20.5.17

QUAL O JOGO DA GLOBO?

Surpreendida pelas denúncias de ontem, a emissora dos Marinhos foi pesado para cima de Temer, tentando se desembaraçar de suas responsabilidades pelo governo usurpador e acumulando pela saída indireta via Congresso Nacional.

Hoje mudou sutilmente de tom, mas arrefeceu a artilharia contra o usurpador - dando mais espaços ao próprio e seus aliados, minimizando a crise na base aliada e mostrando imagens já esvaziadas das manifestações de protesto.

Outros meios de comunicação, após a divulgação dos áudios, caminham na mesma direção. A manchete do UOL, por exemplo: "Diálogo inconclusivo".

Pode estar em curso um freio de arrumação entre as elites, buscando narrativa e formas de salvar Temer, para impedir a escalada do movimento pelas diretas já se a alternativa for eleger novo presidente no parlamento.

Se assim for, a mobilização de rua, nos próximos dias, joga papel ainda mais relevante e decisivo.

Um potente domingo de marchas e atos pelas diretas aprofunda a crise do governo golpista e aperta a corda em seu pescoço.

Esse é o caminho central se quisermos efetivamente derrotar o golpe, aproveitando a janela aberta pelas denúncias e gravações do dono da JBS.

Breno Altman

Nota da CNBB após escândalo das delações da JBS

Brasília (DF) - A CNBB emitiu uma nota após a divulgação de áudios de Joesley Batista, um dos proprietários da JBS, envolvendo políticos brasileiros.
Abaixo, a íntegra da nota:
***
Pela Ética na Política
Nota da CNBB sobre o Momento Nacional
“O fruto da justiça é semeado na paz” (Tg 3,18)
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, por meio de sua Presidência, unida aos bispos e às comunidades de todo o país, acompanha, com espanto e indignação, as graves denúncias de corrupção política acolhidas pelo Supremo Tribunal Federal. Segundo a Constituição, Art. 37, é dever de todo servidor público, principalmente os que detêm elevadas funções, manter conduta íntegra, sob pena de não poder exercer o cargo que ocupa.
Tais denúncias exigem rigorosa apuração, obedecendo-se sempre as garantias constitucionais. Apurados os fatos, os autores dos atos ilícitos devem ser responsabilizados. A vigilância e a participação política das nossas comunidades, dos movimentos sociais e da sociedade, como um todo, muito podem contribuir para elucidação dos fatos e defesa da ética, da justiça e do bem comum.
A superação da grave crise vivida no Brasil exige o resgate da ética na política que desempenha papel fundamental na sociedade democrática. Urge um novo modo de fazer política, alicerçado nos valores da honestidade e da justiça social. Lembramos a afirmação da Assembleia Geral da CNBB: “O desprezo da ética leva a uma relação promíscua entre os interesses públicos e privados, razão primeira dos escândalos da corrupção”.
Recordamos também as palavras do Papa Francisco: “Na vida pública, na política, se não houver a ética, uma ética de referimento, tudo é possível e tudo se pode fazer” (Roma, maio de 2013). Além disso, é necessário que saídas para a atual crise respeitem e fortaleçam o Estado democrático de direito.
Pedimos às nossas comunidades que participem responsável e pacificamente da vida política, contribuam para a realização da justiça e da paz e rezem pelo Brasil.
Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, nos ajude a caminhar com esperança construindo uma nova sociedade.
Cardeal Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília
Presidente da CNBB
Dom Murilo S. Ramos Krieger
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Vice-Presidente da CNBB
Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB

19.5.17

Kid Vinil - Sou Boy.

Gravações feitas por Joesley começaram antes do acordo de colaboração premiada.

Sob o número 84781/2017 foi aberto, pelo Ministro do Superior Tribunal Federal Edson Fachim, o processo penal contra o atual presidente da república, Michel Temer, o senador Aécio Neves e o deputado federal Rodrigo Santos como “sigiloso”. É parte de um acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal.

Segundo a PGF, Temer teria cometido crime de Corrupção Passiva, (art. 317 CP), Constituição e Participação em Organização Criminosa (art. 2º Lei 12850/13), Obstrução a Investigação e Organização Criminosa (art. 2º, l § da Lei 12850/13).
Consta no processo que o Ministério Público Federal teria sido procurado pelos donos da J&L com o objetivo de que fosse feito o acordo de colaboração premiada. Eles foram avisados de que a PRG seria o órgão com atribuições para tal acordo. Já que haveria pessoas com foro privilegiado no STF envolvidas nos crimes.

Joesley Mendonça Batista, pelo que se sabe agora, teria ido de forma voluntária buscar uma saída para a sua situação. E ele encontrou. Durante o primeiro encontro, no dia 07 de abril de 2017, ele mostrou documentos referentes a diversos crimes, o que deu credibilidade a sua narrativa. Na leitura do processo, se vê que o mesmo já vinha gravando pessoas, com o intuito de buscar, através das denúncias das mesmas, conseguir obter privilégios nas suas possíveis condenações.

Os responsáveis pela tomada de depoimento foram, Pedro Jorge Costa, Eduardo Pelella, Ronaldo Pinheiro de Queiroz e Sérgio Bruno Cabral Fernandez. Junto com Joesley estava seu advogado Francisco de Assis de Oliveira.

Preocupado com vazamentos, Rodrigo Janot, Procurador Geral, pede que o acesso as informações do processo fiquem restritas ao delegado federal, Joselio Azevedo de Souza, aos policiais por ele indicado, e sendo vedada vedado o compartilhamento a qualquer outra pessoa, mesmo que superior hierárquico. Mesmo com todo esse cuidado, agora se sabe que ocorreu vazamento e que o jornalista Lauro Jardim.

COPIA COMPLETA DO PROCESSO AQUI.

A Banda Órbita Móbile lançará em Breve uma HQ para o seu público.

A HQ – História em Quadrinhos, conta a história de um futuro em que a humanidade não pode mais sonhar e teria criado um algoritmo para recuperar essa capacidade. O sonho é uma experiência humana que possui significados distintos a cada pessoa. “Sonhar acordado” é uma das maiores experiências vivenciadas por todos. Neles, podemos ir, ter, conquistar o que quisermos. Fora dele, o mundo é cinza. Já para a ciência, o sonho é uma experiência de imaginação do inconsciente durante nosso período de sono.
A informa que a revista também é um atalho para disco, Sonho Robô, com letras e cifras.

No release da Banda, eles informam que, “O Sonho Robô tem essa vibração em suas composições e isso fica bem claro logo em sua primeira música, Embalado à Vácuo, possuindo sintetizadores em bastante evidência, um discreto órgão panorâmico passeando de um ouvido ao outro, texturas sintéticas de guitarra e uma influência forte de mangue beat. Em O que Mais uma guitarra mais groovada chama o conjunto de metais que tem uma presença significativa nessa canção com bons arranjos, assim como na boa colocação das backing vocais femininas no refrão da letra, onde o autor procura saber o que mais o outro alguém vai querer dele. A faixa título se inicia com um momento mais psicodélico dentro da obra, se aprofundando ainda mais no seu conceito com arranjos vocais interessantes, com e sem efeitos, para depois crescer em uma velocidade futurista e frenética até o seu final”.

Para ter acesso ao download do disco, acesse aqui.
Para baixar os quadrinhos, acesse aqui.

Opinião do Nassif: O fim do governo Temer.

NOTA DA COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL DO PT.

As denúncias contra o usurpador Michel Temer e vários de seus aliados, incluindo o senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB, desmascaram em definitivo o bloco golpista.

Provas materiais, irrefutáveis, comprovam a natureza corrupta da coalizão de forças que se apossou do poder e vem impondo ao País uma agenda de “reformas” antipopulares, antinacionais e antidemocráticas.

Para viabilizá-las, principalmente a malfadada liquidação da previdência e dos direitos trabalhistas, o governo Temer recorre às mais nefastas práticas fisiológicas, à oferta de propinas e à malversação de recursos públicos. Tudo para atender às demandas do mercado e pagar a fatura ao grande capital que o colocou na presidência.

O país somente poderá superar a atual crise com o imediato afastamento de Michel Temer, a retirada das “reformas” antissociais e a convocação de eleições diretas já.

Conclamamos nossa militância a se engajar nas mobilizações por diretas já convocadas pela Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo, a começar pela jornada de lutas do próximo domingo, dia 21 de maio, em todo o território nacional.

Conclamamos à unidade de todas as forças progressistas e democráticas para acabar com o governo usurpador e suas reformas antipatrióticas, exigindo que o poder seja devolvido ao seu único soberano, o povo brasileiro.

Não haverá saída democrática sem o voto universal, livre e direto.

Qualquer tentativa de impor soluções sem novas eleições presidenciais diretas representará a continuidade do golpe contra a democracia.

São Paulo, 18 de maio de 2017

Comissão Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores

Tá na internet: Dessa foto, só o fotografo não vai ser preso.


TEMER NÃO RENUNCIOU. HÁ MALES QUE VÊM PARA O BEM. (Por Francisco Costa)

Alguns acham que sou pragmático, outros, que sou calculista, na verdade mais ou menos a mesma coisa, e talvez por isso temi pela renúncia de Temer.
Explico: desde o início dos trabalhos estou assistindo as sessões na Câmara e no Senado (já terminaram) e os golpistas querem a renúncia de Temer e eleições indiretas. A oposição quer a renúncia e eleições diretas, equivocadamente (e relação à renúncia).
Os golpistas são maioria e, como nas reformas, passa o que eles quiserem.
O que diz a Constituição? Havendo vacância na primeira metade do mandato presidencial, o presidente da Câmara assume e chama eleições diretas em 180 dias. Se for na segunda metade do mandato, caso atual, o Presidente da Câmara assume e chama eleições indiretas em 30 dias.
Então não há possibilidade de eleições diretas?
Há. Para isso basta que o Congresso edite e aprove uma PEC estabelecendo eleições diretas extemporâneas, fora do período normal.
Isto demoraria meses. Ocorre que há dois projetos de PEC no Senado e três na Câmara, versando sobre o assunto, o que reduz o tempo de tramitação à metade.
Os partidos de oposição pretendem desarquivá-los e por para tramitar, o que demandará mais de um mês.
Se Temer tivesse renunciado não haveria tempo hábil para as diretas, com ele sangrando no Jaburu haverá.
Pelos discursos de hoje, os golpistas não admitem as diretas e por um motivo que não escondem: têm certeza que Lula é imbatível.
Isto desmascara o caráter golpista da direita brasileira: se as pesquisas revelam que o partido de preferência do brasileiro é o PT, com 20%, seguido do PSDB, com só 4%, e que Lula tem 47% das intenções de votos, vencendo as eleições no primeiro turno, sejam quais forem os adversários, eleições indiretas seriam o oportunismo de duzentos ou trezentos parlamentares se sobrepondo à vontade de meia centena de milhões de eleitores.
Como são maioria no Congresso, só as mobilizações nas ruas neutralizarão, e para isso precisaremos de mais de um mês, como nas Diretas Já da emenda Dante de Oliveira.
Continua por aí, Temer, só mais um pouco, até o povão ir para as ruas.

Francisco Costa
Rio, 18/05/2017.

PS: há a possibilidade de impeachment, e vários pedidos já foram protocolados, mas isso demandaria meses na tramitação, dando tempo do povo se mobilizar.

NOTA OFICIAL DA OAB/RJ.

O Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção do Estado do Rio de Janeiro, em sessão ordinária realizada no dia 18 de maio de 2017, quando foram discutidos os graves fatos noticiados pela imprensa brasileira acerca do possível envolvimento do senhor presidente da República, Michel Temer, com a corrupção endêmica que assola o país e é hoje investigada pela operação Lava-Jato resolve:

1)  Pelo entendimento de que não há outra saída para o país senão a discussão e a implementação de uma reforma política que verdadeiramente permita a separação entre os interesses públicos e privados;

2) Defender a paralisação de todas as reformas em curso, tendo em vista a patente ausência de legitimidade do senhor presidente da República para liderar este processo;

3)  Outorgar ao presidente da Seccional Rio de Janeiro da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, a representação para que adote quaisquer medidas que tenham por objetivo o afastamento do presidente da República, Michel Temer, em nome deste Conselho, na sessão extraordinária do Conselho Federal da OAB que se realizará no dia 20 de maio de 2017, em Brasília;

4)    Apoiar a PEC 227/2016, que possibilita a restauração da legitimidade democrática, que neste momento só pode ser obtida através de eleições diretas para a Presidência da República, devolvendo ao povo o protagonismo que lhe pertence;

5)    Adotar luto oficial pela OAB/RJ, com a consequente iluminação do prédio da Seccional na cor preta, até o efetivo afastamento do senhor Presidente da República, Michel Temer.

