21.6.14

A Copa dos Arrependidos. (Mariliz Pereira Jorge)

Eu me arrependi. Me arrependi de não ter comprado ingressos, de não ter tirado férias, de não estar hoje em Porto Alegre e amanhã em Manaus. De não poder torcer ao vivo pelo Brasil, pela Austrália ou por Gana. Me arrependi de ter ficado de mimimi na hora errada.

Eu gosto de futebol, mas gosto de várias outras coisas muito mais do que de futebol. E uma delas é Copa do Mundo. Um não tem nada a ver com o outro, ainda que tenha tudo a ver. Cada uma delas marca a gente de um jeito diferente.

Me lembro onde estava em todos os anos desde 1982, quando o Brasil foi desclassificado e meu pai levou meu irmão e eu para tomar um sorvete e esfriar os ânimos. Os ânimos dele. Eu ainda não entendia muito bem a dimensão de tudo aquilo, mas ainda lembro da cara de desconsolo do velho e do silêncio sepulcral da cidade. Acho que foi quando eu descobri o que era decepção. Foi a Copa do sorvete.

Teve um ano, que a gente se reunia na chácara de uns amigos para fazer churrasco e ver todos os jogos do Brasil. Não lembro da escalação, nem quem ganhou a Copa, mas lembro do Ricardo, um menino de franja caída sobre os olhos, por quem eu era apaixonada, que chegava sempre chapado num Fiat 147 rebaixado. Ele mal olhava para mim, mas eu só tinha olhos para ele. Foi a Copa do Ricardo.

Em 1998, eu estudava no Canadá. Já no primeiro jogo, descobrimos em Little Portugal um bar sintonizado no jogo. Encheu de brasileiro, ganhamos sei lá contra quem, fechamos a rua, teve Carnaval, a polícia não entendeu nada. No segundo jogo, o esperto do portuga, dono do bar, conseguiu transmissão da Globo e passou a cobrar 10 doletas de entrada. Entupia. Perdemos na final, a rua lotada de brasileiros e gringos na maior festa. Os policiais não se conformavam: haven't you lost the game? Foi a Copa do Galvão.

O ano do Japão e da Coréia do Sul eu não esqueço, pelo menos do perrengue. Colocava o despertador para acordar de madrugada e ir para a sala enrolada num cobertor. Ouvia os gritos nos prédios ao lado, as luzes acendiam. O Brasil ganhava, ninguém mais dormia e eu morria de arrependimento de não estar no bar mesmo com frio e com sono. Mas o que eu me lembro mesmo foi que me reuni com um turma para tomar café da manhã e ver a final. A gente ganhou, mas ver jogo de madrugada é muito chulé. Foi a Copa do #nãovaitercerveja.

Então, chega o ano em que a Copa é no Brasil. Sempre quis uma Copa no Brasil. Vou tirar férias, passar o mês viajando pelo país, assistir a todos os jogos possíveis, fazer festa na rua, me embebedar abraçada com gente desconhecida.

Broxei junto com o clima anti-copa e não fiz nada para participar dela.

Ela chegou e eu fiquei de fora. Engrossei a massa dos sem-ingresso. Também quero cantar o hino à capela, quero ir na FIFA Fun Fest, quero beber na Vila Madalena até de manhã com gente feliz e estrangeira. Quero esquecer até 13 de julho que tudo foi feito errado.

Ontem, quando ficava pronta para ir ao trabalho, um amigo me ofereceu ingressos para ver a Espanha ser despachada de volta pra casa. Sem condição. Tinha que bater ponto em Curicica. Assisti ao jogo pela TV. Continuo em último no bolão. Mas tenho me divertido mesmo à distância como nunca em todos os mundiais da minha vida com tudo que leio, vejo e ouço. Eita, povo criativo. Eita, povo emocionante.

Ainda tenho esperança de emplacar um jogo ao vivo e fazer num dia só o que planejei para o mês todo. Tem gente que está preocupado se o Brasil vai ganhar, eu só quero me divertir. Está sendo a Copa das Copas.

Dilma propõe Plano de Transformação Nacional.

A presidenta Dilma Rousseff anunciou, neste sábado (21), durante discurso na Convenção Nacional do PT, o Plano de Transformação Nacional, que será o principal eixo do seu programa de governo.

Segundo ela, a iniciativa engloba um conjunto de medidas que levarão o País a um novo ciclo histórico de desenvolvimento. As medidas envolvem reformas política, federativa, urbana e de serviços públicos, além de outros mecanismos capazes de produzir revoluções educacional, tecnológica e digital.

 “Temos, agora, uma oportunidade rara na história: defender os grandes resultados de um ciclo fabuloso e, ao mesmo tempo, ter força para anunciar o nascimento de um novo ciclo de desenvolvimento”, disse Dilma, no evento que oficializou sua candidatura ao Palácio do Planalto, em Brasília. 

Dilma afirmou que o principal mecanismo para deflagrar uma revolução digital no país será o programa Banda Larga para Todos, que tem a meta de promover a universalização do acesso de todos os brasileiros a um serviço de internet barato, rápido e seguro.

19.6.14

Agora é oficial, Luiz de Deus é candidatura a deputado estadual.

Como anunciamos em postagens de meses atras, o atual deputado federal e cacique do DEM - Democratas em Paulo Afonso, oficializou a sua candidatura a estadual este ano. Quem deve estar gostando da notícia são os Petistas Adesistas de primeira e última hora aqui da cidade. Claro,porque foram iludidos, ou se deixaram, com promessas e ilusões oferecidas em suas reuniões, e aqueles que se colocaram contra eram achincalhados. Mas agora a história é real, e eu gostaria de ver a cara daquele que mentiu, e mente compulsivamente aos militantes do PT.
O deputado federal Luiz de Deus oficializou, nesta quarta-feira (18), sua candidatura a deputado estadual pelo Democratas, durante a Convenção do Partido, no Espaço Unique Eventos, em Salvador. O parlamentar, que já exerceu quatro mandatos na Assembleia Legislativa da Bahia, pretende retornar a bancada baiana, após representar o estado na Câmara do Deputados, em Brasília. O deputado explanou sobre o sentimento de satisfação em disputar a vaga no parlamento. “Eu me sinto muito satisfeito e contente em poder voltar a Assembleia, caso tenha sucesso na eleição. No cargo de deputado estadual, a gente fica mais próximo do povo, do eleitor, dos municípios onde somos votados”, disse o candidato.
E não se enganem, a turma do DEM pode ter mudado de roupa (PDT), mas vai continuar votando em seus lideres e aqueles que acharem que a coisa será diferente, que esperemos o resultado das eleições deste ano.

ABARÉ - Comarca corre risco de ser desativada.

O presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, Des. Eserval Rocha ingressou com pedido de desativação de algumas comarcas da Bahia, através do Processo Administrativo TJ-ADM-2014/06329. Abaré é uma delas, a comarca possui em torno de 3.000,00 (três mil) processos – Na Vara Cível e Vara Crime, Jurisdição plena e caso seja desativada o destino será a de Chorrochó-Ba. 


Em 2011, a então presidente do TJBA, Desembargadora Telma Brito desativou cerca de 45 comarcas e o ato gerou prejuízo à toda à sociedade onde tiveram comarcas desativadas. População na maioria das vezes carente, tendo que se deslocar com despesas de transporte para terem acesso à justiça, ferindo assim um direito previsto na Constituição Federal: “Todo cidadão deve ter acesso à justiça”. 


A população encontra-se indignada e procurando apoio das lideranças políticas, Câmara de Vereadores e Prefeitura para unirem forças contra a desativação dessas comarcas e lutar em favor do progresso. A Diretoria Executiva do Sinpojud veio a público declarar que considera a desativação de comarcas um retrocesso à justiça da Bahia. 


Lista de comarcas que correm risco de desativação: Abaré, Antas, Aurelino Leal, Baixa Grande, Belo Campo, Boa Nova, Boquira, Capela do Alto Alegre, Cocos, Conceição de Feira, Ibicuí, Ibirapitanga, Itapebi,  Itapitanga, Jaguaripe, Jiquiriçá, Milagres, Nova Canaã, Nova Fátima, Paratinga, Pau Brasil, Rio de Contas, Santa Luzia, Tanque Novo e  Wanderley.


Fonte: Sinpojud


15.6.14

O Taxista e os VIPs de São Paulo.

Adilson Luiz da Cruz, de 42 anos, é Taxista em São Paulo. Ele, como os Cochinhas paulistas foram protagonistas de histórias no Brasil, na última quinta-feira, 12. Cada um com sua educação. Enquanto o trabalhador, de classe social não muito VIPs, encontrou 40 ingressos de um grupo de Mexicanos, esquecidos no interior do seu veículo, após uma “corrida” com dois alegres turistas, os devolveu. Ele disse no momento em que foi indagado sobre ter feito a devolução que, “aquilo não era meu, era a minha obrigação devolvê-los”.  Ficamos também sabendo que ele teve uma formação humilde, mais muito rígida na sua infância. O que provavelmente moldou o seu caráter. A notícia orgulhou a todos nós!
No mesmo dia, pessoas da classe social endinheirada, que nasceram no meio onde o dinheiro não é problema, patrocinaram um espetáculo deprimente na Arena Corinthias, também na cidade de São Paulo. Elas agrediram verbalmente uma mulher, mãe, avó e Presidenta da República do Brasil. Uma vergonha mundial.

Dois mundos que refletem bem o que é educação de berço.

Não foram vaias, foram xingamentos e agressões a uma mulher.

Descobertos pela mídia alternativa, os patrocinadores das agressões a Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Roussef, a grande mídia começa a mudar, como sempre faz para manipular a notícia, o termo para definir o que aconteceu na Arena Corinthias, na abertura da Copa do Mundo de Futebol. As agressões verbais gritadas por parcela dos presentes, e que começam a serem identificados, quer seja por participarem incentivando, quer seja fazendo a divulgação dos impropérios na internet, mudam o termo de “agressões” para “vaias”. É verdade que houve vaias sim. Mas segundo os que lá estavam, aconteceram por parte dos que se indignaram com o que vinha dos camarotes endinheirados. Aconteceram em desacordo com o que acontecia com uma mulher em pleno estádio, como se ela estivesse sido levado a força ao coliseu medieval.
O acontecimento foi tão sujo, que as Redes Sociais passaram os dias seguintes discutindo o que o fato. E até muitos dos que discordam do Partido da Presidenta, expressaram suas opiniões em desacordo aquela mancha social vindo da capital paulista. Só não vi até agora um dos jogadores da seleção brasileira falar algo em desacordo as agressões, e tivemos que ver o Maradona, da Argentina, fazer isto. O que para mim é vergonhoso. Assim nossos jogadores passam a mensagem de que o que importa mesmo é a grana que recebem em seus clubes e pouca importa o que acontece no Brasil. Já tivemos melhores pessoas vestindo estas camisas.
Ontem, em Belo Horizonte, Minas Gerais, uma parcela ainda menor, tentou puxar novamente Xingamentos contra a Presidenta, mas desta vez a sociedade presente saiu em defesa da mulher, da presidenta e vaiaram aqueles militantes sociais riquinhos. Os campos estavam se tornando arena de disputa eleitoral. Este foi o maior erro cometido pela grande imprensa brasileira, que passou muito tempo derramando gasolina através de suas matérias e comentarias de seus articulistas diários. A Copa vai passar e os ricos e endinheirados brasileiros vão retirar suas bundas das cadeiras e camarotes, vão retornar para suas mansões e o povão tomará seus lugares. Esta plateia que ocupará os estádios são pessoas que foram e são beneficiadas pelos programas do governo federal. E se derem o troco aos locutores das emissoras de TV que entregaram o fosforo os baderneiros? Tudo pode acontecer, após o que a grande mídia fez com o Brasil.

Se eu pudesse ser escutado pelo Governo e Pelo Partido dos Trabalhadores, diria que na final da Copa, no Rio de Janeiro, a Dilma deve ir sim, e acompanhada de todos os parlamentares, governadores e prefeitos que puderem estar lá. Lula não pode faltar! Está será a maior demonstração de que a Presidência da República deve ser defendida. Podem até acontecer novos xingamentos, mas o povão iria adorar ver que se enfrenta o problema é de frente e sem medo de cara feia. A grande maioria da população está com o Governo, basta dar uma olhada nas pesquisas.