10.9.11

A cultura na Bahia é algo mais que um trio elétrico.

Há muito tempo que ao se referir à Bahia, jornais, revistas, sites na internet e ate mesmo o governo do estado, deixam a entender que tudo se resume a capital Salvador. Parecendo que o que acontece na Bahia, acontece lá. Se de alguma forma isso ao longo do tempo criou uma marca para ser vendida, hoje em dia é um mal que exclui as outras manifestações culturais existentes por todos os territórios de identidade.

Fala-se do pelourinho como se lá fosse o único local onde os turistas pudessem encontrar as manifestações existentes. Colocasse dinheiro publico a anos naquele local. A iniciativa privada que tem seu comércio parece sobreviver à custa de incentivos em detrimento do restante do estado. Parece-me, sem fazer qualquer pesquisa, que já se investiu mais no pelourinho que em qualquer outra cidade. E só estou falando do complexo onde fica o Centro Histórico.

A busca em atrair turistas para visitar a “Bahia”, vista unicamente a partir de Salvador, leva o governo a investir erradamente o dinheiro publico.

Um desses gastos aconteceu quando se tenta transformar o São João da Bahia em um produto vendável.

No primeiro ano, foi contratada a cantora Daniela Mercury como garota propaganda de um evento junino. Um erro! Não pela artista que é renomada mundialmente, mas porque essa mistura do Forró com a Axé desvirtua o sentido do evento. Se já não bastasse a mistura de ritmos que vem sendo imposta pelos produtores de shows na Bahia. Neste caso o que aconteceu foi feito pelo governo do estado. Ate parece que aqui tudo se resume a trio elétrico e artistas de Axé Music. Basta que se ande por todos os cantos e recantos para se perceber que a Bahia é algo mais que o pelourinho, Axé Music, Salvador...

Agiotas estão com as barbas no molho para 2012.

Preocupados com o dinheiro que emprestaram para candidatos a vereadores em 2008 e ate o momento ainda pelejam para receber de alguns. Os agiotas da cidade, que são especialistas na arte do conluio político, agora parece que vão querer uma garantia real para poder meterem a mão na cumbuca.

Algumas dessas pessoas endinheiradas estão ate hoje sem receber o “principal” emprestado a candidatos a vereadores. Eles teriam levado o famoso “CANO”.

O Menino e o Violão. (Caio Roque)

Já faz um tempo que um dos meus amores Caio Roque, criou o seu Blog. No Acorda Brasil Fala ele escreve e posta algumas fotos feitas por ele. Caio tem 9 anos e é o meu quarto filho. Como vocês sabem, eu tenho 6.

Uma foto? Um pintura? Decida!

O altar da intolerância.

A onda de violência contra LGBTs no país inteiro tem aumentado seu volume e intensidade, mostrando que há um ódio quase que fora de controle e feito vítimas, inclusive, heterossexuais.

Eu fico a me perguntar de onde vem tanta raiva homofóbica, ódio aos homossexuais, tanta intolerância, tanta aversão aos que pretensamente escapam aos padrões da dita ou mal dita normalidade. Será que recorrer a Freud ajudaria, explicaria? Talvez. E se algumas correntes dedicadas a essa cruzada, de matriz medieval, fossem a Freud talvez se surpreendessem com as descobertas, se quisessem descobrir o fundo de tudo isso. Nenhuma dessas correntes, no entanto, se disporá a isso, por indisposição preliminar com o autor, por impossibilidade existencial, por medos atávicos.

Esse tsunami conservador, afora o que vem de mentes castrenses situadas ainda nos tempos da ditadura, é proveniente, em boa parte, de setores considerados cristãos, e nem adianta nominar todos eles, porque conhecidos. Constituem um amplo espectro, a juntar-se numa frente destinada a combater os homossexuais e a incentivar a homofobia, por mais que alguns jurem não fazê-lo. Estariam apenas salvando a família brasileira de quaisquer anomalias, como pretendem rotular as orientações sexuais diversas das pessoas. Não creio, no entanto, que tais ataques venham somente de cristãos. E devem ser analisados num contexto mais amplo.
Emiliano José.

9.9.11

PROCON-BA OCUPA O 4º LUGAR EM NÚMERO DE ATENDIMENTOS NO BRASIL.

O Procon-BA, da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, atendeu até agosto 47.597 consumidores, passando a ocupar o quarto lugar em número de atendimentos em todo o Brasil. Ele só perde para os Procons dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás, que ainda lideram o ranking dos órgãos que compõem o Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça.
Segundo a superintendente do Procon-BA, Cristiana Santos, o resultado reflete os esforços do Governo do Estado na ampliação dos postos de atendimento, de quatro para oito, no ano passado, possibilitando um maior acesso dos consumidores de bairros periféricos, como Cajazeiras, Liberdade e Periperi, aos serviços do órgão.
Houve ainda a implantação do primeiro posto de atendimento no interior, em Jequié, e a reforma do posto central da Carlos Gomes, que com mais guichês agora atende mais de três mil consumidores por mês.
“Nos últimos 12 meses, o Procon-BA atendeu mais de 70 mil pessoas, representando um aumento de 32,25%, com relação ao período de agosto de 2009 a julho de 2010 (53.232)”, disse a superintendente.

7.9.11

Vencedor do Projeto Sistema de Saúde Digital.

Hino do Brasil no 7 de setembro de 2011.

“Confere. Não confere”.

A cidade de Paulo Afonso na Bahia já teve 06 cinemas ao mesmo tempo. Era uma época em que a televisão ainda não tinha chegado com tanta força à camada mais popular. E a tela grande era a única alternativa de diversão em imagens projetadas. Naqueles tempos os dias de domingoeram esperados por todos nós como aquele em que encontraríamos nossos ídolos. Quase todos enlatados vindos da América e da Itália. O único brasileiro que me vem a lembrança agora é Amácio Mazzaropi, que me fez levar uma bela de uma surra em um domingo ao entrar no cinema às 13h e ser encontrada por minha mãe às 19, 30min. Quando vi aquele homem com sua lanterna vindo em minha direção, eu já sabia que a coisa ia ficar feia para o meu lado.

Pois bem! Django é o titulo de um filme Italiano ainda mora em minhas memórias. Estrelado por Franco Nero. O proprietário do cinema Coliseu para divulgar o filme, colocou um ator local para andar por toda a cidade arrastando um caixão de defunto. Foi a forma mais original encontrado para divulgar um filme de que eu tenha lembrança da minha infância. No domingo a Praça Libanesa que fica em frente do cinema estava lotada de gente. Era preciso esperar o fim de cada seção para o público fosse retirado e desse lugar outro tanto. Isso acontecia quase que todos os fins de semanas. E a cada filme a ser exibido, novas táticas de marketing eram executadas para atrair a todos nós.

Foi em uma dessas seções que ouvi pela primeira vês a frase, “confere, não confere”. Isso acontecia todas as vezes que terminava a seção do cinema e muitos de nós saiamos correndo do cinema e íamos em direção ao cartaz exposto em frente do prédio. Lá estavam fotos com cenas que aconteceram nos filmes. Ainda me lembro do som das vozes afirmando ou negando terem visto durante o filme algumas delas. Mas só muito tempo depois é que vim entender o porquê de algumas daquelas fotos de cenas dos filmes não terem feito parte da exibição. Como o projetor funcionava, e em algumas cidades ainda funciona, com elétrodos. Ao expor a película por muito tempo ao calor, ela queimava. E para emendá-la, os técnicos cortavam o restante da cena, pulando para a próxima. Ao fazer isso, quando a cena era muito grande, se perdia parte do filme. E por este motivo, quando nós, nos acotovelávamos para ver as fotos, muitas das vezes víamos algumas de cenas que não eram mostradas nos filmes.

Hoje em dia, em Paulo Afonso não há uma única sala de cinema. O que reina agora é a cultura da televisão e do DVD pirata. Já não se tem um local onde as crianças de hoje possam ir e haver a aglomeração como nos anos 70 e inicio dos 80. É o tal dos novos tempos. Mas como esperar que essa meninada possa desenvolver a capacidade de convivência social? Se eles agora ficam por horas e horas diante da TV e do computador. Se ao menos parte dessas horas perdidas em jogos e sabem-se lá mais o que, fossem aproveitadas para estudos ou para conviver com os amigos da rua onde moram, com brincadeiras que despertassem o sentido da amizade. Isso seria encontrar o passado sem negar o presente para um futuro melhor dos nossos filhos.

6.9.11

Dilma Rousseff - pronunciamento 7 de Setembro.

Produtores rurais baianos terão mais acesso ao crédito.

Novo PL, que alterar leis relativas ao Fundese e ao Pronaf, visa fomentar a economia e a atividade agrícola no Estado da Bahia.

Como parte das ações do mais novo programa do Governo da Bahia de apoio à atividade socioprodutiva, o Vida Melhor, o governador Jaques Wagner apresentou na terça-feira (6), na Assembleia Legislativa do Estado, um projeto de lei que visa fomentar a economia e a produtividade agrícola e equacionar o endividamento dos agricultores familiares. O objetivo é ampliar o acesso ao crédito rural, estimulando a produção e a comercialização de produtos da agricultura familiar.

A proposição possibilitará a absorção, pelo Fundo de Desenvolvimento Social e Econômico (Fundese), de até 2% do valor a ser pago por mutuários adimplentes em financiamentos contratados junto a instituições oficiais e cooperativas de crédito rural, estimulando o crédito para agricultores familiares em situação de maior vulnerabilidade social e produtiva. Com esta medida, as famílias rurais que desenvolvem atividades produtivas no semi-árido passarão a não pagar juros nos empréstimos, já que estes encargos serão absorvidos pelo Estado.

Além disso, o PL autoriza o Fundese a custear até 20% do saldo devedor das operações de crédito rural, com vistas a apoiar os agricultores familiares residentes nos municípios baianos da região semi-árida - com população inferior a 20 mil habitantes - no processo de renegociação de suas dívidas no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Condições diferenciadas

Segundo o coordenador-executivo do Programa Vida Melhor da Casa Civil/BA, Fábio Freitas, o Governo da Bahia reafirma o compromisso que tem com a agricultura familiar e o seu papel estratégico para o desenvolvimento socioeconômico do Estado. "Com essas iniciativas damos condições diferenciadas ao agricultor. Além do acesso a uma linha de crédito diferenciada, o Governo assume os juros da operação e incentiva a regularização creditícia para os produtores dos municípios mais vulneráveis do nosso semi-árido, melhorando, assim, as condições de trabalho e renda na agricultura familiar".

O superintendente da Agricultura Familiar da Secretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri), Wilson Dias, disse que as medidas estimularão a aplicação do crédito rural de baixo custo e longo prazo, possibilitando o desenvolvimento das atividades agropecuárias da população de menor renda. "Vamos tirar da invisibilidade segmentos sociais do meio rural baiano tipicamente sem acesso ao crédito, como as mulheres e os jovens rurais, além de contribuir com a superação das adversidades do clima seco, para gerar produção e renda em locais tradicionalmente limitados".

Alterações - O PL altera a Lei nº 7.599, de 7 de fevereiro de 2000, que dispõe do Fundese, e a Lei nº 11.611, de 1º de outubro de 2009, que institui medidas de estímulo à renegociação de dívidas oriundas do Pronaf. (Casa Civil/BA)

Camarotes na Copa Vela podem ser embargados.

Com a aproximação da Copa Vela, que é carnaval fora de época do município, toda a estrutura para o divertimento das pessoas está sendo montada. Palcos, barracas de bebidas e lanches, caipifrutas e os camarotes. O do Chavaska, bloco em circuito indoor, já está quase que totalmente pronto. O problema acontece com o Camarote In e o Planeta Beer.

A Coelba – Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia, não autorizou ate o momento instalação total dos dois camarotes. A empresa alega que as estruturas estão embaixo de uma linha de transmissão de eletricidade e que caso ocorra um acidente, a tragédia seria grande. Já uma pessoa ligada à prefeitura disse ao site que a empresa recebeu um oficio solicitando o isolamento da linha.

O caso está na justiça e será ela a dá a palavra final. Se os camarotes poderão funcionar ou se eles serão interditados. O que prejudicaria muitas das pessoas que compraram as entradas.

Lei da licença maternidade é reprovada em Glória/BA.

Valério José, vereador do Partido dos Trabalhadores em Glória na Bahia está indignado com a rejeição da Lei proposta por ele, que aumentava a licença maternidade das funcionárias públicas do município de 04 (quatro) para 06 (seis) meses. Segundo o mesmo, a lei tinha sido encaminhada anteriormente, mas o presidente da casa legislativa o procurou com um pedido da prefeita. Ela achava que o inicio da sua administração não era o momento certo, porque a prefeitura estaria passando por problemas financeiros. O vereador aceitou a justificativa e esperou o chamado “momento certo”, que para ele seria agora.

Com a nova proposição junto a Câmara, Valério foi surpreendido com o voto contrario de quatro vereadores. Dois deles do seu próprio partido, o PT.

Os únicos vereadores que votaram favorável a Lei da licença maternidade foram Valério José, Alex, Zé Nilson e ele acha que o quarto teria sido Gilmar. Essa lei já foi aprovada pelo governo federal e estadual. E prefeituras da região como Paulo Afonso já teve a sua aprovada e as mulheres contam com os benefícios.

O vereador Valério discorda da justificativa da prefeita de não haver recursos suficientes para que em Glória se dê o mesmo benéfico. Ele alega que recursos existem, pois foram criados vários cargos de confiança com altos valores. “Porque o mesmo beneficio não é dado ao povo”? Questiona ele.