Rio de Janeiro, 18 de maio de 2017.

Governo do Estado lança edital do Hospital Metropolitano.

O Governo do Estado publicou na edição do Diário Oficial desta sexta-feira (19) o edital para construção do Hospital Metropolitano, que será construído no município de Lauro de Freitas, ao lado da Via Parafuso. O anúncio foi feito nesta manhã pelo governador Rui Costa em suas redes sociais.

Com o investimento estimado em R$ 150 milhões, a unidade será referência para casos de urgência e emergência, trauma, acidente vascular cerebral (AVC) e contará com 265 leitos, sendo 30 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI). Um dos destaques do projeto é a Unidade de Atenção ao Acidente Vascular Cerebral (UAVC), que atende pacientes acometidos pelo Acidente Vascular Cerebral (isquêmico, hemorrágico ou ataque isquêmico transitório), na fase aguda, ofertando tratamento trombolítico venoso, reabilitação precoce e investigação etiológica completa. Também disponibilizará serviços de alta complexidade em neurocirurgia.

O hospital contará com oito salas de cirurgia e enfermarias nas especialidades de clínica geral, clínica cardiológica, clínica neurológica, cirurgia geral, cirurgia urológica, vascular, gastro e neurológica. Terá ainda setor de imagem e diagnóstico para realização de exames como tomografia, ressonância magnética, ecocargiograma e ultrassom. Um heliponto também será construído para uso nos casos mais urgentes.

A unidade será referência para os municípios de Camaçari, Candeias, Dias D’Ávila, Itaparica, Lauro de Freitas, Madre de Deus, Mata de São João, Pojuca, Salvador, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passé, Simões Filho e Vera Cruz.

18.5.17

Humorista Gustavo Mendes manda recado a todos como Dilma.

video

POR QUE A GLOBO FEZ O QUE FEZ?

Fernando Horta: "Muitos estão perguntando o porquê da Globo fazer o que fez. Vou tentar lançar luz aqui.

Quem trabalha com publicidade em SP sabe que há anos a Globo vem no vermelho. Seus custos são muito altos e desde que surgiu google, facebook e netflix ela não recebem mais quase 80% da verba de publicidade. A verba destinada à Globo vem caindo e cada vez mais rápido toda vez que se mostra que as pessoas ficam mais tempo no computador do que vendo televisão.

A JBS é a terceira maior anunciante da Globo. Sem o dinheiro da JBS a globo não paga as contas do mês. Quando da operação a "Carne é Fraca" a JBS perdeu algumas centenas de milhares de dólares e seu dono percebeu que estaria correndo risco. 

A JF Holding também está prestes a fazer uma abertura de capital bilionária na Bolsa de Nova York e os irmãos já tratam com a Justiça americana limpar o nome da empresa para seguir em frente. Os irmãos Batistas, bem orientados por advogados, decidiram pela delação premiada no Brasil e num pagamento de multa nos Estado Unidos numa estratégia para salvar o seu grupo empresarial. Em suma, governos passam, mas a empresa fica. Secretamente ele foi à procuradoria fazer delação sabendo que com Moro ele não a teria.

Percebendo que mesmo com a delação a JBS seria cobrada por mais de 700 milhões de prejuízo do BNDS (que corrigidos e com multa ia para algo dos 3 bi) e ainda seria preso (como foram Odebrecht e Eike).

O dono da JBS largou a delação para vários meios de informação. Quem desse o furo levava. A Globo poderia tentar segurar mas perderia o seu terceiro maior anunciante e quando outras emissoras ou mesmo as redes mostrassem a delação ficaria impossível (até para os mais tapados) deixar de reconhecer a globo como acobertadora de corruptos. 

A Globo internamente julgou que o menor prejuízo dela seria colocar o governo Temer abaixo e agora tentar uma coalizão política para não deixar o país afundar na crise. A Globo precisa de uma coisa urgente: uma mudança de lei. Ela está falida mas a lei brasileira não permite a venda de empresas de telecomunicações a grupos estrangeiros (os únicos com grana para comprar a globo). Então ela precisa desta mudança. Lula não precisa fazer nada para ferrar a globo, basta vetar a lei que permitiria venda a grupo estrangeiro.

Diante da sinuca de bico que a JBS colocou a globo, ela escolheu tentar sair de heroína, imaginando que poderá manobrar sua legião de zumbis para TENTAR se salvar. Com o que fez hoje, a globo entrega os anéis e espera salvar os dedos."

Fora Temer! Diretas Já! (Frente Brasil Popular)

1.A Frente Brasil Popular, o Partido dos Trabalhadores, a CUT, o MST, a CMP, a UNE e todas as organizações do campo democrático, popular e de esquerda precisam convocar imediatamente manifestações, a serem realizadas em todas as cidades brasileiras, especialmente no próximo domingo 21 de maio, em defesa do Fora Temer e Diretas Já.

2.A mobilização popular, convocada imediatamente pela esquerda, é a única maneira de impedir que o afastamento de Temer se converta em senha para um golpe dentro do golpe. 

3.No leque de alternativas do golpismo está cassar Temer no TSE, dar posse a Carmem Lúcia (que, previdente, já tinha montado um conselho de notáveis empresários) e constituir um governo de "união nacional", de natureza judicial-militar.

4.Como isto não resolve o que para eles é um "problema" — a eleição presidencial direta em 2018 e a possibilidade de Lula ser eleito — cresce entre os golpistas a proposta de convocar um arremedo de Constituinte, transgênica e sem povo, para legalizar as contrarreformas e instalar o parlamentarismo.

5.Este plano, assim como as outras variantes imaginadas pelos golpistas, pode virar pó se a esquerda convocar imediatamente o povo para as ruas, exigindo Fora Temer e Diretas Já. 

6.Se a esquerda demorar ou não cumprir seu papel, a direita tomará a iniciativa, com propostas salvacionistas e autoritárias.

7.É hora de transformar a crise institucional numa crise de regime. Derrubar Temer, convocar Diretas Já, eleger não apenas um presidente mas também uma Assembleia Nacional Constituinte.

Exercícios talvez ociosos sobre o futuro próximo.

