popular.
De outra parte, a cada dia os órgãos da representação política, e à frente de todo o Congresso Nacional, mais se afastam da soberania popular, exaurindo sua legitimidade. Causa espécie a surdez parlamentar em face da voz das ruas, pois, penduricalho cartorial do ‘mercado’ (papel que o deputado Rodrigo Maia atribui à Casa que preside), Câmara e Senado se esmeram no afã de destruir o que ainda nos resta de Estado social e nação.  De outra parte, chefiado por um presidente ilegítimo, o Executivo se afunda em sua desordem moral, que parece sem fim.
Não é mero acaso a prisão de mais um ex-ministro de Michel Temer; não é irrelevante surpreender o ainda presidente da República viajando em jatinho da família Batista; não é curial  o ainda presidente ser flagrado como intermediário de propina entre a construtora OAS e o PMDB; não é menos denotativo do verdadeiro “mar de lama” que afoga os timoneiros do Palácio do Planalto a prisão de mais um auxiliar do ainda presidente Temer, o ex-deputado Rodrigo Loures, que passará para a história como o “homem da mala” de Michel Temer.
Legislativo e Executivo são, hoje, ilhas, olimpos, casamatas isoladas do povo, de costas para a nação, contra a qual traficam. Daí, e trata-se de um só exemplo, o avanço das reformas trabalhista (real revogação da CLT) e previdenciária; daí a insensibilidade diante do pleito da sociedade por eleições diretas, oportunidade última de salvar as instituições, mediante o sopro da legitimidade decorrente da soberania do voto.
Não temos razões fáticas para ter ilusões relativamente ao Poder Judiciário, instituição por natureza e composição conservadora. Lamentavelmente o ministro Gilmar Mendes não é uma figura isolada.
A grande imprensa, no Brasil um partido de direita, com projeto próprio, impôs o monopólio do pensamento único e se transformou em poderosa trincheira da luta ideológica, fazendo o jogo do capital rentista.
Dando sustentáculo à ilegitimidade desses poderes ergue-se a coalizão antinacional que nos governa com o apoio majoritário do poder econômico, aferrado às “reformas” cobradas pelo capital rentista, qualquer que seja o quadro político ou institucional. Para nossas classes dominantes, democracia e legitimidade são abstrações toleradas somente quando postas a serviço de seus interesses.
Essas observações querem dizer que temos uma longa jornada à frente.
No lançamento do Plano Popular de Emergência, proposta da Frente Brasil Popular para “restabelecer a ordem constitucional democrática, defender a soberania nacional, enfrentar a crise econômica, reverter o desmonte do Estado e salvar as conquistas históricas do povo trabalhador”, João Pedro Stédile advertiu que à espera dos movimentos sociais estava uma “longa maratona cheia de obstáculos”, porque o Fora Temer, embora indispensável, é apenas o ponto de partida de uma grande luta que apenas se inicia.
Pois não se trata, tão só, de trocar um presidente ilegítimo por outro, um sátrapa por outro, um títere por outro, Francisco por Chico, mas substituir o atual impostor por um delegado dos interesses populares, devolvendo à Presidência a legitimidade de que carece o atual inquilino. Daí o pleito pelas Diretas Já, a fórmula possível nas circunstâncias para a eleição de um representante das forças populares, comprometido com a defesa dos interesses dos trabalhadores, os interesses das grandes maiorias.
Só um presidente legitimado pelo voto popular tem condições de interromper a desconstrução do Estado e da nação, a destruição da economia nacional, o desemprego e a recessão. Só um governo alimentado pela legitimidade pode retomar o desenvolvimento com distribuição de renda e a defesa nacional.
Só um presidente legítimo e apoiado nos movimentos sociais poderá, como assinala o Plano Popular de Emergência da Frente Brasil Popular, promover “as reformas estruturais necessárias para romper com o modelo de capitalismo dependente que tem produzido, entre outras chagas, o empobrecimento dos trabalhadores, especialmente das trabalhadoras e da população negra, injustiça social extrema, perda de independência e recessão econômica, ao mesmo tempo em que concentra renda, riqueza e propriedade nas mãos de um punhado de barões do capital”. O Fora Temer é um ponto de partida.
TSE
No momento em que escrevo, quinta-feira 8, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) conclui a terceira sessão de julgamento da chapa Dilma-Temer, em ação interposta pelo PSDB logo após a derrota de seu candidato a presidente, em 2014.
Pela sua relevância – mas principalmente em face de consequências sabidas e temidas –, o julgamento foi transformado em espetáculo televisivo, com todos os ingredientes (inclusive torcida), e nesses termos está sendo tratado pela imprensa, ávida de audiência. Até aqui há por destacar, por contrastantes, de um lado, o comportamento sério e decoroso do ministro relator, Herman Benjamin, e, de outro, o nada surpreendente comportamento grosseiro, prepotente e aético do ministro presidente, o inefável Gilmar Mendes, conhecido como líder do governo no STF e, agora, no TSE, assumindo sem disfarce o deplorável papel de advogado de defesa do mandato de Michel Temer, mas advogado privilegiado, pois com direito a voto.
Enquanto o julgamento prossegue, com a sede do TSE sob o cerco de 1.200 policiais militares (de qual ameaça o autoritarismo está pretendendo proteger nossos ministros?), as dúvidas sobre o juízo final vão se desfazendo e cresce a convicção de que, como de regra, o julgamento será uma vez mais político, partidariamente político, porque nossa Justiça julga politicamente, como todo Tribunal, aliás, à mercê de todos os grupos de pressão; o que nos distingue dos demais poderes judiciais é que o nosso, admitindo todas as pressões, só rejeita a pressão popular.
Assim sem povo, e contra o povo – um excedente em nossa História desde a Colônia –, se escreve no TSE e adjacências mais um capítulo de nossa saga. Não estamos longe, pois, de mais um acerto de cúpula impondo à sociedade o concerto dos interesses do poder econômico, nomeadamente os interesses dos rentistas da Avenida Paulista, liderados pela Fiesp e suas congêneres.
Enquanto o TSE se reúne, em sua bolha, imune aos gritos e aos reclamos do povo, no mundo real é preso mais um ex-ministro de Temer, o ex-deputado Henrique Eduardo Alves, e o ainda presidente da República surge como intermediário de propina da Construtora OAS, cujo dono, ainda preso, se fez delator da Lava Jato.
Esse julgamento, no qual seguramente os interesses político-partidários sobrelevarão sobre razões jurídicas e fáticas, depois de esviscerar as entranhas do processo eleitoral, está prestando grande serviço ao País ao pôr a nu a miséria do Poder Judiciário.


Por Roberto Amaral é escritor e ex-ministro de Ciência e Tecnologia

Direitos do consumidor por falta de água.

O Código de Defesa do Consumidor define os serviços de saneamento básico como é o caso da água como um bem essencial à vida humana, que deve ter fornecimento adequado e contínuo, além da garantia da efetiva reparação pelos danos causados pela falta do serviço. A PROTESTE orienta o consumidor a buscar seus direitos se ficar sem água por muitas horas e. As falhas no fornecimento de água são compensadas com descontos na conta. Para isto, é monitorada a quantidade de vezes em que há interrupção no fornecimento. De qualquer forma, havendo a suspensão no fornecimento do serviço, o consumidor tem o direito de pleitear reparação pelos prejuízos sofridos, e requerer o abatimento proporcional dos valores pagos indevidamente na conta ou o ressarcimento do que gastou para suprir a falta de água, conforme estabelece o Código de Defesa do Consumidor.
As companhias fornecedoras de água tem o dever de cumprir o decreto 6.523/2008, conhecido como Lei do SAC.  Se a reclamação relacionada à falta de água não for solucionada o solicitante deverá recorrer aos órgãos de defesa do consumidor da sua cidade, além de registrar a queixa nas agências estaduais, cuja lista pode ser acessada neste link.

Como poderíamos conseguir a anulação do golpe? (Por Míriam M. Moraes)

Botando 600 mil trabalhadores na esplanada, dizendo que só sairíamos de lá com Dilma reempossada. Aos poucos íamos avançando para o Congresso, bem lentamente. Deixaríamos o pessoal sair lá de dentro do Congresso ao fim do dia, mas não deixaríamos mais que entrassem. Já os ministros do STF não deixaríamos sair, faríamos um cerco humano porque eles só sairiam depois de votar anulando o processo do impeachment que se julgarem serão forçados a confirmar a ilegalidade. Em 24 horas os jornais do mundo todo estariam cobrindo o levante. Com o Congresso vazio, a ocupação seria inevitável, porque polícia não atira contra povo quando tem imprensa internacional dando cobertura. Com o Congresso ocupado, Dilma retornaria porque o STF não tem como mostrar um documento ilegal e atestar legalidade, e voltando já convocaria a Constituinte para a Reforma Política e anunciaria eleições para Presidente, Deputados e Senadores sob as novas regras que serão votadas por representantes dos segmentos sociais eleitos por suas categorias, como professores, profissionais da saúde, etc. 
O ANULA pressupõe LEVANTE. Só que o levante contra o GOLPE, pois nisto somos apoiados por toda a imprensa estrangeira e todos os governos, e Trump tá com problemas demais neste momento para se atrever.  Caso aposta que os coxinhas não erguem um dedo para nos impedir. Eles podem não dar o braço a torcer, mas já estão cansados de apanhar deste governo também.

Por Mirim M. Moraes.

Cohidro Canindé faz visita ao Perímetro Irrigado de Tobias Barreto.

Ontem, 09, uma equipe da Cohidro – Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe, do município de Canindé de São Francisco, fez uma visita técnica ao Perímetro irrigado da cidade de Tobias Barreto.
Objetivo foi o de observar projetos desenvolvidos naquela localidade e que possam servir como experiência para a região de Canindé.
A gerente da Cohidro em Canindé, Eliane de Moura Moraes, esteve acompanhada, durante a visita técnica de técnicos agrícolas do Pecal, da diretora da Emdagro - Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe, Rita Selene, do produtor vereador, de Canindé, Adriano Bonfim, do diretor da Cohidro Dr. João Quintiliano da Fonseca e os técnicos locais.
Após a visita as unidades produtivas do projeto Balde Cheio, aconteceu uma palestra e após visita.

Tente explicar a ação do TSE para um gringo. (Por Bruno Catini)

O autor da ação, que perdeu as últimas eleições, não quer a cassação da chapa para não derrubar o governo do qual o seu partido faz parte. A titular da chapa não quer perder os direitos políticos e o vice-titular não quer perder o mandato. Os únicos que torcem pela cassação são o povo e o mercado, um ameaçado por reformas anti-populares e o outro implorando por estabilidade para aprovar as reformas anti-populares. O ministro relator da ação, favorável à cassação, usa em seu voto os argumentos do presidente do tribunal, que é contra a cassação. Os juristas que não acham legítimo alguns juízes terem o poder de derrubar um governo eleito são os mesmos que não veem legitimidade no presidente por este ter conspirado pela queda de sua precessora para instalar um programa de governo radicalmente oposto ao eleito. Se todos os pedidos da ação forem indeferidos, fica no poder um presidente com 3% de aprovação e que foi flagrado consentindo com suborno e obstrução de justiça. Se todos os pedidos forem deferidos, é empossado na presidência o autor da ação (sim, é um dos pedidos), que foi afastado do mandato de senador por corrupção e que apresentou 0% de intenção de voto na última pesquisa. Na melhor das hipóteses, são convocadas eleições indiretas, do que discordam 90% dos brasileiros. E tudo isso por conta de uma ação que teve como objetivo inicial, nas palavras do autor, "encher o saco"

Por Bruno Catini.

MAIS QUE COERÊNCIA, DISCIPLINA. (Por Francisco Costa.)

Talvez por ter começado a militar quase adolescente, numa sanguinária ditadura, e num partido clandestino, envolvido com a luta armada, criei e desenvolvi alguns valores que parecem ter perdido a importância, nessa suruba tupiniquim, de muitos palpites e poucas opiniões, de muita “prática” e nenhuma teoria, criando o que Marx chamaria de bagunça e indisciplina.
O maior deles foi o do centralismo democrático, coluna onde se apóia toda a estrutura de um partido.
No centralismo democrático os votos perdedores se submetem aos votos vencedores, majoritários, e isso é democracia.
Insurgência contra a vontade da maioria é golpe ou tentativa de golpe, traição ao partido e aos companheiros.
A direção do Partido dos Trabalhadores fez a opção: diretas.
Os principais nomes do partido, mais que majoritariamente, em uníssono, por consenso, seguiram a linha do partido: diretas.
A posição oficial do partido é pelas diretas.
Pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha apontou que 90,6% do povo brasileiro querem diretas.
Ora, o que justificaria a insistência em defender outras bandeiras senão o oportunismo de uns, a pouca ou nenhuma politização de outros, de quase todos, a vaidade, o culto a personalidades, a marcação de posição ou qualquer coisa semelhante?
Se o partido não atende mais aos anseios do militante, não corresponde mais aos anseios do militante, não trilha mais o caminho que o militante esperava que trilhasse, é porque chegou a hora do militante buscar outro ninho, mais afim com as suas pretensões, sem a veleidade de achar que pode direcionar um partido.
O que não agüento mais e ver uma minoria barulhenta e radical ficar citando PCO dentro do PT, dando pancadas em Lula (já chegaram a ponto de me chamar de lulo-petista, acreditando que isso é uma ofensa, ou que eu me sentiria ofendido), desqualificando Boulos, Stédile, batendo em Haddad ou alegando machismo o não apoio ao retorno da Dilma, o que fere princípios elementares do feminismo, basta ter alguma leitura.
Ora, se Dilma fez a opção pelas diretas, pedir Anula STF ou Volta Dilma é, mais que fazer oposição ao partido, é fazer oposição a ela, e aí, para justificar, vêm as intuições dallagnolianas, sem respaldo ou provas: ela foi forçada pela direção do partido a tomar essa posição, ela não está satisfeita com a opção pelas diretas... Como se Dilma não tivesse a forte personalidade que tem, ou se valem de afirmações e iniciativas dela em outra conjuntura, trazendo para agora, automaticamente, por transplante puro e simples.
Alguns companheiros vêm se mostrando irritados com esse meu embate quase solitário com esse grupo.
Sei o ônus que estou pagando, e também sei do bônus, e posso afirmar com certeza: o meu saldo é positivo, tanto que foi deliberação do grupo não me contestar mais, o que de fato está acontecendo, exceto por um ou outro mais desligado.
Outros companheiros criticam as minhas provocações ao grupo, acreditando serem gratuitas.
Provocações sim, gratuitas, de maneira alguma. Não faço nada impensadamente, a provocação tem uma razão de ser.
Um fato ocorrido no século passado, em plena ditadura, bem diz do meu posicionamento: reunião da Sociedade Brasileira Para o Progresso da Ciência – SBPC, no Rio de Janeiro.
Debate da ala progressista da Igreja conosco, da esquerda considerada radical, a dos “subversivos”, “comunistas”, “terroristas”, na boca dos generais e da mídia, na concha acústica da UERJ.
Presente a fina flor da resistência religiosa: Boff, Frei Beto, Dom Waldir Calheiros, Dom Pedro Casaldáliga... Não lembro se Dom Evaristo Arns estava e Dom Hélder não foi, tinha outros compromissos.
Em determinado momento tomaram uma prensa da pequena platéia (houve ameaças, antes, o que afastou muita gente): porque a Igreja não se abria para as mulheres, não assumia oficialmente a Teologia da Libertação, acabava com o celibato... E todos vieram com justificativas, conosco notando que ficaram em posição incômoda: a maioria deles concordava conosco, mas se submetia à disciplina clerical, até que Frei Beto sintetizou tudo:
- É o preço que temos que pagar. De concessão em concessão a instituição acaba. 
Grande lição, palavras exatas.
Já comentei, em outros artigos, que fui feroz opositor do PT, quando dirigia um dos maiores e mais influentes sindicatos do país, na época, e porque isso?
O PT era uma frente que mais parecia um aglomerado anarco-sindicalista, com correntes, tendências, grupos... Alguns deles visceralmente inimigos, o que me obrigava a negociar em separado, com um por um (a situação era tão surreal, que cheguei a esconder de uma tendência a posição da outra, sobre determinado ponto de pauta, numa negociação com o patronato, porque o simples fato de que, ainda que boa, qualquer proposta defendida por um era recusada por outro, só para marcar posição. Cheguei a mediar conflitos dentro do PT, sem pertencer ao partido, para a luta sindical caminhar).
Isto atrasou em muito o crescimento e a afirmação do partido, que só se afirmou e elegeu Lula presidente quando estrategistas inteligentes, muito inteligentes, entre eles José Dirceu, depuraram o partido, isolando os radicalismos, dando-lhe unidade.
Não se trata dos militantes virarem vaquinhas de presépio ou rebanho passivo. 
Na última convenção, por exemplo, tivemos os que defenderam Gleise e os que defenderam Lindbergh para a presidência; os que defenderam a aproximação com os golpistas, se Temer continuar, e os que defenderam o isolamento dos golpistas; os que defenderam a participação do partido, se houver indiretas, e os que defenderam a abstenção; os que defenderam o volta Dilma e os que defenderam as diretas... Em discussões muitas das vezes acaloradas, mas isto numa convenção, dentro do partido, e não por insurgência, publicamente, municiando adversários políticos e inimigos de classe.
Não estou petista por ser fã, tiete ou admirador de Lula ou Dilma, embora a minha admiração pelos dois não possa ser medida. 
Acredito que críticas a nomes e comportamentos não só são úteis como necessários (meus seguidores mais atentos já leram críticas minhas a Lula e Dilma, por determinadas iniciativas tomadas ou deixadas de tomar), o que está longe das críticas ao partido como um todo ou da tentativa de desconstruir lideranças.
Estou petista por questão ideológica, por ver no partido o instrumento melhor adequado e melhor aparelhado para promover as mudanças sociais que o país e o povo precisam e reclamam, e para isso é preciso que seja forte e unido, coeso.
Sempre que eu farejar qualquer possibilidade de divisão, fracionamento, enfraquecimento, combaterei, ainda que a posição dos dissidentes seja a minha, porque a unidade é mais importante, bem de acordo com o dito por Frei Beto:
- De concessão em concessão a instituição acaba.

Por Francisco Costa.

Governo vende as plataformas P59 e P60 a preço de banana.

Segundo denuncia do deputado federal baiano Jorge Solla, a Petrobras vendeu as plataformas P59 e P60 no sul da Bahia a 30 milhões cada uma delas. Já para serem construídas, o governo brasileiro pagou 720 milhões pelas duas.
A reclamação do deputado é a de que após a destituição da Presidenta Dilma Roussef, a Petrobras vem sofrendo um desmonte do seu patrimônio através da venda de plataformas e áreas do pré-sal.

Outra reclamação e a de que enquanto o governo vende a empresas estrangeiras plataformas de exploração, ele autoriza o aumento do valor do gás GLP - Gás Liquefeito de Petróleo, ou como conhecemos, gás de cozinha. Deixando que o garanta mais lucro às empresas privadas do setor.

MORO SE DESFAZ. (Por Leandro Fortes)

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) reconheceu, agora há pouco, que o juiz Sergio Moro cerceou a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao não adiar os depoimentos de Emílio Odebrecht e do ex-executivo da empreiteira Alexandrino Alencar.
Na louca cavalgada para retomar o protagonismo da Lava Jato, após ter sido escanteado no processo de delação da JBS, Moro colheu os depoimentos na tarde dessa segunda-feira, de forma irregular, à moda da República de Curitiba.
Assim, o TRF-4 reconheceu que os advogados de Lula foram surpreendidos com novos documentos reunidos pelo Ministério Público Federal para os depoimentos e, portanto, não houve tempo hábil para que a defesa de Lula acessasse a papelada.
O tribunal decidiu que, por isso, as audiências desta segunda deverão ser realizadas novamente, “após as defesas tomarem ciência do conteúdo integral das mídias anexadas”.


Por Leandro Fortes.

População reclama de ter que beber água Salobra em Paulo Afonso.

imagem ilustrativa.

No Povoado Salobra no município de Paulo Afonso/BA, a população reclama que a água consumida lá é salobra. Aquela que apresenta mais sais dissolvidos (cloretos) que a água doce e menos que a água do mar. Simplificando o entendimento, é água que só animal bebe.
Segundo o senhor Júlio César Soares, já fazem nove anos que o último prefeito passou por lá. Com essa ausência as melhorias para aquela população não chegam. “Os nossos políticos são muito lentos” disse ele indignado com a situação que vive.
Outra reivindicação dos moradores é que seja disponibilizado o sinal de telefonia móvel. Na era da comunicação de massa, eles só conseguem se comunicar com as pessoas de fora, através de carta ou quando saem da localidade.
Ao procurar vereadores para conseguir ajuda, César diz que, “a gente pede, a gente implora e ainda fica nessa lerdeza toda e ainda dizem que é preciso falar com o prefeito sua cidade”. Mas se o prefeito não atende os pedidos de um vereador, como vai atender ao dos cidadãos?

“Poxa vida. Isso me dá vontade de não votar em mais ninguém nas próximas eleições” desabafa César em seu pedido de socorro para seu povoado.

...Olho no olho. (Por Emiliano José)

Alguém tinha alguma dúvida do resultado do, vá lá, julgamento do TSE? Desculpem o lugar comum: era a crônica de uma sentença anunciada. As cartas estavam na mesa, ninguém as escondeu, jogo bruto, poder em jogo. Golpe é golpe. Não brinca em serviço. Bota sua tropa em ação. Togada, quando o caso. Ninguém de punhos de renda. Quem roeu unhas perdeu tempo e unhas. Não houve floreios, nem rapapés. Estado de Direito às favas, escrúpulos não há mais. Luta de classes escancarada. Adeus às ilusões, para quem as tinha. Não perdi um mísero minuto assistindo à pantomina. Já sabia a manchete. Agora, reconhecer, para quem ainda não conseguiu ver, o Estado de Exceção. E cantar: um filho teu não foge à luta. E lutar pela volta da democracia. Pelas diretas. Derrotar o golpe. Antes que ele acabe com todos os direitos dos trabalhadores, antes que acabe com esse país chamado Brasil!


Por Emiliano José.

9.6.17

PRECISAMOS DE UM SENADO, COM URGÊNCIA. (Por Francisco Costa)

A escrotidão brasilis atingiu o seu apogeu ontem, num cartório de homologação das vontades empresariais, chamado Senado da República.
Vamos começar do início: Temer, o lacaio da podridão, investigado sob a acusação de organizar e chefiar uma quadrilha, mandou uma PEC para a Câmara, dirigida pelo não menos corrupto Rodrigo Maia(Dem-RJ), com sete(7) propostas que praticamente acabavam com a CLT.
O relator da matéria, deputado Rogério Marinho(PSDB-RN) acrescentou mais de cem(100) emendas na PEC, quase licitando a escravidão, acabando de detonar com a CLT.
Teve deputados tão sem vergonha, tão bem sustentados pelos empresários, que não se dignaram a transcrever o que os empresários mandaram a eles, para ser adicionado à PEC. Simplesmente colaram, eletronicamente, sem sequer terem o cuidado de tirar o timbre da empresa que mandou a emenda.
Em vinte e quatro horas, sem que praticamente nenhum deputado tivesse lido a proposta do relator (ainda que quisessem ler, os mais responsáveis e comprometidos, não teria dado tempo, dado o tamanho e a complexidade do documento), a PEC foi para votação. 
Como era de se esperar, foi aprovada pela Câmara e enviada para o Senado.
Ontem foi dia de discussão e votação, no Senado.
Diante dos discursos indignados da oposição, a PEC foi aprovada, na Comissão de Assuntos Econômicos – CAE, exatamente como veio da Câmara, sem nenhuma alteração, e como isso foi possível?
O projeto é tão desgraçadamente ruim que nenhum senador deixou de fazer restrições a ele, mesmo os do PSDB, PPS e Dem, inclusive o relator, Senador Ricardo Ferraço(PSDB-ES),
O único senador da base do governo que teve coragem de se pronunciar, diante de tanto descalabro, foi José Serra, que não tocou no assunto, limitando-se a falar sobre Banco Central e Taxa Selic.
E porque foi aprovado?
Percebendo que a PEC não passaria, Temer fez o seguinte acordo com a sua base no Senado, os propinados senadores de corrente e coleira, guiados pelos empresários: o Senado aprova tudo como chegou da Câmara e, depois, através de medida provisória – MP, o Presidente veta o que achar conveniente, e aí chegamos a uma suruba que não acontece nem em prostíbulo de quinta categoria.
Primeiro: constitucionalmente o Senado Federal é uma casa revisora, é atribuição do Senado revisar TODOS os textos que chegam da Câmara e da Presidência da República.
Ao abrir mão disso o Senado perdeu a razão de ser, e o que assistimos foi um Senado de joelhos, rendido, servindo de cartório homologador das vontades de Temer.
Ficou assim: Temer fez a proposta, ordenou que a Câmara e o Senado aprovassem como ele queria e, se ele quiser, muda alguma coisa, através de MP. 
Nem na Ditadura Militar, excetuando-se o AI-5, vi uma medida tão antidemocrática, tão ditatorial. Temer, leia-se grande empresariado, se tornou o dono do Brasil.
Segundo: que presidente vai emitir a MP? Temer está sendo julgado no STF e poderá cair dentro de poucas horas.
A Procuradoria Geral da República pode pedir o afastamento de Temer a qualquer momento, se o STF acatar, quem vai sucedê-lo? Quanto tempo depois, em eleições diretas ou indiretas? 
O STF pode anular o golpe, motivos tem, e com provas, reconduzindo Dilma, mas o STF é parte do golpe, o que faz o apagar do sol ou a queda da lua no meu quintal, fatos mais fáceis de acontecerem que Dilma retornar à presidência.
Mais ilícitos de Temer podem e devem aparecer, vão aumentar as pressões nas ruas e na classe política, e, por mais cúmplice que seja, nas falcatruas de Temer-Cunha, Rodrigo Maia acabará tendo que acatar um pedido de impeachment, dentre os muitos que já foram protocolados.
Que MP? Protocolada por quem? Quando? A Lei Áurea está revogada.
Exagero? No próximo artigo mostrarei as belezuras embutidas no monstrengo, mas como o Face está cheio de pseudo feministas, mais preocupadas em bater em Lula e rotular os que defendem as diretas já, do que ler, para entender as bandeiras do verdadeiro feminismo, adianto como a trabalhadora, mulher, será bem tratada, doravante:
1) Gestantes e mulheres em aleitamento materno ficarão OBRIGADAS a trabalhar em ambientes insalubres, ainda que isto possa causar danos físicos e mentais irreversíveis aos bebês, salvo se for impedida por um médico. Detalhe: o médico terá que ser FUNCIONÁRIO DA EMPRESA (na empresa grande o médico estará ao lado do patrão, claro, e as empresas pequenas não terão como pagar médicos, deixando mulheres e bebês sem proteção);
2) As indenizações por assédio sexual, nas empresas, obedecerão a uma escala de valores, respeitando cargos e salários, o que quer dizer que uma operária assediada, humilhada, vilipendiada... Receberá dez vezes menos, de indenização por danos morais, que uma engenheira ou gerente de produção. Para os nossos parlamentares (e para Temer) a moral da pobre é menor ou vale menos que a da rica. Baratinhas para os patrões, as empregadas domésticas tornar-se-ão mucamas, objetos de cama e mesa.
Com a palavra a mulherada que se vestiu com a camisa da CBF e foi para a Paulista, dançar funk e gritar Fora Dilma!

Por Francisco Costa.

Falando verdades. (Por Tico Santa Cruz)

Preparem-se para apertar o botão "DESCURTIR" dessa página - não estou aqui para acumular "almas". 
Vamos falar algumas verdades, desculpe se forem duras para alguns de vocês que me seguem! 
Como não sou de partido nenhum e nem de nenhuma militância, me sinto mais confortável e livre para dizer, doa a quem doer. 

Primeiro - o ato das diretas já está conectado basicamente a ESQUERDA, que é quem está nas ruas desde o impeachment  lutando contra essas reformas absurdas que estão tentando implementar. LOGO, como ao longo dos últimos anos a esquerda foi CRIMINALIZADA, a adesão de pautas puxadas pela esquerda fica restrita a quem se posiciona perto ou realmente a esquerda. 
O problema disso? 
Não fura a bolha! 
Não acessa a grande massa. 
Nem a periferia, que está preocupada em colocar comida em casa e só quer que as coisas melhorem um pouco para voltarem a ter emprego e algum horizonte mínimo e nem a grande classe média, que acha que a culpa de TUDO DE RUIM que aconteceu no Brasil é do PT e então não vai se juntar numa pauta que possa colocar novamente o PT no poder! (Segundo o pensamento largamente disseminado) 

Sim pessoas!!!! O anti-petismo é FUDEROSAMENTE poderoso! As pessoas preferem  perder seus direitos, como a previdência e trabalhistas, do que se juntarem em massa para barrar o crescimento dessa ala que se aproveita do anti-petismo e da criminalização da esquerda para avançar! 

Simples assim: se você não estiver acusando o LULA de ladrão, você é necessariamente PETISTA. 
Ou seja, onde houver uma bandeira VERMELHA, mesmo que erguida para defender uma CONQUISTA IMPORTANTE como a democracia,haverá uma legião contra - sem nem saber porque - e outra grande legião dizendo que é coisa de esquerdista, vagabundo e etc. 

Essa foi a maior vitória dos setores conservadores e reacionários da sociedade! Construir um sentimento que facilita MUITO o avanço da desconstrução do POUCO que foi conquistado! 

Mesmo com TODAS as máscaras de todos os partidos caindo devastadoramente, ainda tem gente achando que a culpa desse caos que estamos vivendo é de um partido e de duas pessoas - Lula e Dilma. Se você OUSAR dizer o contrário, você é Petista e esquerdista vagabundo. 

As pessoas preferem o TEMER no poder, mesmo com todos os escândalos, do que apostar numa eleição direta! Porque estão espalhando por aí que se houver uma eleição direta o Lula vence e o PT volta! 
ENTENDEM? 

As pessoas preferem que esse congresso BANDIDO E CORRUPTO eleja um novo presidente do que irem às urnas votar por alguém democraticamente eleito! 
ENTENDEM? 

Pois bem! É isso! Essa é a infeliz realidade e ainda corremos o risco de ter no ano que vem um candidato ultra conservador de extrema direita a favor da ditadura no poder, do que alguém que possa representar a esquerda! Porque vão usar cada vez mais o ANTI-petismo para eleger mais e mais candidatos por pior que eles sejam! 

Viram no Rio de Janeiro? 
Preferiram eleger um Bispo da Igreja Universal do que um "esquerdista" vagabundo defensor de bandido! - esse é o lema que adotaram - 

Viram em São Paulo? 
Dória disse que o PSDB (santinho do pau oco) não deve desembarcar do governo Temer, porque o real inimigo é o PT. Sendo que o PT nem está mais no poder!

Ciente disto! Entendamos TUDO que vai acontecer no Brasil daqui pra frente! 

As pessoas vão preferir perder TUDO do que notar que o problema é esse sistema e não um partido! 

As diretas tem um simbolismo lindo e meu apoio, mas infelizmente vão ficar só nisso mesmo! A lavagem cerebral foi feita com sucesso! 

Desculpem as verdades!

Por Tico Santa Cruz.

O que é "dar certo". (Por Fernando Horta)

Eu estudo sociedades, pessoas, tempos que existiram ou ainda existem pelo globo todo. Estudo formações sociais, poemas, pinturas, músicas, algumas com 10000 anos de existência.
Artistas, soldados, reis, camponeses, assassinos, políticos, generais, pregadores ... enfim ... todo o tipo humano.
E até agora, vejam só, eu não sei o que é "dar certo". Não sei se é viver como Nikola Tesla, inventor que morreu na pobreza tendo estudado a vida inteira. Não sei se é estudar e ser genial como Alan Turing, sendo morto pela sociedade que ajudou a salvar por causa de sua sexualidade. Não sei.
Não sei se é não se formar e ainda assim se tornar bilionário como Bill Gates. Não sei se é vendendo hamburger como Richard e Maurice Mcdonald. Não sei mesmo.
Não sei se é passando para a posteridade com "Lira dos meus vinte anos" e morrendo antes dos 25 ou, como Victor Hugo, que foi escrever "Os miseráveis" com 60 anos.
Não sei se é ficando cego aos 13 anos e virando um pintor de sucesso como John Bramblitt ou regendo a 9a sinfonia surdo no final da vida para receber (sem poder ouvir) os aplausos de todo o teatro. Realmente não sei.
Não sei se é sendo um pacifista e passando a vida lutando pelos direitos dos negros, até ser assassinado, como Martin Luther King. Ou se é morrendo com vinte anos numa praia do norte da França, ao desembarcar de um navio para lutar contra o nazismo, sem que ninguém ficasse sabendo do seu nome, das suas dores, dos seus sonhos.
Aliás, não sabendo tantas coisas mesmo terminando um doutorado eu acho que também não dei certo.
E não dando certo, eu jamais diria a alguém o que é "dar certo". Nem deixaria alguém pensar que pode dizer quem não deu.
Tudo o que sei é que temos um tempo de existência e devemos responder se demos ou não certo a uma só pessoa, aquela que encaramos no espelho. E só ela pode nos julgar.
Por Fernando Horta.

CUT - ORIENTAÇÕES SOBRE O DIA 20 DE JUNHO – “ESQUENTA GREVE”.

Estamos num momento crucial da nossa história. O governo Temer encontra-se mergulhado na mais profunda crise política e moral. No entanto, tenta mostrar força, agilizando o andamento da  reforma trabalhista e da reforma da previdência  no Congresso.

O presidente Temer, que chegou ao poder através do golpe, não tem condições de propor reformas que prejudicam, de forma tão nefasta, a classe trabalhadora e a população brasileira. Da mesma forma, a maioria de parlamentares, que  foi eleita com financiamento de empresas, está sendo cobrada agora para pagar agora a fatura,  votando a favor das reformas.

Nas mobilizações que temos feito, nos debates em que participamos, a CUT tem afirmado publicamente sua posição de não aceitar a retirada de direitos dos/as trabalhadores/as. O marco desta luta tem sido a palavra de ordem: NENHUM DIREITO A MENOS! Por este motivo, exigimos a retirada imediata  das reformas da pauta do Congresso. 

Só temos uma caminho para barrá-las: o da luta. Por isso, a CUT e as demais centrais sindicais se reuniram na manhã de segunda-feira (05/06) e indicaram 30 de junho como a data da próxima Greve Geral. A data será referendada por categorias em plenárias e assembléias estaduais. 

Primeiro, as categorias devem referendar o dia 30. A preparação começa imediatamente e o “esquenta greve  está marcado para o próximo dia 20, com panfletagem e diálogo com a população pela manhã, e atos durante a tarde. Será um dia de grande mobilização nacional com protestos, ações em todas as capitais, assembléia nas portas de fábrica, paralisação de lojas, bancos, comércios, enfim, uma grande manifestação criando condições para a Greve Geral do dia 30.

Além de barrar as reformas, nossa luta é pelo FORA TEMER e por DIRETAS JÁ! 

Sergio Nobre
Secretário Geral 
Maria Ap. Faria
Secretária Geral Adjunta

A branquitude da esquerda e da direita brasileira. (Por Ícaro Jorge)

A branquitude está na esquerda, assim como está na direita, a diferença é que a primeira mascara e a segunda escancara. 

Ultimamente, tenho visto as "caras" que nascem na esquerda como futuros rostos promissores a ter voz, espaço e disputar a política de forma protagonista no Brasil. As figuras da juventude de esquerda que estão em enfase, atualmente, demonstram que por mais que a juventude negra tenha se tornado protagonista em diversos processos de luta, ainda assim, não os vemos como protagonistas dos espaços. 

A questão aqui, vale ressaltar, não são os trabalhos que são feitos e a potencialidade das figuras brancas de esquerda, mas o questionamento do porquê figuras negras que possuem envolvimento e militância diaria não ocupam espaços políticos de importância maior.

A pergunta que não cala: Nós, pessoas negras, estamos lutando para disputarmos uma nova narrativa em conjunto, ou lutando para fotalecer a narrativa da branquitude de esquerda?

É, por isso, que por muitas vezes, não discrimino os quadros negros que preferem assumir a carapuça de partidos moderados. Na minha concepção, não cabe ser moderado em nenhuma conjuntura, mas se não somos contemplados em nenhum campo, o pensamento de negociação entre todos, não é de todo errado.

Pensar revolução é antes de tudo entender as diferentes faces do proletariado e ter o entendimento de que os espaços precisam ser ocupados de forma qualitativa e quantitativa, inclusive nos partidos de esquerda. Além de entender, que o uso da mìdia, também deve nos fortalecer enquanto quadros negros da polìtica. 

Ícaro Jorge 
Diretor do Ocupa Preto
Militante do coletivo Sankofa
Militante petista.

Políticas públicas para comunidades quilombolas em Sergipe são tema de audiência pública.

Nessa sexta-feira, dia 9, será realizada uma audiência pública para debater as políticas públicas e as questões ambientais nos territórios quilombolas de Sergipe. Fruto de um requerimento apresentado pelo deputado federal João Daniel (PT) aprovado na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados, o evento acontece a partir das 9 horas, no plenário da Assembleia Legislativa de Sergipe.

Com a presença lideranças de comunidades quilombolas sergipanas e autoridades ligadas ao tema, a audiência pública tem como objetivo fazer um debate, apresentando demandas e buscando solução para as políticas quilombolas que estão paralisadas. Entre os nomes confirmados que estarão participando do evento estão o diretor de Ordenamento da Estrutura Fundiária do Incra nacional, Rogério Arantes; o coordenador geral de Política Quilombola do Incra, Antônio Oliveira Santos; a procuradora de República Lívia Tinoco; a presidenta da Federação Quilombola de Sergipe, Xifroneze Santos; e o coordenador do Movimento Quilombola Estadual, Wellington Nascimento.

Leia matéria completa aqui.

Eleições de 2018 pode ter uma reprise de 1989 ( Por Guido Rezende.)

Poucos lembram das eleições de 1989, onde tivemos 22 candidatos a Presidente do Brasil. Costumamos lembrar só dos mais pitorescos, como Maluf, Silvio Santos, Affif Domingos, Enéas, Caiado e Ulisses Guimarães.
Estou cada vez mais convencido que a direita apresentará vários candidatos, não comungo da ideia dos que afirmam que a direita tá unida, aliás nem o maior partido de direita está unido, o PSDB está sim dividido. Temos ainda outros postulantes da direita tradicional, e da direita radical. 
O PMDB acaba de dá um intimato no PSDB, disse Jucá. Se o PSDB nos abandonar não apoiaremos eles em 2018.
Portanto, em minhas contas a direita tem hoje no mínimo  08 candidatos a Presidente em 2018.

E a esquerda como está?

A esquerda só tem o lula com potencial de disputa, os demais partidos tem apenas figurantes no baile. Não consigo levar a sério candidatos do PSTU e do PSOL. Apesar de achar legítimos e respeitá-los. O PCdoB e PCO já estão conosco, o PDT e PSB não sabem bem o que fazer ainda.
Lula já está organizando o debate sobre os desafios para o País pós golpe. Começou com os economistas, esta semana com o pessoal da educação, depois o pessoal da saúde e assim ele vai organizando suas falas.
Não há possibilidade de uma eleição democrática no país em 2018 sem a participação do lula.
Nesse sentido ele tem organizado sua defesa e começa a construir os diálogos com setores dá sociedade.
Portanto, tenho muito claro que a direita que deu o golpe agora já não sabe bem o que fazer com seus cadáveres.

Por Guido Rezende.

Encontro promovido pela Secom reúne mídia do extremo sul baiano.

Aperfeiçoar a relação com a mídia do interior e buscar a proximidade com os formadores de opinião local, para poder assegurar que as informações cheguem sem distorções. Com esse propósito, a Secretaria de Comunicação Social do Estado (Secom) apresentou seus principais projetos e ações à imprensa de Teixeira de Freitas e região do extremo sul da Bahia, durante encontro realizado no espaço Cenarium Eventos, com a presença de representantes da imprensa regional e de profissionais do segmento da comunicação.

O secretário André Curvello afirmou durante o encontro, na quarta-feira (7), que o Governo do Estado tem buscado otimizar a relação com a mídia do interior, “garantindo maior participação dos profissionais e dos veículos de comunicação nas ações desenvolvidas pela Secom”. Ele informou ainda que já foram direcionados mais recursos em publicidade regional como forma de incentivar e fomentar a atividade em cidades de pequeno, médio e grande portes, favorecendo o desenvolvimento local. 

Segundo Curvello, a Secom tem realizado encontros e conferências, incentivando o debate e criando um ambiente de maior interação entre a mídia e o Governo. Outra ação importante tem sido a realização de cursos e oficinas de capacitação. “Nosso compromisso é garantir o máximo de transparência, e essa aproximação com a mídia regional é fundamental para assegurar que as informações cheguem de maneira clara e rápida ao cidadão”.

O encontro teve a presença ainda dos coordenadores de Rádio e de Mídia da Secom, Edmundo Filho e Tiago Leão, respectivamente, da diretora da Agência Objetiva, Marta Dórea, do prefeito Temoteo Alves de Brito e seu assessor de imprensa, Élio Ledo, do prefeito de Alcobaça, Léo Brito, representando a Associação dos Prefeitos do Extremo Sul (Apes), empresários ligados à comunicação e proprietários de agências de publicidade da região.

Foto: Wesley Morau.

8.6.17

Bahia terá três centros de treinamento de canoagem

Logo após conquistar a primeira de suas três medalhas na canoagem de velocidade na Olimpíada do Rio, na C1-1000, Isaquias Queiroz era só felicidade, mas não perdeu a oportunidade de estar nos holofotes para cutucar os políticos do país. “Essa medalha tem um significado especial por ter vindo de um projeto social, mas me dá tristeza ver que isso acabou no Brasil. Se vocês tiverem como tirar fotos dessa medalha, mostrem aos nossos políticos no Planalto para que eles parem de brigar entre si e continuem a buscar novos atletas. Tomara que o meu resultado e o da Rafaela [Silva, ouro no judô], que viemos de setores não muito favorecidos da sociedade, possa abrir os olhos do governo para a importância desses projetos”.

Quase um ano mais tarde, as declarações do superatleta ubaitabense surtiram efeito real. Na tarde desta quarta-feira, 7, Isaquias Queiroz, ao lado do ubatense Erlon Silva, prata na Rio-2016 com Isaquias no C2-1000, esteve no lançamento dos editais do Governo da Bahia para licitação de construção de três centros de treinamento de canoagem, nas cidades de Itacaré, Ubaitaba e Ubatã. O evento foi realizado na Governadoria, em Salvador, e teve a presença dos medalhistas olímpicos, além de prefeitos das cidades contempladas, treinadores e outros atletas da canoagem.

O investimento do Governo do Estado no projeto será de R$ 3,2 milhões. As propostas de construção serão recebidas até 7 de julho. Após análise, será assinada a ordem de serviço. “Considerando que cada um desses centros levará entre seis meses e um ano para ficar pronto, eu acredito que, a partir do início do primeiro trimestre do ano que vem, já teremos pelo menos um pronto. Ao longo do segundo trimestre, os outros dois estarão prontos, de forma que os três centros de canoagem deverão ser operacionais ainda no primeiro semestre de 2018”, explicou o secretário da Casa Civil, Bruno Dauster.

Veja a matéria completa atarde.com