23.1.16

A cadeia de Lula.

A entrevista de Lula aos blogueiros (esses blogueiros… sempre contrariando a imprensa bacana) ainda vai dar muito o que falar.

Lula decepcionou mais uma vez. Quem o queria abatido, se abateu. Quem queria ver o olhar perdido, se perdeu de vez. Quem o queria na cadeia, terá que esperar a vez.

Lula disse: “To no jogo!”

Resta apenas choramingar, mentir, pinçar frases, descontextualizar.

Não há cadeia suficiente para Lula, não há construção erigida que suporte tamanha pena, que dê conta de tanto pecado. Haja grades de ferro e de aço que sejam capazes de segurar, de reter e de trancafiar tanta coisa numa só, tanta gente num só homem. Não há cadeia no mundo que seja capaz de prender a esperança, que seja capaz de calar a voz.

Porque, na cadeia de Lula, não cabe a diversidade cultural
Não cabe, na cadeia de Lula, a fome dos 40 milhões
Que antes não tinham o que comer
Não cabe a transposição do São Francisco
Que vai desaguar no sertão, encharcar a caatinga
Levar água, com quinhentos anos de atraso,
Para o povo do nordeste, o mais sofrido da nação.
Pela primeira vez na história desse país.

Pra colocar Lula na cadeia, terão que colocar também
O sorriso do menino pobre
A dignidade do povo pobre e trabalhador
E a esperança da vida que melhorou.

Ainda vai faltar lugar
Para colocar tanta Universidade
E para as centenas de Escolas Federais
Que o ‘analfabeto’ Lula inventou de inventar
Não cabem na cadeia de Lula
Os estudantes pobres das periferias
Que passaram no Enem
Nem o filho de pedreiro que virou doutor.

Não tem lugar, na cadeia de Lula,
Para os milhões de empregos criados,
(e agora sabotados)
Nem para os programas de inclusão social
Atacados por aqueles que falam em Deus
E jogam pedras na cruz.

Não cabe na cadeia de Lula
O preconceito de quem não gosta de pobre
O racismo de quem não gosta de negro
A estupidez de quem odeia gays
Índios, minorias e os movimentos sociais.
Não pode caber numa cela qualquer
A justiça social, a duras penas, conquistada.

E se mesmo assim quiserem prender
– querer é Poder (judiciário?),
Coloquem junto na cadeia:
A falta d’água de São Paulo,
E a lama de Mariana (da Vale privatizada)
O patrimônio dilapidado.
E o estado desmontado de outrora
Os 300 picaretas do Congresso
E os criadores de boatos
Pela falta de decência
E a desfaçatez de caluniar.

Pra prender o Lula tem que voltar a trancafiar o Brasil.

O complexo de vira-latas também não cabe.
Nem as panelas das sacadas de luxo
O descaso com a vida dos outros
A indiferença e falta de compaixão
A mortalidade infantil
Ou ainda (que ficou lá atrás)
Os cadáveres da fome do Brasil.

Haja delação premiada
Pra prender tanta gente de bem.
Que fura fila e transpassa pela direita
(sim, pela direita)
Do patrão da empregada, que não assina a carteira
Do que reclama do imposto que sonega
Ou que bate o ponto e vai embora.

Como poderá caber Lula na cadeia,
Se pobre não cabe em avião?
Quem só devia comer feijão
Em vez de carne, arroz, requeijão
Muito menos comprar carro,
Geladeira, fogão – Quem diz?
Que não pode andar de cabeça erguida
Depois de séculos de vida sofrida?

O prestígio mundial e o reconhecimento
Teriam que ir junto pra prisão
Afinal, (Ele é o cara!)
Os avanços conquistados não cabem também.

Querem por Lula na cadeia infecta, escura
A mesma que prendeu escravos,
‘Mulheres negras, magras crianças’
E miseráveis homens – fortes e bravos
O povo d’África arrastado
E que hoje faz a riqueza do Brasil.

Lula já foi preso, ele sabe o que é prisão.
Trancafiado nos porões da ditadura
Aquela que matou tanta gente,
Que tirou nossa liberdade
A mesma ditadura que prendeu, torturou.
Quem hoje grita nas ruas
Não gritaria nos anos de chumbo
Na democracia são valentes
Mas cordatos, calados, covardes
Quando o estado mata, bate e deforma.

Luis Inácio já foi preso,
Também Pepe Mujica e Nelson Mandela.
Quem hoje bate palmas, chora e homenageia,
Já foi omisso, saiu de lado e fez que não viu.

Não vão prender Lula de novo
Porque na cadeia não cabe
Podem odiar o operário
O pobre coitado iletrado
Que saiu de Pernambuco
Fugiu da seca e da fome
Pra conquistar o Brasil
E melhorar a vida da gente
Mas não há
Nesse mundão de meu Deus
Uma viva alma que diga
Que alguém tenha feito mais pelo povo
Do que Lula fez no Brasil.

“Não dá pra parar um rio
quando ele corre pro mar.
Não dá pra calar um Brasil,
quando ele quer cantar.”

Lula lá!

por Jari da Rocha.

22.1.16

TODO MUNDO É BABACA OU LULA É LIMPO?

Se houve alguém investigado nesse país esse alguém tem nome: Luis Inácio Lula da Silva.
O grande sonho de consumo dos militares? Imputar ao sindicalista Lula algum crime, algum ilícito, para tirá-lo de circulação e aplacar os ânimos dos metalúrgicos do ABC, e as polícias Civil e militar não conseguiram, o  DOI-CODI não conseguiu, o DOPS não conseguiu.
Candidato a presidente, pela primeira vez, todo o aparato midiático e de segurança nacional estava nas mãos dos adversários, que o investigaram, e nada.
Veio a eleição seguinte, a do estelionato do Plano Real, novas investigações, novas suspeitas, novas calúnias, e nada.
Veio a reeleição comprada, mais investigações, as mesmas acusações, e nada.
Outra eleição, o pavor não só da direita brasileira como internacional, farejando o risco de perder uma propriedade de 500 anos, investigações redobradas, necessidade urgente de desmoralizá-lo, e nada.
Governo bem sucedido, com os eternos deserdados do país conseguindo conquistas, a classe média na festa do consumo, a burguesada ganhando dinheiro a rodo e o pânico no império, a necessidade de retomar o poder, e nasceu o Mensalão.
De Joaquim Barbosa pode se dizer tudo, menos que não seja astuto, usuário de pouca ética e manobrador.
Pois Joaquim fez de tudo, o lícito e o ilícito, o moral, o imoral e o amoral, chegando aos amigos mais íntimos de Lula, vasculhando-lhe cada botão da cueca, rastreando, farejando como um cão faminto, e nada.
Reeleito Lula, o Mensalão teria que continuar, era preciso cassá-lo, execrá-lo, desmoralizá-lo, levá-lo ao impeachment, e o Mensalão se contentou com inocentes, a título de “domínio do fato”, porque contra Lula... Nada.
Segundo mandato terminando, moral lá em cima, popularidade a toda, capaz de fazer o sucessor, e as investigações, as mesmas suspeitas, as mesmas ilações, as mesmas calúnias, as mesmas investigações, e nada.
Nova eleição, Dilma Vana Roussef no poder, continuidade do projeto Lulopetista de soberania nacional com partilha social, e as baterias das calúnias, da maledicência, dos boatos, mudaram de direção, vasculharam até as latas de lixo da presidente, em busca de restos de documentos, notas fiscais, qualquer coisa capaz de imputá-la ladra, e nada.
Certos da absoluta honestidade de Dilma, fato notório, reconhecido até pelos seus detratores e investigadores, comentado, por eles, em declarações e entrevistas, havia que se buscar por vias indiretas, e apareceu Pasadena, com todos os assessores dela sendo ladrões, a filha, procuradora, portanto impedida de ter outra atividade, exceto o magistério, passou a ser dona de dezenas de empresas, sem que Joaquim Barbosa e milhares de Policiais Federais, o Ministério Público, ninguém percebesse.
E veio a campanha da reeleição, novamente necessário desconstruir Lula, e pariram a Lava Jato, escritório norte americano no Brasil. O alvo? Lula.
E chegaram na Odebrecht, a maior empreiteira da América Latina e uma das maiores do mundo, concorrente direta da empreiteira da família Bush, e sob os aplausos norte americanos começou o desmonte da nossa infra-estrutura.
Quando chegaram em Marcelo Odebrecht, amigo íntimo de Lula, de viagens, peladas e churrascos, a certeza: chegaram no Lula.
Arbitraria e covardemente, atropelando as leis e a dignidade, o juiz, promotor e garoto propaganda da operação Lava Jato, mandou que a polícia invadisse a empresa e apreendesse tudo: computadores, anotações contábeis, agendas particulares, recibos, bilhetinhos... Quebraram os sigilos telefônicos dos diretores da empresa e foi tanta a certeza de terem chegado em Lula, que Moro afirmou: “em poucas horas o Nine estará preso”, o nine referindo-se aos nove dedos de Lula, uma mutilação resultado de acidente de trabalho, mostrando a cínica e verdadeira face do juiz, num comentário indigno de um magistrado, em nível de moleque de esquina.
No dia seguinte, nada encontrando, ao invés de ter a dignidade de dizer que nada encontraram capaz de incriminar Lula, a afirmação do juiz foi de que “Lula não está sendo investigado”. 
Sem terem o que dizer, passaram ao ataque por vias transversas, e o filho de Lula passou a ser dono da Friboi, o maior exportador de proteína animal do mundo, de propriedade de empresário ligado ao PSDB, sendo processado por sonegação fiscal, em ação previamente acordada com o governador de Goiás, na campanha eleitoral; passou a ser dono de um castelo no Pantanal, e que fica na Toscana, sendo propriedade de um conde italiano; e comprou uma mega fazenda, que se constatou ser a Esalq, Escola de Agricultura Luis de Queirós, uma universidade pública; isso viajando em seu jatinho particular, de propriedade do empresário Eike Batista; as noras de Lula passaram a ser beneficiárias de fortunas vindas da Petrobras e de empreiteiras, culminando, agora, com Lulinha proprietário do iate do dono da Rede Tevê, calúnia propagada por um dopado troglodita lutador.
Nesta semana Lula afirmou que neste país pode existir gente tão honesta quanto ele, mas ninguém mais honesto que ele, diante do silêncio dos seus opositores, salvo os coxinhas, que ironizaram, mas estes fizeram da política religião, ato de fé, vivendo de crenças sem respaldo na realidade, comendo merda e justificando não ser merda porque colocaram sal ou açúcar, ao gosto de cada um.
Depois de décadas de investigações e da declaração de Lula, a minha pergunta é óbvia: será que neste país, da direção da polícia federal ao guardinha da esquina, só há policiais babacas, incompetentes, incapazes de investigar e denunciar um delito?
Será que neste país, de qualquer um dos ministros do supremo tribunal federal ao mais anônimo e amador aprendiz de advogado, só há babacas, incompetentes, incapazes de levar a bom termo uma peça acusatória?
Será que neste país, na mídia, do mais experiente e experimentado jornalista investigativo aos contínuos das redações, só há babacas, incompetentes, incapazes de criar fatos jornalísticos consistentes e verossímeis?
Lula é o primeiro humano, em toda a história da humanidade, a só cometer crimes perfeitos ou Lula é, realmente, um homem moralmente íntegro, limpo?

Francisco Costa
Rio, 22/01/2016.

21.1.16

Só pode dar tristeza ver a Folha de S. Paulo, entregar-se de corpo e alma ao aparato da direita mais obtusa. De formato leve e de fácil manuseio, o jornal paulista era tido como de esquerda, até há pouco, por alguns círculos intelectuais, inclusive da Europa. Alguns, mais entusiastas, chegavam a compará-lo ao que é hoje o Guardian, da Inglaterra, já que os franceses Le Monde e o Libération, de há muito venderam a alma ao diabo.
De uns tempos para cá, porém, o jornal paulista, cujo histórico de cumplicidade com a ditadura  não pode ser esquecido, ainda que muitos o relevem, depois que se redimiu, a partir de 1984, ao engajar-se na luta pelas Diretas-Já, vem observando uma inflexão inexorável para a suas tristes origens.
Primeiro, encheu seus quadros editoriais do que há de mais abjeto e escatológico em matéria de jornalismo marrom, de que é exemplo a turma da Veja, revista da qual a Folha, tradicionalmente, sempre se manteve à distância. Depois incorporou o pessoal da sociologia da dependência e uns tucanos de alta plumagem, como FHC e Aécio Neves.
Agora, a Folha enche o peito ao anunciar a contratação de Kim Kataguiri, o coordenador do movimento de extrema direita MBL, Movimento Brasil Livre, como um de seus colunistas. Não vou me deter aqui no exame da capacidade intelectual deste líder estudantil, de apenas 19 anos, certamente, formado nos laboratórios da CIA & Cia., como seus congêneres da Festa Mexicana, que promoveram as guarimbas, na Venezuela, em 2014.
Atenho-me à sinalização que a Folha dá, com essa aquisição exdrúxula, de  que se engaja por completo no movimento pelo impeachment da presidenta Dilma Rousseff, ainda  que, oficialmente, tente salvar as aparências. Note-se que em 13 de dezembro último, o jornal dos Frias, afirmava, num editorial sobre Eduardo Cunha: “É imperativo abreviar essa farsa, para que o processo do impeachment, seja qual for seu desenlace, transcorra com a necessária limpidez”.
Finalmente, eu me pergunto, o que terá levado a Folha a esta guinada? Um cínico diria que a adesão do ex-venerando Le Monde, jornal fundado por uma cooperativa de jornalistas no auge França gaullista, ao capitalismo voraz deu-se por dificuldades financeiras. Estava falido e, para sobreviver, aceitou o guarda-chuva dos bancos. O mesmo se dirá do Libération, fundado por Jean Paul Sartre e considerado a vanguarda do pensamento de esquerda, na França e na Europa.
Mas este não é o caso da Folha, que, apesar de alguns percalços com credores e da invasão digital, desfruta de relativa saúde financeira. Seus atuais donos e editores, Otavinho Frias, o intelectual que teria feito a cabeça do velho patriarca Otávio Frias para desengajar-se da ditadura e aderir às Diretas-Já, assim seu irmão Luis Frias, ambos aliás com verniz da Sorbonne, já demonstraram sobeja capacidade de gestão comercial e e editorial.
folha na oban
Oxalá que algum motivo sombrio não os esteja impelindo à retomada de práticas antigas, quando aFolha, como constatou a Comissão Nacional da Verdade, apoiou o golpe de 64,  não apenas  no aspecto “financeiro e ideológico”, “mas também material”. A propósito, cita matéria do site da revista Carta Capital, de 10/12/2014, 16h26:

“O relatório final da Comissão Nacional da Verdade chancela a versão de que o Grupo Folha, dono do jornal Folha de S.Paulo, deu não apenas apoio financeiro e ideológico ao golpe de 1964, mas apoio material à repressão contra os opositores da ditadura, com o fornecimento de veículos para a Operação Bandeirante, a Oban, um centro de investigações do Exército que combatia as organizações de esquerda”.
O mesmo site reproduz a foto acima, com a legenda: “Três caminhonetes da Folha foram queimadas por militantes de esquerda em 1971. Eles acusavam o Grupo Folha de colaborar com a ditadura”.
Por FC Leite Filho.

20.1.16

MST 32 anos de luta.

Há 32 anos, trabalhadores e trabalhadoras rurais protagonizavam a fundação de um Movimento de luta por terra, reforma agrária e mudanças sociais no país.

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) não é apenas herdeiro e continuador das lutas anteriores, é também parte das lutas que forjaram seu nascimento. Desde o sindicalismo combativo, da liberdade política e das Diretas-Já em 1984, quando já em seu primeiro Congresso afirmava que “Sem Reforma Agrária não há democracia”. 

#ReformaAgráriaPopular #MST32Anos

18.1.16

João Pedrosa pede desculpas a Chico e família.

O antiquário e jornalista paulista João Pedrosa enviou uma carta a Chico Buarque de Hollanda pedindo desculpas por afirmar que o cantor tinha “orgulho de ser ladrão”.

O artista divulgou que abrirá um processo contra Pedrosa ainda nesta semana.

Ele tomou a decisão depois que Pedrosa postou uma mensagem no perfil de uma de suas filhas do cantor, Silvia Buarque, no Instagram. Ela havia publicado uma foto em que aparece, pequena, ao lado do pai e da irmã, Helena. “Família de canhalhas!!! Que orgulho de ser ladrão!!!”, escreveu Pedrosa.

Na carta, enviada também à coluna e ao Painel do Leitor da Folha, Pedrosa afirma que errou e se excedeu. Diz acreditar que tanto ele quanto Chico querem “a mesma coisa para os brasileiros por vias opostas”. A do cantor “é o socialismo, e a minha, o capitalismo”.

Escreve que sua “revolta” e “indignação” com o momento atual do país são extremas e que por isso cometeu o erro de xingar a família do compositor. “Espero que acredite que o meu arrependimento é sincero”, afirma.

A íntegra da carta:

“Carta a Chico Buarque e família,

Estou escrevendo essa carta para me desculpar, se isso for possível. Eu errei e me excedi ao insultar a sua família. Infelizmente a política brasileira nos colocou em campos opostos, assim como acontece com toda a nação.

Quero crer que nós queremos a mesma coisa para os brasileiros por vias opostas, uma vida digna e próspera. A sua via é o socialismo, e a minha, o capitalismo. Desde a eleição da presidente, o Brasil entrou numa espiral negativa de ódio de classes, racial e política, que mergulhou o Brasil num caminho de decadência econômica, moral e social inegáveis, que eu acredito tragicamente irreversíveis, foi isso que motivou o meu ódio, e o meu comentário errado e infeliz.

O meu insulto foi motivado por sua associação ao PT e ao MST, são eles que eu considero ameaça à nossa dignidade e nossa democracia. Fui motivado pelas mulheres que estão dando à luz nas calçadas, aos velhos sem atendimento nos chãos dos hospitais, e principalmente, aos milhões de pais de famílias impedidos de darem pão e dignidade às suas famílias e vidas, enquanto os políticos patrocinam copas e olimpíadas, e o enriquecimento, e poder pessoal deles.

Espero que acredite que o meu arrependimento é sincero, e eu afirmo que é, mas também são extremos a minha revolta e indignação com o nosso momento atual, foi isso que motivou o meu erro. Sem mais, sinceramente,

João Pedrosa”.


Da Folha.