Soluções (pseudo) constitucionais:

(1) Temer fica. Ele se segura em sua base no Congresso e no apoio de Rodrigo Maia, que, ciente de que seria o próximo a ser comido, rejeita todos os pedidos de impeachment. De alguma maneira, Temer consegue convencer as classes dominantes de que é melhor ficar com ele, apesar do desgaste, do que enfrentar outras turbulências. É nisso que o próprio Temer está apostando, como mostra a nota - absolutamente protocolar - de desmentido das denúncias que ele lançou agora de noite. É o desmentido de quem aposta num jogo de cena, de quem aposta que vai haver consequência zero, como em todas as outras vezes em que ele foi citado em casos de corrupção. O resultado líquido dessa solução é a desmoralização absoluta do sistema político brasileiro. Torna ainda mais escandalosa a eventual condenação de Lula e destrói de vez as chances de eventuais candidatos ligados ao núcleo do governo (PMDB-PSDB). A realização das eleições de 2018 fica incerta.

(2) Temer sai. Rodrigo Maia conduz uma eleição indireta, em que parlamentares que não dispõem de nenhuma credibilidade popular escolhem alguém que seja capaz tanto de posar de sério quanto de manter a bandalheira; ou seja, alguém como FHC ou Jobim. O novo governo será naturalmente "de salvação nacional" e se arrastará pelo restante do mandato que era de Dilma. As "reformas" serão retomadas em ritmo acelerado, para não ser desperdiçada a janela de oportunidade que o golpe criou. O resultado líquido dessa solução é a desmoralização absoluta do sistema político brasileiro. Torna ainda mais escandalosa a eventual condenação de Lula e destrói de vez as chances de eventuais candidatos ligados ao núcleo do governo (PMDB-PSDB). A realização das eleições de 2018 fica incerta.

(3) Temer nem sai nem fica. Inventa-se um parlamentarismo de ocasião. Arranja-se um primeiro-ministro qualquer, um parlamentar pouco expressivo e pouco visado, que fique feliz com o cargo e não atrapalhe, tipo um Cristovam Buarque, e os oligarcas dos partidos passam a controlar diretamente o festim. O resultado líquido dessa solução é a desmoralização absoluta do sistema político brasileiro, mas, pelo menos por algum tempo, não precisam se preocupar com eleições presidenciais.

Outras soluções:

(4) Temer cai e é seguido por Rodrigo Maia e Eunício Oliveira. Cármen Lúcia assume a presidência. Uma vez que o Congresso não tem autoridade moral para escolher um novo presidente, ela fica com o cargo. Assim, o Judiciário se dá a tarefa de limpar a política brasileira, convenientemente poupando a si próprio. A única maneira de buscar apoio para esse projeto é adotando um discurso altamente antipolítico, conservador e autoritário. Cármen Lúcia, portanto, é a pessoa certa para a função.

(5) A bagunça é percebida como tão intratável que é feito o tradicional apelo aos militares. Um golpe clássico é desferido e uma junta toma o poder, para promover a tal limpeza do Brasil. Por tempo limitado, claro, só até o fim de 2018, quem sabe um pouquinho mais...

Qualquer um desses cenários inclui aumento da repressão política  e vigência ainda mais incerta das liberdades. Penso que, no momento, essa deve ser a preocupação central das forças populares: proteger os direitos, as liberdades e a esperança de retorno da democracia.

Não creio que seja realista pensar em uma anulação do golpe e retorno da presidente legítima ao poder. Nesse momento, talvez a bandeira deva ser a convocação de eleições gerais, que é simples, tem apelo e retira a decisão do âmbito exclusivo das elites.

Por Luis Felipe Miguel( Cientista Político/ UnB).

Eleições diretas ou o caos. (Por Francisco Prehn Zavascki)

O PMDB está no poder desde sempre e, como todos sabemos, estava com o PT aproveitando tudo de bom que o Governo pode dar... até que veio a Lava jato. 
A ordem sempre foi a de parar a Operação (isto está gravado nas palavras dos seus líderes). Todavia, ao que parece, até para isso o PT era incompetente e, ao que tenho notícia, de fato, o PT nunca tentou nada para barrar a Lava Jato (ao menos o pai sempre me disse que nunca tinham tentando nada), o que sempre gerou fortes críticas de membros do PMDB. 
O problema é que as investigações começaram a ficar mais e mais perto e os líderes do PMDB viram como única saída, realmente, brecar a Operação a qualquer custo. Para isso, precisava do poder. Derrubaram a Dilma e assumiu o Temer. Do que eles são capazes? Será que só pagar pelo silêncio alheio? Ou será que derrubar avião também está valendo? 
O pai sabia de tudo isso. Sabia quanto cada um estava afundando nesse mar de corrupção. Não é por acaso que o pai estava tão afilho [sic] com o ano de 2017. 
Aflito ao ponto de me confidenciar que havia consultado informalmente as Forças Armadas e que tinha obtido a resposta de que iriam sustentar o Supremo até o fim!
Que gente sínica [sic]. Não tem coisa que me embrulha mais o estômago do que lembrar que, no dia do velório do meu pai, diante de tanta dor, ainda tive que cumprimentar os membros daquele que foi apelidado naquele mesmo dia de o “cortejo dos delatados”. 
Impeachment já!
Desculpem o desabafo, mas não tenho como não pensar que não mandaram matar o meu pai!

Postado no Facebook de Francisco Prehn Zavascki.

Este post foi apagado em seguida a sua repercussão.

ACM Neto nomeia ex-prefeito cassado pela emissão de 1.162 cheques sem fundos.

Neste momento que toda a sociedade brasileira clama por um combate sistemático a corrupção, o Prefeito de Salvador ACM Neto nomeia para subchefia de seu Gabinete o ex-prefeito de Amargosa, Rosalvinho Sales em substituição a Ângelo Mario Peixoto de Magalhães Neto.

O ex-prefeito Rosalvinho Sales que na ultima eleição sofreu uma derrota esmagadora em Amargosa, ficou conhecido nacionalmente em uma publicação da Revista Veja do dia 28 de abril de 2004, em que aparece entre os quatro prefeitos mais corruptos do Brasil. Ele foi afastado pela justiça local e depois cassado pela Câmara de Vereadores de Amargosa por ter cometido varias irregularidades, entre elas a mais grave com a emissão de 1.162 cheques sem fundos.

Na eleição de 2014, o ex-prefeito apoiou o deputado Estadual Eduardo Sales que quando secretário manteve a esposa de Rosalvinho Sales como assessora na Secretaria de Agricultura do Estado da Bahia.

17.5.17

Temos esperança, ainda existe Néviton Guedes! (Por Tânia Mandarino)

Em 2008 cursei um semestre da Escola da Magistratura Federal, em Curitiba, iniciando uma pós em Direito Público, que não concluí.
Néviton Guedes era meu professor de Teoria da Constituição e o escolhera para orientador da monografia, com imensa admiração por seu conhecimento e a forma ampla como nos trazia a discussão sobre os princípios norteadores da interpretação constitucional.
Na ocasião Procurador da República, Néviton mais tarde se tornou desembargador do TRF1 pelo quinto.
Já fora da escola da magistratura, me lembro de ter vibrado muito, pois o paraibano despertara para sempre minha admiração e respeito.
No dia de hoje uma decisão justa derrubou a liminar publicada no último dia 09 de Lula de 2017, que fechara as portas do Instituto Lula.
O prolator da decisão? Néviton Guedes.  E ai, então, eu me lembrei que ainda há juízes na região  de Moro.  E foi meu primeiro alumbramento nesses anos de lava jato.
Parabéns, professor Néviton Guedes! Os que amam ao Direito te saúdam!

Da sempre aluna,
Tânia Mandarino.

Sindicatos fazem paralisação na Bahia.

CUT, Sindipetro Bahia, Sindiquímica Bahia e outros sindicatos e movimentos sociais fazem paralisação na BR 324, em Menino Jesus, Candeias na Bahia, contra a Privatização da Refinaria Landulpho Alves e contra as Reformas da Previdência e Trabalhista!

16.5.17

Vem aí, mais uma nova pesquisa eleitoral do IFP na Bahia.

O IFP - Instituto França de Pesquisas trará ainda esta semana, mais uma sondagem de intenções de votos visando as eleições do próximo ano no estado da Bahia. Os resultados trarão informações sobre os possíveis nomes para o senado e o governo.

A pesquisa foi feita entre os dias 15 e 16 de maio na cidade de Adustina. E trará a opinião dos eleitores sob a intenção de votos.

Momento Bahia.

Rui anuncia concurso para oficiais da PM e do Corpo de Bombeiros.


O Governo da Bahia publica, no Diário Oficial do Estado (DOE) desta quarta-feira (17), mais um edital para realização de concurso público na área da segurança pública. Pelas redes sociais, o governador Rui Costa anunciou a realização do processo seletivo: "Depois de publicar o edital do concurso para soldado, com 2750 vagas, chegou a vez de abrir a seleção para o Curso de Formação de Oficiais (CFO). O edital sai amanhã e a prova está prevista para o dia 20 de agosto", escreveu Rui em sua página oficial no Facebook . 

A seleção será realizada por meio de convênio com a Universidade do Estado da Bahia (Uneb). O período de inscrição vai de 22 de maio a 11 de junho, via internet através do site www.cfopmbm2017.uneb.br ou www.consultec.com.br. A organizadora do certame será a Consultec. A taxa custa R$ 138,00. 

Serão 60 vagas para a Polícia Militar, distribuídas em 54 para o sexo masculino e seis para o feminino, e 30 vagas para Bombeiro Militar, sendo 24 para homens e seis para mulheres. Os candidatos devem ter no mínimo 18 anos e no máximo 30. Para os aprovados, o curso terá duração de três anos, através da Uneb. 

Inscrições abertas para soldados

No último dia 9, o governador anunciou, em transmissão ao vivo no Facebook, o lançamento do edital do concurso público para o provimento de outras 2.750 vagas na área de segurança pública do estado, destinadas ao cargo de soldado, também para a Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.

 As inscrições para o concurso de soldado foram iniciadas nesta segunda-feira (15) e seguem até 19 de junho, exclusivamente pela internet, no site da IBFC, seguindo o horário de Brasília. A taxa custa R$ 70. De acordo com o edital, 2 mil vagas são destinadas ao Curso de Formação de Soldado da Polícia Militar e 750 vagas são voltadas ao Curso de Formação de Soldado do Corpo de Bombeiros Militar. 

Podem concorrer jovens de nacionalidade brasileira ou portuguesa, entre 18 e 30 anos, que tenham concluído ensino médio ou formação técnica profissionalizante de nível médio, sendo também observadas outras exigências do edital.

O triplex ruiu.

Foi um fiasco, com cinco horas de duração ou pouco mais, o resultado do interrogatório do ex-presidente Lula conduzido pelo juiz Sergio Moro.

Apoiado em delações sem provas consistentes, o interrogador facilitou as respostas do interrogado, acusado de ser proprietário do célebre triplex, supostamente doado por uma empreiteira. Moro percebeu que, sem sustentação, a casa cairia.

A voz melosa do magistrado tentou, então, envolver Lula em outras questões, com perguntas tiradas, por exemplo, da delação de Renato Duque sobre contas do ex-diretor da Petrobras no exterior. Ele negou na ocasião. Agora admite.

Havia quase 7 mil manifestantes nas imediações do Tribunal de Justiça. O número deles foi calculado a partir de dezenas de ônibus vindos de várias partes do Brasil para apoiar Lula. Para o que desse e viesse. Faziam barulho. Não vazava para a sala de audiência. Moro sabia que eles estavam por lá quando disse a Lula: “Houve boatos de que poderia ser decretada sua prisão durante este ato. Eu lhe asseguro de pronto que isso não vai acontecer”.

O boato sempre esteve na mídia. Moro nunca desmentiu o que leu, nas várias vezes em que falou publicamente sobre a Lava Jato. Não se sabe se sorria nestes momentos.

O metalúrgico, no limite da serenidade, respondeu a Moro:

“Considero o processo ilegítimo e a denúncia uma farsa”. Lula foi sempre enfático nas observações e irônico em algumas respostas ao juiz.

Alguns exemplos:

Lula: “O Dallagnol não tá aqui. Eu queria o Dallagnol aqui pra me explicar aquele Power-Point”, falou olhando para os procuradores da Lava Jato.

Moro: “Tem um documento aqui que fala do triplex”.
Lula: “Está assinado por quem?”
Moro: “A assinatura tá em branco...”
Lula: “Então, o senhor pode guardar, por gentileza”.

Moro: “Esse documento em que a perícia da PF constatou ter sido feita uma rasura. O senhor sabe quem rasurou?”
Lula: “A PF não descobriu quem foi? Não? Então, quando descobrir, o senhor me fala. Eu também quero saber”.

Moro: “Saíram denúncias na Folha de S.Paulo e no jornal O Globo de que...”
Lula: “Doutor não me julgue por notícias, mas por provas”.

Moro: “Senhor ex-presidente, você não sabia que Renato Duque (ex-diretor da empresa, hoje preso) roubava a Petrobras?”
Lula: “Doutor, o filho, quando tira nota vermelha, ele não chega em casa e fala: ‘Pai, tirei nota vermelha’.
Moro: “Os meus filhos falam”.
Lula: “Doutor Moro, o Renato Duque não é seu filho”.

No dia seguinte ao depoimento, houve diversas avaliações da audiência. Alguns tentaram jogar nas costas de Lula a responsabilidade pela politização da Lava Jato. Mentira. Quem estimulou isso foram os procuradores, os policiais federais e certos juízes que ainda militam descaradamente contra Lula, Dilma e o PT.

Além disso, a partidarização da Lava Jato é claramente simpática ao PSDB. Sem disfarce. Há muitos tucanos citados nas delações, mas não há um só tucano na gaiola.

Por Mauricio Dias.

Postada primeiramente na Carta Capital.

15.5.17

Edital Bahia na Tela contempla grupos sociais e diversidade de temas.

Pessoas com deficiência, indígenas, afrodescendentes, idosos, público LGBT e adeptos de religiões de matriz africana. Diferentes grupos sociais dividiram o mesmo espaço na tarde desta segunda-feira (15), durante o lançamento do edital ‘Bahia na Tela’. Com inscrições abertas até 17 de julho, o edital incentiva e abre espaço para a produção de conteúdos audiovisuais inéditos, com destaque para a pluralidade de temas.
Para o coordenador-geral do Movimento Unido dos Povos e Organizações Indígenas da Bahia (Mupoib), Kâhu Pataxó, o edital garante a oportunidade de ruptura de conceitos estabelecidos no passado e que perduram até os dias de hoje. “Vamos conseguir mostrar para a sociedade o que é ser indígena, quebrando um pouco aquela ideia de que o índio é aquele que usa o cocar na cabeça e que mora na oca. Não é assim. A gente sente a necessidade de mostrar que o índio também pode ser aquele que mora na cidade, que tem a casa de alvenaria, sem deixar de ser índio”, afirma.
O ‘Bahia na Tela’ também abre espaço para diálogos pouco convencionais. No caso das drag queens, o isolamento é um fator que preocupa, mas que pode ser enfrentado. “Acho o edital importante, principalmente para dar visibilidade à classe artística das drag queens. Muitas vezes, somos esquecidas, deixadas de lado, vivendo à margem da sociedade. Ao abraçar todas as classes, esse edital dá uma visibilidade muito maior na cena soteropolitana, para mostrar o que somos e do que somos capazes”, destaca Valerie O’hara, representante das drag queens.
Ainda segundo O’hara, o preconceito também pode ser combatido com a ajuda de produções audiovisuais. “Quanto mais a gente falar o que somos, melhor para a sociedade como um todo. A divulgação do conhecimento é uma das maneiras de se evitar o preconceito. Drag queen trabalha com a imagem. As pessoas veem em mim o que posso transmitir para elas. Representamos a alegria, a diversidade”, explica.
A publicação do edital é resultado da captação do montante de R$ 20 milhões - maior volume de recursos em um único edital já conseguido junto à Agência Nacional de Cinema (Ancine) - para a produção de conteúdos audiovisuais inéditos sobre a Bahia e que serão exibidos na TVE. O Governo do Estado dará contrapartida no valor de R$ 820 mil, enquanto o restante será aportado pelo Fundo Setorial do Audiovisual.

Os conteúdos produzidos podem envolver temas relativos a esportes, juventude, educação, mulheres, terceira idade, indígenas, afrodescendentes, agroecologia, turismo, LGBT, empreendedorismo, religiosidade, agricultura familiar, patrimônio e cultura regional. Os selecionados firmarão contrato para receber do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (Irdeb) o valor correspondente ao pré-licenciamento para exibição da obra na TVE. O edital estará disponível a partir desta terça (16), no site do Irdeb.

Interatividade nos meios digitais é destaque na campanha do Governo contra o Aedes aegypti.

Uma nova campanha de combate ao mosquito Aedes aegypti foi lançada pelo Governo do Estado, nesta segunda-feira (15). A ação, apresentada para estudantes da rede pública durante evento no Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, no bairro de São Marcos, em Salvador, vai usar as redes sociais, como o Instagram, Facebook e Youtube, para ampliar o alcance da campanha e engajar públicos diversos. 
Ao lado dos titulares das pastas estaduais da Educação, Walter Pinheiro, e de Comunicação, André Curvello, o secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas, ressaltou que “influenciadores digitais e vídeos com um pouco de humor estimulam o compartilhamento da mensagem, que é simples e direta: ou você toma uma atitude ou o mosquito toma conta”.
A campanha também terá anúncios em sites, jornais, revistas, outdoors, busdoors, além da exibição de comerciais nas rádios e tevês de todo o estado. Para ao secretário André Curvello (Secom), apostar na diversidade de linguagens é garantir que a mensagem chegue aos baianos. “Entendemos a importância do tema e tentamos utilizar todas as ferramentas possíveis da comunicação, no sentido de que a gente atinja o maior número de pessoas. Essa é uma campanha complexa, que já começou a ser veiculada em todos os meios ‘off’ e online. Acredito que nunca fizemos uma campanha com tanta força nas redes sociais como esta”.

Lançamento

Com o uso da tecnologia, a apresentação desta segunda-feira mostrou aos estudantes a história do Aedes aegypti e a forma como foi disseminado pelo mundo, bem como as estratégias de combate ao mosquito, que é vetor de doenças como a dengue, zika e chikungunya. “Em uma única ação utilizamos a interatividade de um vídeo 360°, propusemos uma mini gincana, apresentamos o ciclo de vida do mosquito com o auxílio de microscópios e montamos uma estrutura de mini cinema para exibir dois vídeos educativos”, explicou Fábio Vilas-Boas.

Uma caravana com dois caminhões levando o cinema ao ar livre, os óculos de realidade virtual, microscópio e outras atividades, vai percorrer as escolas estaduais, da capital e do interior, com as ações da campanha. De acordo com o secretário Walter Pinheiro, a ideia é fazer com que as atividades cheguem às 1.300 unidades da rede pública. “Estamos fazendo uma campanha que leva a conscientização e uma série de ações de combate ao mosquito, com a utilização de novas ferramentas. E a campanha encontra nas escolas o ambiente ideal para fazer essas ações florescerem. Queremos que o combate ao mosquito seja debatido dentro das salas de aula, que não seja pontual, mas que faça parte de uma prática de educação e formação”, destacou. 
A agenda para as próximas visitas da caravana já está pronta. Confira o cronograma:

15 e 16 de maio – Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, na capital.
17 e 18 de maio – Colégio Estadual Presidente Costa e Silva, na capital.
19 a 26 de maio – Salvador Shopping, na capital.
29 e 30 de maio – Colégio Estadual José de Freitas Mascarenhas, em Camaçari.
1º de junho – Colégio Estadual Polivalente de Camaçari, em Camaçari.
Saúde da Escola
Durante o evento desta segunda-feira, os secretários estaduais da Saúde e Educação também assinaram a adesão ao novo Programa Saúde na Escola, que destina recursos federais para as escolas públicas, sejam elas municipal, estadual ou federal. Nesse sentido, algumas ações são prioritárias, como a visita de profissionais de saúde nas escolas, ações de combate ao mosquito Aedes aegypti; avaliação de Saúde bucal, e a prevenção ao uso de álcool e outras drogas. A ideia é dar atenção integral à saúde dos estudantes da rede pública através de ações de promoção, prevenção e enfrentamento das situações que podem gerar vulnerabilidade.

Fotos: Alberto Coutinho/GOVBA


Foto: Amanda Oliveira/GOVBA.

Sustentabilidade é a palavra de ordem para conter os altos custos da construção civil


O custo da construção, medido pelo Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acumulou alta de 5,07% nos 12 meses, sendo o último mês, em abril. Apesar da taxa estar abaixo do apurado até março, que era de 5,39%, ainda é um dado preocupante, sendo o setor de construção civil, o mais afetado pela crise econômica, no início de sua recessão, ainda em 2014 e sem apresentar nenhuma melhora até 2017.
Para conter o aumento demasiado dos custos na construção civil, uma empresa do Nordeste, região bastante afetada por questões hídricas, busca revolucionar o setor, introduzindo no mercado um novo jeito de levantar paredes, utilizando a argamassa polimérica. A Massa Já promete alto rendimento, facilidade na aplicação, maior velocidade na execução, maior economia de água, já que o produto vem pronto, e a certeza de trazer a sustentabilidade para a construção civil, gerando empregos diretos e indiretos.
A novidade até então apenas discutida no mercado, fez da empresa referência no que se trata de construção sustentável. De acordo com o representante da Massa Já, Érico Santos, a fórmula rende 20 vezes mais que o cimento comum, tem menor custo por metro quadrado, economia na argamassa de reboco, não gera sujeira e não gera nenhum tipo de desperdício na obra.
“A Massajá surgiu da vontade de trazer ao mercado da construção civil, inovação e tecnologia avançada de baixo custo atrelada a responsabilidade ambiental”, afirma Érico, onde também comenta da facilidade e comodidade do produto, “o produto já vem pronto. Com uma bisnaga o operário trabalha sem nem sujar a roupa”, destacou Érico.

Paraná, paraíso da impunidade.

Enquanto para alguns a Lava Jato curitibana promoveu uma faxina no país, a “República de Curitiba” continuou com seu quintal imundo.
O slogan “República de Curitiba: aqui a lei se cumpre” vem sendo usado pelos curitibanos como uma manifestação de orgulho pelo pertencimento a uma suposta ilha de seriedade num país tomado pela impunidade. Paradoxalmente, enquanto para alguns a Lava Jato curitibana promoveu uma faxina no país, a cidade continuou com seu quintal imundo, pois os casos de corrupção local sempre acabaram em pizza.
Dias atrás, o secretário de Estado Ezequias Moreira foi condenado pelo TJPR a pena de seis anos e oito meses de prisão por desvio de dinheiro público no escândalo da “sogra fantasma”. Ezequias confessou ter colocado a sogra na folha de pagamento do órgão legislativo por 11 anos, desviando meio milhão de reais. Quando o processo estava pronto para ser sentenciado, em junho de 2013, Moreira foi nomeado secretário de Estado (em uma secretaria criada só pra ele) pelo atual governador, ganhando foro privilegiado. Após dezenas de manobras processuais, o caso prescreveu, enquanto o acusado continua a gozar do status de secretário, como se nada tivesse acontecido.
O esquema “Gafanhoto”, que usou a mesma estratégia de funcionários fantasmas para desviar dinheiro da Assembleia entre 2001 e 2004, ficou com a investigação parada por dois anos por decisão do STF e atualmente se arrasta rumo ao cancelamento sem nenhuma condenação efetiva. Como não foram incomodados, os gafanhotos cresceram e se sofisticaram. Em 2010 veio o escândalo dos Diários Secretos da Assembleia, em que as mesmas assombrações desviaram mais de R$ 200 milhões em favor de políticos regionais. Passados sete anos, nenhum cacique foi definitivamente punido.

Diogo Castor de Mattos: procurador da República, é integrante da força-tarefa da Operação Lava Jato no Ministério Público Federal no Paraná.


Artigo completo aqui.

O jogo endurece. (Por Tereza Cruvinel)

Não nos iludamos, as coisas vão piorar.

Maio trouxe um recrudescimento da ofensiva comandada pela coligação entre entre a Lava Jato, a grande mídia e forças aliadas conservadoras.

Este regime sem nome, que não governa mas comanda, tem no governo Temer, originário do golpe de 2016, apenas um subproduto de seu projeto mais ambicioso: arrasar com as forças populares, excluir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da sucessão de 2018, através de sua condenação, e criminalizar outros expoentes da esquerda, como a presidente deposta Dilma Rousseff, pavimentando o caminho para uma nova e talvez duradoura hegemonia conservadora.

Não nos iludamos, as coisas devem piorar, com o Estado de Exceção se instalando com mais desenvoltura no país.

São claros os sinais de que as forças coligadas à Lava Jato – que ultrapassa a vara federal curitibana, englobando também o comando da PGR e setores do Supremo - estão pisando no acelerador, buscando o ponto crítico da crise para alcançar os objetivos que realmente sempre importaram.

Um destes sinais é o aumento da violência midiática, que se manifestou na cobertura e repercussão do depoimento do ex-presidente Lula ao juiz Sergio Moro, e a seguir, na difusão caudalosa dos vídeos e do conteúdo da delação dos marqueteiros João Santana e Monica Moura.

Se restava algum prurido, foi posto de lado, numa atuação homogênea e afinada, com profissionais perdendo qualquer pudor de se exibirem como coadjuvantes de uma empreitada política.

A capa de Veja com Marisa Letícia foi uma síntese desta escalada, mas foi um ponto bem dentro da curva.

Os jornais também haviam se empenhado em dizer que Lula tentou culpar Marisa pelo caso do tríplex do Guarujá, embora ele tenha dito a Moro o que já dissera quando ela era viva, e Marisa tenha sido mesmo parte do processo.

Foi ela a compradora de uma cota da Bancoop. Tanto é que, com sua morte, a ação contra ela foi extinta. De tudo isso esqueceu-se a mídia. E vai piorar.

Outro sinal de que a ofensiva entra em uma fase mais pesada vem do alinhamento vertical, no Poder Judiciário, com a PGR e a vara de Curitiba.

Na véspera do depoimento de Lula, o juiz Ricardo Leite, da 10ª. Vara Federal de Brasília, determinou a suspensão das atividades do Instituto Lula.

Era o Judiciário jogando unido, criando o clima contra Lula no depoimento.

A defesa de Lula deixou para enfrentar esta bomba depois, mantendo o foco na agenda do dia seguinte.

Mas também no dia 9, o TRF-4 negou o pedido de autorização para gravar o depoimento e o de adiamento da inquirição, em função do aporte de mais de mil páginas de documentos ao processo.

Manteve, pois, as decisões anteriores de Moro.

A defesa de Lula correu para o STJ mas ali também o ministro relator, Felix Fischer, negou os dois pedidos, bem como o recurso para que Lula seja julgado por outro juiz, em face da indiscutível perda da imparcialidade por Moro.

O depoimento viria desnudar o antagonismo político de Moro com Lula, expondo sua parcialidade, sua convicção prévia de culpa, que conflita com o direito ao juiz natural e imparcial.

Mas ele ganhou no TRF-4 e no STJ.

Eis que, na quinta-feira, 11, dia seguinte ao depoimento, o relator da Lava Jato no STF, Edson Fachin, levantou o sigilo das delações de Santana e sua mulher, que mantivera trancadas por semanas, apesar dos pedidos da defesa de Dilma.

Por que exatamente um dia depois?

Para neutralizar os ganhos que Lula teve com o depoimento, se não jurídicos pelo menos políticos?

Mesmo em alguns nichos da mídia houve o reconhecimento de que Lula conseguiu arrastar Moro para a arena política, onde arengou como não se espera de um juiz, afora o apoio da multidão que se deslocou para Curitiba.

Conhecidos os vídeos da delação dos marqueteiros, vê-se que a decisão de Fachin mirou além.

Apesar de todos os tiques de uma “delação combinada”, as declarações do casal são devastadoras para a presidente deposta e para Lula, novamente apontado como “chefe”.

Dilma é acusada de ter-lhes repassado informações sobre o curso da Lava Jato e de ter sugerido “embaraços à Justiça”, com a transferência dos recursos depositados na Suíça para um país mais seguro. Fachin, a pedido do procurador-geral Rodrigo Janot, enviou o conteúdo das delações dos marqueteiros para Moro.

E com isso, Dilma passa a correr um risco efetivo de ter a prisão preventiva decretada, sob a alegação de obstrução á Justiça.

Tal prisão careceria de fundamento, pois ainda que ela tivesse tentado ajudar o casal a driblar a Lava Jato, hoje não estaria em “continuidade delitiva”, como dizem eles, por não dispor mais de qualquer poder.

Mas com a Lava Jato, este seria apenas um detalhe, e o STF não perderia o sono com mais um arranhão no devido processo legal e nas garantias individuais.

Quando a democracia começa a ser relativizada, tudo pode acontecer. Hoje, com os implicados na Lava Jato. Amanhã, com você, comigo, com qualquer um.

Então, entre os que contam no reino da Lava Jato, há um completo alinhamento vertical, enquanto a mídia faz jorrar a torrente de informações temporalmente organizadas para criar o clima necessário.

Em palestra na véspera do depoimento de Lula, Moro destacou os guardiões com que a Lava Jato conta em cada instância superior.

Sim, o tempo, tudo vem sendo temporalmente administrado.

Antes do depoimento de Lula, vieram as confissões de Leo Pinheiro e Renato Duque, nefastos para o ex-presidente, embora não eles não tenham apresentada qualquer prova do que disseram. Agora, imediatamente depois, as delações dos marqueteiros. E vem aí a delação do ex-ministro Pallocci.

Depois de ter sido apontado por João Santana e Monica como o homem que lhes garantia os pagamentos por caixa 2, eventualmente consultado o “chefe”, ele perdeu a esperança no pedido de Habeas Corpus que tem no STF e, como disse seu advogado anterior, José Roberto Batochio, “rendeu-se à Guantánamo meridional”.

Enquanto isso, o governo Temer vai cumprindo seu papel nesta marcha orquestrada, que é o golpe maior, o que vai alcançar 2018 e o futuro.

Apesar dos tantos ministros e congressistas delatados, nada avançou em relação a seus processos, nem na PGR nem no STF.

Nenhum delator de outra empreiteira foi ouvido para complementar as delações da Odebrecht em relação ao financiamento de outros partidos e políticos, através do caixa dois e em conexão com obras federais ou estaduais.

Enquanto isso, Temer celebra seu primeiro ano no governo, apesar dos retrocessos e da impopularidade superior a 90%.

As reformas regressivas avançam no Congresso, apesar da greve geral do dia 28 de abril e da rejeição oceânica da sociedade.

Temer sabe que seu equilíbrio no cargo é precário.

Lá estará enquanto estiver entregando o serviço prometido – as reformas neoliberais, o desmonte de politicas públicas progressistas, a entrega de ativos nacionais ao capital estrangeiro, o ajuste fiscal que interessa ao mercado e daí para a frente.

Caso se torne inútil, sabe que poderá ser facilmente descartado através da ação no TSE.

O poderoso regime sem nome, entretanto, prefere que o país vá capengando com Temer, enquanto eles preparam o grande expurgo.

O expurgo de Lula da disputa sucessória, pela dupla condenação antes de junho do ano que vem, e a liquidação moral do PT e de todas as forças que possam recordar a experiência do governo popular em que os pobres foram incluídos no Orçamento da República, embora Lula não tenha tirado um centavo das elites.

Não nos iludamos, as coisas vão piorar.

A Resistência conseguiu avanços, a exemplo da greve geral e da manifestação pró-Lula em Curitiba, mas a situação vai exigir muito mais, em organização da luta democrática e em novas formas de resistência.

TEREZA CRUVINEL.