16.5.13

A Casa da Mãe Joana ta mais organizada que a Câmara Federal.

Dos idealistas de antes na política, tanto da esquerda quanto da direita, aos profissionais que tomaram conta dela nos anos 60, nós estamos vendo agora as aves de rapina a destruir o sonho de cada um dos que teimam em acreditar em qualquer ideal nesta área.
Quando o poeta e cantor Cazuza afirmou em uma de suas músicas precisava ter uma “ideologia” para viver, ele na verdade dizia que para ele a dita cuja já não existia mais. Estava desolado com seus ídolos, as pessoas em quem teria acreditado um dia. Fosse à música, nas artes ou na política, que é o nosso assunto aqui.
Infelizmente nos dias de hoje nós dificilmente conseguimos encontrar jovens participando da vida política do país. As exceções são durante o período eleitoral, quando contagiados pelo clima de disputa, eles vão às ruas defendendo um nome, muito mais do que a um partido ou uma ideologia. E muita das vezes ate desconhecem o termo.
Ontem na Câmara Federal, para quem como eu também viu pela Televisão, aconteceu uma cessão que mostrou a verdadeira cara da instituição na atualidade. Desde as primeiras horas da manhã que o movimento era a busca pela aprovação da chamada Lei dos Portos. Uma medida provisória editada pela presidenta que, segundo as informações do governo ira beneficiar o Brasil na área portuária. Seria a entrada de dinheiro de empresas na construção de novos portos a serem administrados por empresas.
E o que teria de errado nessa proposição?
Para o governo nada. Mas para a oposição, tudo. Isto mesmo. Os partidos que não estão mamando nas tetas da viúva se colocaram contrários ao projeto. E para atrapalhar a aprovação do mesmo valia tudo, desde apresentar emendas que posteriormente seriam retiradas, tudo isto para ganhar tempo e ver a lei não ser aprovada por, imaginem só, falta de tempo. Neste quesito algo me chamou bastante a atenção. O DEM, que antes foi ARENA, PDS e PFL, cuidando de atrapalhar tudo, apresentou uma emenda e discutiu exaustivamente a mesma, enquanto o Partido dos Trabalhadores se colocou contrario durante o processo de tramitação da lei. Pois bem, ontem o PT descobriu talvez iluminado por alguém, que o que antes era contra, agora serviria aos propósitos do governo. Ai, os democratas acharam tudo estranho. Porque se o governo agora aprova é porque deveriam ser contra. E eles então retiraram a proposição. O governo sabendo que a retirada prejudicaria a tramitação do projeto e poderia inviabilizar sua aprovação, reapresenta a emenda agora através do deputado Sibá Machado, do PT. Pronto, estava declarada a guerra de palavras. O governo agora aceitava a proposta, mas o DEM com seus aliados se colocaram contra. E isto durou horas, ate que na queda de braço, o governo levou a melhor.
Conversando com um amigo ainda ontem, 15, eu não tive alternativa a não ser afirmar que um brega, um cabaré, um puteiro tinha mais organização que a casa legislativa. E olha que eu apanho bastante ao defender que é na política que devemos buscar as melhorias para a nossa população mais carente. Mas vocês ai em Brasília tem que ajudar. Basta de tanta desmoralização da classe.

Nenhum comentário: