6.9.17

A arma do silêncio. (Por Bob Fernandes)


O silêncio pode ser arma poderosa. Pode condenar adversários ou inimigos ao esquecimento. E pode proteger amigos ou aliados.

O silêncio é eficaz nas disputas pelo Poder. O silêncio se torna arma quando imposto pelos que noticiam sobre Poder.

Há anos a Lava Jato seus personagens e alvos são tema central no debate político. Na coluna Radar, da revista Veja, foi publicada notícia sobre a Lava Jato.

Há 48 horas, com exceção das redes sociais, impera estrondoso silêncio midiático sobre essa notícia.

Maurício Lima afirmou, na coluna Radar: a Força-Tarefa da Lava Jato ocultou, por pelo menos dois anos, importante informação da Receita Federal.

O advogado Zucolotto é grande amigo de Moro. Foi padrinho do casamento do juiz com Rosangela. Que foi sócia de Zucolotto. Onde estão a informação e o problema?

O escritório de Zucolotto, amigo do casal Moro, foi correspondente, colaborador, do escritório do advogado Tacla Duran. Depois investigado pela Lava Jato.

O problema, segundo  Veja, é a ocultação pela Lava Jato  de informação enviada pela Receita Federal: Tacla Duran havia feito pagamentos para o escritório de Zucolotto e Rosangela Moro.

Duran é acusado de lavar dinheiro e integrar organização criminosa. À época dos fatos Rosangela ainda estava no escritório de Zucolotto, segundo relato da Veja, documentado.

Há uma semana, na Folha, Monica Bergamo informava: Zucolotto, advogado amigo de Moro, acusado de intermediar negociações com a Lava Jato.

O acusador, esse mesmo Tacla Duran. E o que ele diz? Que Zucolotto tentou negociar para "melhorar" os termos da sua delação.

Tacla Duran, ex-advogado da Odebrechet, tem dupla cidadania. Não fez delação e refugiou-se na Espanha. Onde está livre.

Há dias, antes dessa nova notícia publicada por Veja, Moro respondeu: "Zucolotto é profissional sério e competente". E Tacla Duran "um acusado pela justiça brasileira".

O que esperar sobre essas informações e história? Apuração e respostas. Sem imposição do estrondoso silêncio.

Por Bob Fernandes.

Nenhum comentário: