5.10.13

Eu também já falhei na hora "H". (Do Livro: Quando o Amor Incomoda)

Eu fico impressionado com a capacidade de alguns amigos que tive ao longo da minha vida. É que sempre que se fala em masculinidade eu sempre ouço alguns deles falarem de suas performances sexuais com tanta propriedade que já cheguei a me sentir inferior a muitos deles. Uns falam que dão duas, três sem uma pausa para descanso. Eu, esse pobre filho de Deus vou avisando, nunca consegui algo assim. É uma benfeita, para mim é claro, e estou satisfeito. E quando ainda dá para um segundo tempo, rola as vezes.

Dia desses que se passou eu cheguei em uma roda de amigos onde a conversa era o fracasso na cama com uma mulher. Como cheguei após o debate estabelecido, eu preferi ficar de observador da peleja. Toinho um Cabra macho, bruto que só jumento quando empaca na estrada. Afirmava em alto e bom som;

- Eu nunca falhei com uma mulher.

Ao ouvir aquela frase eu quase peço desculpas por minha existência de homem. É que eu já falhei na hora “H” por mais de uma vez. Então fiquei a me perguntar, caladinho e em meus pensamentos, “será que tem algo errado comigo?”. Nada disso! Eu tenho a certeza que ali tinha um monte de mentirosos. Quem danado nunca ficou deitado na cama com cara de abestalhado que levante a mão. Levanta tu ai que eu quero ver... Falei. Nem tu levantou.

Pois este é um assunto tabu entre os homens. Eles claro não devem gostar de estar lendo isto, pois juram que nunca deixaram a parceira sem a partida completa na noite de amor.

Mas! Sempre tem o “mas” meu caro leitor. Elas também já falharam. E muito mais do que possamos perceber. O problema é que estamos mais afoitos em começar a atacar que deixamos de perceber o rosto delas, com cara de “vai logo e termina isso”. Não vá me falar agora que tu nunca percebeu isto? É que para elas não o constrangimento de ver algo cambaleante e sem força para levantar. Como se tivesse levado uma surra e, deitado, encostasse seu corpo no travesseiro para dormir. Elas não! Poderosas quase sempre afirmam que foi tudo bem, quando na verdade, prefeririam estar dormindo ou distante do amado. Elas não maquinas. Há que entendermos isto. Mas nós também não somos. E elas nos entendem? Não!

Caro leito, ou leitora desavisada, o importante é que você não se preocupe em ter falhado algum dia. Isto acontece com todos nós, Homens e mulheres. Todos nós negamos fogo. Alguns claro, preferem mentir e vender a ideia de que nunca passaram por esta situação. Eu não. Eu aviso logo que errei, vai que alguma das namoradas do passado esteja lendo isto, poderá mandar uma mensagem e todos vocês e me desmascarar. Por esse vexame eu não vou passar.

Já os meus amigos, os atuais e os da juventude, continuam a afirmar que nunca negaram fogo. Eu continuo calado e fechado em meus pensamentos. Finjo que acredito, assim como todos, e não falo nada nessas horas. Claro que agora eles vão saber o que penso deles, e eles vão saber o que eu penso de mim mesmo. Mas estou com a minha consciência tranquila. O que não continua tranquilo é as falhas. Ainda acontecem, e agora com a minha esposa. O que é um problema. Não para mim, mas para ter que dá explicação toda vez. Ela insiste em saber se tem outra em minha vida. Mulher é o bicho mais parecido com gente que eu conheço. Tudo, no relacionamento que dá errado, para elas, é porque tem outra no caminho. Mas nada disso acontece. É que as vezes, mesmo as amando intensamente, nós, os homens, mortais e carinhosos, não temos forças para estamos sempre atentos. Como disse Rita Lee, “é preciso estar atento e forte, não temos tempo de temer a morte”. Certo, eu sei, a letra da música não tem nada a haver com o tema, mas foi ela que me veio à cabeça nesta hora. E se tu pensou em outra ai, leia pensando na sua, porque a minha foi está.

30.9.13

LIBERDADE, LIBERDADE - SOLIDARIEDADE AO JORNALISTA EMILIANO JOSÉ

O jornalista e escritor Emiliano José teve a coragem de denunciar através da imprensa – artigo n’A Tarde de 11/02, o pastor Átila Brandão como torturador à época da Ditadura Militar, tendo como testemunhas Dona Maria Helena Afonso de Carvalho e seu filho, o historiador e professor Renato Afonso de Carvalho. Ela era uma espécie de genitora de muitos presos políticos que afetuosamente a conheciam como Dona Yaiá. Evangélicos progressistas solidarizaram-se com Emiliano reafirmando o carreirismo e reacionarismo deste pastor que desde os tempos em que estudava na faculdade de direito na UFBA, contemporâneo de Renato Afonso, perseguia estudantes a serviço dos órgãos de informação. Incomodado com sua exposição pública, Átila Brandão encaminhou queixa-crime por calúnia visando processar e intimidar Emiliano. Com forte dose de apelo moralista - própria de religiosos fundamentalistas -, Átila Brandão é pessoa conhecida no mundo evangélico, além de ostentar funções de representação diplomática, como se tal título fosse passaporte à impunidade.

Neste ínterim, Emiliano voltou à carga e, criterioso com suas fontes, fez longa entrevista com Renato Afonso que resultou no artigo Corpo amputado querendo se recompor, já postado no site da Revista Carta Capital, onde não só confirma o fato da tortura no Quartel de Dendezeiros, como narra outros episódios de perseguição e sofrimento vivenciados em masmorras no Rio de Janeiro, nos anos 70, auge da ditadura militar. Por pouco Renato Afonso não teve o destino de tantos combatentes que sofreram sevícias até a morte, algumas indizíveis como as relatadas pelo cruel delegado Cláudio Guerra, através do livro Memórias de Uma Guerra Suja e em recente edição da mesma Carta Capital.

Jornalista, escritor e suplente de deputado federal pelo PT, Emiliano José, amargou 4 anos de prisão e sofreu na própria pele a violência das torturas tantas vezes relatadas por ele mesmo sobre outras pessoas em dezenas de artigos e livros que prolificamente vêm produzindo. O marco desta missão que se impôs foi 'Lamarca, o capitão da guerrilha', junto com o ex-preso e jornalista Oldack Miranda, lançado ainda em 1989, numa época de muitas incertezas sobre o futuro de nossa titubeante democracia.

O compromisso e a coragem de Emiliano com a Memória e a Verdade marca sua trajetória de vida desde os tempos de sua militância estudantil, quando foi líder nacional pela UBES - União Brasileira de Estudantes Secundaristas, passando pela cidadania ativa que exerceu ainda na cadeia e, em seguida como dedicado professor e parlamentar atuante. Este episódio, como tantos outros relatados por Emiliano ganha especial ressonância ao inserir-se entre as iniciativas que a Comissão Nacional da Verdade e o Comitê Baiano Pela Verdade estão tomando para identificar pessoas e instituições que se prestaram a ilegalidades e violações, feriram a dignidade humana, ceifaram vidas ou deixaram marcas no corpo e na alma de milhares de brasileiros e baianos inconformados com o fim da democracia e das liberdades. Dar publicidade e expor o pastor e ex-militar Átila Brandão à vergonha de seus familiares, amigos e funcionários por um passado tão repelente é o mínimo que podemos fazer testemunhando em solidariedade ao cidadão Emiliano José.

Salvador, 07 de maio de 2013

Página em Rede Social na internet prega crime contra Petistas.

O perfil que responde por Marcello Reis em página da rede social facebook vem pregando crime contra Petistas. Ele utilizou o grupo “revoltados online” para atacar de forma agressiva os militantes do partido.
Vejam o que diz o senhor Marcello; nós somos a favor da violência, mas sentar o cacete em PTralhas não tem preço... Ainda segundo informações ele seria o criador do grupo revoltados. Se a policia quiser ter uma conversa mais apurada com o rapaz para buscar mais informações junto ao mesmo da pratica de crime ódio, o telefone para contato com ele é 11 98295 58--.

A policia deve buscar informações urgente da página do “revoltados” para que a intolerância política tenha um fim, antes que algo mais grave possa acontecer.

Eu também já falhei na hora “H”. (Do Livro: Quando o Amor Incomoda)

Eu fico impressionado com a capacidade de alguns amigos que tive ao longo da minha vida. É que sempre que se fala em masculinidade eu sempre ouço alguns deles falarem de suas performances sexuais com tanta propriedade que já cheguei a me sentir inferior a muitos deles. Uns falam que dão duas, três sem uma pausa para descanso. Eu, esse pobre filho de Deus vou avisando, nunca consegui algo assim. É uma bem feita, para mim é claro, e estou satisfeito. E quando ainda dá para um segundo tempo, rola, as vezes.
Um dia desses eu cheguei em uma roda de amigos onde a conversa era o fracasso na cama com uma mulher. 
Como cheguei após o debate estabelecido, eu preferi ficar de observador da peleja. Toinho, um cabra macho, bruto que só jumento quando empaca na estrada, afirmava em alto e bom som;
- Eu nunca falhei com uma mulher!
Ao ouvir aquela frase eu quase peço desculpas por minha existência de ser homem. É que eu já falhei na hora “H” por mais de uma vez. Então fiquei a me perguntar, caladinho e em meus pensamentos: “será que tem algo errado comigo?”. 
Nada disso! Eu tenho a certeza que ali tinha um monte de mentirosos. Quem danado nunca ficou deitado na cama com cara de abestalhado que levante a mão. 
Levanta tu ai que eu quero ver... Falei. Nem tu levantou.
Pois este é um assunto tabu entre os homensEles, claro, não devem gostar de estar lendo isto, pois juram que nunca deixaram a parceira sem a partida completa na noite de amor.
Mas, sempre tem o “mas” meu caro leitor. Elas também já falharam. E muito mais do que possamos perceber. O problema é que estamos mais afoitos em começar a atacar que deixamos de perceber o rosto delas, com cara de “vai logo e termina isso”. 
Não vá me falar agora que tu nunca percebeu isto? É que para elas não existe o constrangimento de ver algo cambaleante e sem força para levantar. Como se tivesse levado uma surra e, deitado, encostasse seu corpo no travesseiro para dormir.
Elas não! Poderosas quase sempre, afirmam que foi tudo bem, quando na verdade, prefeririam estar dormindo ou distante do amado. Elas não máquinas. Há que entendermos isto. Mas nós também não somos. E elas nos entendem? Não!
Caro leitor, ou leitora desavisada, o importante é que você não se preocupe em ter falhado algum dia. Isto acontece com todos nós, Homens e mulheres. Todos nós negamos fogo. Alguns claro, preferem mentir e vender a ideia de que nunca passaram por esta situação. Eu não. Eu aviso logo que errei, vai que alguma das namoradas do passado esteja lendo isto, poderá mandar uma mensagem e todos vocês e me desmascarar. Por esse vexame eu não vou passar.

Já os meus amigos, os atuais e os da juventude, continuam a afirmar que nunca negaram fogo. Eu continuo calado e fechado em meus pensamentos. Finjo que acredito, assim como todos, e não falo nada nessas horas. Claro que agora eles vão saber o que penso deles, e eles vão saber o que eu penso de mim mesmo. Mas estou com a minha consciência tranquila. O que não continua tranquilo são as falhas. Ainda acontece, e agora com a minha esposa. O que é um problema. Não para mim, mas para explicar  toda vez. Ela insiste em saber se tem outra em minha vida. Mulher é o bicho mais parecido com gente que eu conheço. Tudo, no relacionamento que dá errado, para elas, é porque tem outra no caminho. Mas nada disso acontece. É que as vezes, mesmo as amando intensamente, nós, os homens, mortais e carinhosos, não temos forças para estamos sempre atentos. Como disse Rita Lee, “é preciso estar atento e forte, não temos tempo de temer a morte”. Certo, eu sei, a letra da música não tem nada a haver com o tema, mas foi ela que me veio à cabeça nesta hora. E se tu pensou em outra ai, leia pensando na sua, porque a minha foi esta.

29.9.13

Dilma procura Aécio.