14.6.17

ARAPUCA. (Por Leandro Fortes)

A sororidade é o novo republicanismo do PT.
Uma ideia nobre e necessária que os inimigos já identificaram como fraqueza.
Ao divulgar uma nota de solidariedade a Miriam Leitão, sem sequer ouvir os delegados petistas que estavam no voo da Avianca, a senadora Gleise Hoffmann apenas reforça essa impressão.
Deu o argumento perfeito para a direita: de que a presidenta do PT reconhece a truculência de seus correligionários.
Como ela, um monte de gente boa se autoflagelou nas redes, para a alegria de gente como Janaína Paschoal e Raquel Sheherazade, que desde ontem têm orgasmos no Twitter, com a ajuda da tropa global.
Miriam Leitão tem uma audiência diária de 50 milhões de pessoas, porque escreve n'O Globo, fala na CBN, na Globo News e na TV Globo.
Todo dia, escracha o PT e a esquerda, com insinuações que vão de incompetência a bandidagem pura e simples.
Esperou 10 dias para escrever sobre o holocausto pessoal que diz ter sofrido no voo da Avianca, tempo suficiente para uma análise de redes confiável sobre a circulação de vídeos ou imagens sobre o tema.
Quando percebeu que não havia nada, fez o artigo em O Globo.
E vieram, de imediato, as solidariedades irrestritas.
E a sororidade.

Por Leandro Fortes.

2 comentários:

Adyneusa Moura disse...

Quando o PT e a esquerda vão aprender a deixar esse republicanismo de lado e entender que essa gente da direita não tem escrúpulos, e não se deve falar com eles com diplomacia.
São vermes rastejantes, covardes.

Julio Moreno disse...

Fiquei indignado com essa cortesia da Gleissi um absurdo

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial