14.1.13

BABAQUICE DE SEMPRE. (Fernando Montalvão)


Todo final de ano a babaquice é a de sempre. A mídia faz a retrospectiva dos fatos mais marcantes que aconteceu no ano findo e são ouvidas pessoas sobre o que deverá acontecer no ano novo e as previsões são sempre as mesmas como que morrerá uma pessoa de expressão, novas catástrofes decorrentes de chuvas, furações, terremotos, guerras tribais e nacionalistas acontecerão, e assim por diante. Na televisão médicos e nutricionistas são ouvidos e dirão o que fazer para amenizar as ressacas do natal e do réveillon, como tomar líquido, se alimentar com frutas e muito repouso.

Enquanto o natal é uma festa tipicamente familiar, o réveillon tem suas próprias características e a tendência é de que as pessoas procurem lugares mais abertos, em casas de familiar ou não, e quando soa a meia-noite as pessoas trocam abraços e dirão uns para o outro feliz ano. É sempre assim e nas primeiras horas do dia imediato estará havendo um desmoronamento em algum morro carioca.

Reunir os bons fluidos no réveillon é de extrema importância para as pessoas. Acreditar cada vez mais nas pessoas é o melhor remédio contra a incompreensão, à intolerância e a violência. Gonzaguinha na letra “O Que É, O Que É” já nos ensinava:

Ah meu Deus! Eu sei, eu sei Que a vida devia ser Bem melhor e será Mas isso não impede Que eu repita É bonita, é bonita E é bonita...

O ano de 2012 foi de holofotes para o STF no julgamento do mensalão e seus heróis, mesmo como Macunaíma, herói sem caráter. Barbosa, ora no exercício da Presidência, se tornou o Wyatt Berry Stapp Earp, o fazedor da justiça, mesmo quando se faz justiça sem regras estabelecidas ou fora das regras estabelecidas. Se o julgamento do mensalão soou para os políticos como uma ameaça permanente, quando os critérios ali adotados recair sobre o cidadão comum se apresentará como castigos ilegítimos.

Como o ano de 2012 foi um ano eleitoral, no último dia primeiro tomaram posse os prefeitos eleitos e reeleitos. Os reeleitos anunciam como regra uma pequena reforma como troca de nomes e a mesma filosofia, e os eleitos baixarão decretos suspendendo promoções, concessão de férias e licenças, pagamentos de obrigações contraídas pelo Município na gestão anterior e, finalmente, dirão que encontraram uma Prefeitura como terra arrasada, sem nada. A babaquice de sempre.

Difícil é a situação de minha Jeremoabo. Há décadas vem sendo acentuada a sua decadência e os próximos 04 anos será de pavor.

Na eleição da mesa da Câmara se o Prefeito eleito não teve uma maioria consistente a descartar os insatisfeitos sem riscos, sempre haverá tentativa de candidatos independentes ou de oposição de ocupar a Presidência da Câmara e a moeda mais comum é o vil metal e negociações de cargos para os diversos vereadores. Muitas vezes quando obtida a maioria os vereadores em número suficiente ficarão trancafiados em hotéis, fazendas ou chácaras e somente aparecerão no dia da votação.

Não é a babaquice de cada final de ano que deverá nos desestimular a acreditar nos homens, no seu sentimento de solidariedade e nas instituições. Há um descrédito na classe política que não é um sentimento particular da sociedade brasileiro, fato comum a todas as Nações, mas devemos entender que ainda temos políticos republicanos que se armam das ideias e desprezam as vantagens pessoais, são poucos, é claro.

O que não é possível acreditar é nos políticos que devotam como objeto de vida à vantagem pessoal e que trocam de partidos ou de grupos como se troca de camisa a um simples sinal de vantagem. Aliás, se for para citar nome em cada comunidade haverá um como o que se conhece.

O que eu sei que não vai mudar é a oposição da Veja, da Globo e do Estado de São Paulo ao governo Dilma e ao ex-presidente Lula. Se me perguntar o que fazer para andar com um pouco de lixo eu responderei: “Compre a revista Veja, enrole e coloque debaixo do braço.”

FRASE. "Ninguém quer ser condenado à escuridão e ao silêncio. Todos querem ser olhados e ouvidos debaixo dos refletores." Pedro Juan Gutiérrez.
Paulo Afonso, 13 de janeiro de 2013.
Fernando Montalvão. montalvao@montalvao.adv.br
Montalvão advogados Associados.

Nenhum comentário: